ANÁLISE DOS CASOS DE SÍFILIS ADQUIRIDA E GESTACIONAL NOS ANOS DE 2015-2020: UM CONTEXTO REGIONAL NO BRASIL

Authors

  • Rafaela da Silva Santos
  • Ana Patrícia Macêdo da Silva
  • Jaqueline Maria da Silva
  • Rogério Alves de Sousa
  • Sheyla Walquyrya Mendes da Silva
  • Marlon Chaves Cavalcanti
  • Roberto Bezerra da Silva
  • Tereza Cristina de Souza Maia Romão

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N8-046

Keywords:

Epidemiologia, ISTs, Saúde Pública, Sociodemográfico

Abstract

O Brasil vem vivenciando um aumento significativo no número de casos de sífilis nos últimos anos, e o aumento na transmissibilidade dos casos sífilis podem estar  relacionados  a  aspectos  sociais e comportamentais que influenciam a ocorrência da doença na população. Diante do exposto, este trabalho tem como objetivo realizar uma análise retrospectiva dos casos de sífilis adquirida e gestacional notificados nas regiões do Brasil entre 2015 e 2020. Para o estudo, utilizou-se como amostragem as cinco regiões do Brasil (Norte, Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Sul). Foi utilizado dados de sífilis adquirida e gestacional, disponíveis na plataforma online e gratuita do MS/SVS/Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis – DCCI. Abordou-se os casos de sífilis adquirida por região do Brasil, comparando o aumento dos casos entre homens e mulheres, além disso, realizou-se uma análise dos casos de sífilis em gestantes, relacionados por faixa etária, cor/raça, escolaridade e dinâmica populacional de cada região. Observou-se que os homens apresentaram em média os maiores casos de sífilis adquirida entre os anos de 2015 a 2020. Com relação aos casos de sífilis em mulheres gestantes e a relação com as características sociodemograficas, verificou-se na presente pesquisa que a região Sudeste se manteve com a maior taxa média de casos de Sífilis no Brasil, com destaque para aumento médio dos casos em mulheres na faixa etária entre 20 e 29 anos, com ensino fundamental incompleto e de cor parda. Os resultados demonstram que, apesar de possuir uma simples forma de prevenção e de ser facilmente tratada, a sífilis é uma doença que ainda permanece emergente no país e constitui-se como um problema de saúde pública no Brasil, atuando em diferentes níveis sociodemográficos, sendo, portanto, um grande desafio para todas as esferas governamentais e a população em geral.

References

Almeida et. al. Sífilis em gestantes atendidas em uma unidade de saúde pública de Anápolis, Goiás, Brasil. RBCA 2009; 41(3): 1814.

Brasil. Ministério da Saúde: Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crô¬nicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Sífilis 2019. Bol Epidemiol [Internet]. 2019 out [citado 2020 set 10]; especial. Disponível em: http://www.aids.gov.br/ pt-br/pub/2019/boletim-epidemiologico-sifilis-2019.

Cabral, B. T. V. et al. Sífilis em gestante e sífilis congênita: um estudo retrospectivo. Revista Ciência Plural, v. 3, p. 32, 2017. DOI: https://doi.org/10.21680/2446-7286.2017v3n3ID13145

Cardoso, A. R. P. et al. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciência. Saúde Coletiva, v. 23, p. 563, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018232.01772016

Castillo-Arcos, L. C. et al. Age, Gender and Resilience in Sexual Risk Behavior of STI among adolescents in Southern Mexico. Enf. Global, 45, 178- 186, 2017. http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.16.1.234921. DOI: https://doi.org/10.6018/eglobal.16.1.234921

Cerqueira, L. R. P., Monteiro, D. L. M., Taquette, S. R., Rodrigues, N. C. P., Trajano, A. J. B., Souza, F. M.; Araújo, B. M. The magnitude of syphilis: from prevalence to vertical transmission. Revista do instituto de medicina tropical de São Paulo, v. 59, p. e78, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s1678-9946201759078

Domingues, C. S. B., Lannoy, L. H., Saraceni, V., Cunha, A. R. C. D., Pereira, G. F. M. Brazilian proto¬col for sexually transmitted infections 2020: epidemiological surveillance. Rev Soc Bras Med Trop, 54:e2020549, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0037-8682-549-2020

Focacci, A. R., Veronesi, R. Tratado de infectologia. 5ªed. São Paulo: Editora Atheneu,2005;1543-1550p.

Freitas, F. L. S., Benzaken, A. S., Passos, M. R. L., Coelho, I. C. B., Miranda, A. E. Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: sífilis adquirida. Epidemiologia e servicos de saude, v. 30, p. 31-42, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/s1679-4974202100004.esp1

Guinsburg e Santos. Critérios diagnósticos e tratamento da sífilis congênita. São Paulo: Departamento de Neonatologia, Sociedade Brasileira de Pediatria; 2010. (Documento Científico).

