AS FUNÇÕES DE APOIO À DOCÊNCIA - ANÁLISE DESCRITIVA

Authors

  • Adelcio Machado dos Santos
  • Rita Marcia Twardowski
  • Audete Alves dos Santos Caetano
  • Danielle Martins Leffer
  • Alisson André Escher

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N3-010

Keywords:

Docência, Funções de apoio

Abstract

O art. 64 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (BRASIL, 1996), prevê a formação de funções de apoio à docência, incluindo os seguintes profissionais da educação: administradores, inspetores, planejadores, supervisores e orientadores educacionais. Conforme dispõe o preceito supra aludido, tais profissionais podem ser formados no Curso de Graduação em Pedagogia ou por meio da realização de pós-graduação, fazendo-se mister que todos possuam formação de educador. Colimando o desconhecimento vigente acerca do perfil e cometimentos de tais profissionais, este artigo tenta projetar luz sobre a matéria em tela.

References

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm>. Acesso em: 18 jan. 2012.

CARVALHO, Maria de Lourdes Ramos da Silva. A função do orientador educacional. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979.

FACULDADE POLITÉCNICA. Inspeção escolar: formação, identidade e práticas pedagógicas. Disponível em: <http://www.facpoli.edu.br/pos_grad/inspescol.php>. Acesso em: 21 mar. 2012.

FERREIRA, Naura Syria Carapeto; OLIVEIRA, Mabel Tarré de. Profissionais da educação: administração, políticas e práticas da formação. In: Simpósio Brasileiro da Administração da Educação, 16., 1993. Anais... Rio de Janeiro: ANPAE, 1993.

FOLBERG, Maria N. Orientação educacional em questão. 2. ed. Porto Alegre: Movimento, 1986.

GRINSPUN, Mirian P. S. Zippin. A orientação educacional: conflito de paradigmas e alternativas para a escola. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

__________, Mirian P. S. Zippin. O espaço filosófico da orientação educacional na realidade brasileira. Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1992.

______. Professor ou pesquisador? A busca da formação do educador. In: SOUZA, Donaldo Bello de; GAMA, Zacarias Jaegger (Org.) Pesquisador ou professor? O processo de reestruturação dos cursos de pós-graduação em educação no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

LÜCK, Heloísa. Ação integrada: administração, supervisão e orientação educacional. 18. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

MEDINA. Antonia da Silva. Supervisor escolar: parceiros político-pedagógicos do professor. In: SILVA JR. Celestino Alves da; RANGEL Mary (Org.) Nove olhares sobre a supervisão. 3. ed. São Paulo: Papirus, 1997.

MENEGOLLA, Maximiliano; SANT’ANA, Ilza Martins. Por que planejar? Como planejar?: currículo, área, aula. 9. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

MENESES, João Gualberto de Carvalho. Princípios e métodos de inspeção escolar. São Paulo: Saraiva, 1977.

NOGUEIRA, Martha Guanaes. Supervisão educacional: a questão política. São Paulo: Loyola, 1989.