Junior Ramos, A. N. Persistência da sífilis como desafio para a saúde pública no Brasil: o caminho é fortalecer o SUS, em defesa da democracia e da vida. Cadernos de Saude Publica, v. 38, p. e00069022, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311xen069022

Kasper, D. L.; Fauci, A. S. Doenças infecciosas de Harrison. 2ªed.Porto Alegre: AMGH, 2015; p. 579-581.

Menezes, I. L., Targino, M. L. M., Figueirêdo, J.R.E.C., VerlI, F. D., Marinho, S. A. Sífilis Adquirida no Brasil: análise retrospectiva de uma década (2010 a 2020). Research, Society and Development, v. 10, p. 1, 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.11180

Miranda, A. E., Freitas, F. L. S., Passos, M.R.L., Lopez, M. A., Pereira, G. F. M. Políticas Públicas em Infecções Sexualmente Transmissíveis no Brasil. Epidemiologia e servicos de saude, v. 30, p. e2020611, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/s1679-4974202100019.esp1

Morais, T. R., Feitosa, P. W. G., Oliveira, I. C., Girão, M. M. F., Sales, W. S., Brito, E. A. S., Coutinho, L. L. R. B., Pinheiro, S. F. L., Tavares, W. G. S. Interseccionalidades em Saúde: Predomínio de Sífilis Gestacional em Mulheres Negras e Pardas no Brasil. Id onLine Rev. Mult. Psic. v.13, p. 670-679, 2019. DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v13i45.1772

Morales-Mesa, S., Arboleda-Álvarez, O., & Segura-Cardona, A. Las prácticas sexuales de riesgo en poblaciones universitarias. Rev. Salud Publica, v.16, p. 27-39, 2014. DOI: https://doi.org/10.15446/rsap.v16n1.30659

MS/SVS/Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis – DCCI (disponíveis em: http://indicadoressifilis.aids.gov.br).

Nunes, P.S. et al. Sífilis gestacional e congênita e sua relação com a cobertura da Estratégia Saúde da Família, Goiás, 2007-2014: um estudo ecológico. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 27, e2018127, 2018. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742018000400008

Pereira, B.B. et al. Realização de testes rápidos de sífilis em gestantes por enfermeiros da atenção básica. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 10, p. 82, 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/2179769240034

Pinto, V. M. et al. Prevalência de Sífilis e fatores associados a população em situação de rua de São Paulo, Brasil, com utilização de Teste Rápido. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo, v. 17, n. 2, p. 341-354, 2014.

Rodrigues e Guimarães. Grupo Nacional de Estudo sobre Sífilis Congênita. Positividade para sífilis em puérperas: ainda um desafio para o Brasil. Rev Panam Salud Publica, v.16(3), p. 168-75, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S1020-49892004000900003

Santos, L. G., Dantas, A. S. C., Santos, L. F. S., Lopes, I. M. D., Farias, R. O., Montalvão, M.NS., Matos, C. C., Almeida, R.R., Abril, V. S., Neto, O. R. J. As diversidades da predominância da Sífilis Adquirida nas regiões do Brasil (2010-junho 2019). Revista Eletrônica Acervo Científico, v. 10, p. e3553, 2020. DOI: https://doi.org/10.25248/reac.e3553.2020

Silveira, B. J. et al. Perfil epidemiológico dos casos notificados de sífilis em gestantes em Minas Gerais, de 2013 a 2017. Revista Médica de Minas Gerais, v. 31, e31104, 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/2238-3182.20210016

Silveira, S. J. S., Silva, J. Q. D., Damiani, R. F. Análise dos casos de sífilis adquirida nos anos de 2010-2017: Um contexto nacional e regional. Brazilian Journals - International Scientific Journals, v. 6, n. 5, p. 32496-32515, 2020. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-627

Sousa, S. S., Silva, I. M. L., Castro, A. G. S., Silva, Y. B., Oliveira, H. F. C., Antunes, A. Aspectos clínicos epidemiológicos da sífilis gestacional no nordeste do Brasil. Revista ciência plural, v. 8, p. e22522, 2022. DOI: https://doi.org/10.21680/2446-7286.2022v8n1ID22522

Published

2023-08-08

How to Cite

Santos, R. da S., da Silva , A. P. M., da Silva , J. M., de Sousa , R. A., da Silva, S. W. M., Cavalcanti, M. C., da Silva, R. B., & Romão, T. C. de S. M. (2023). ANÁLISE DOS CASOS DE SÍFILIS ADQUIRIDA E GESTACIONAL NOS ANOS DE 2015-2020: UM CONTEXTO REGIONAL NO BRASIL. Revista Contemporânea, 3(8), 10770–10792. https://doi.org/10.56083/RCV3N8-046

Issue

Section

Articles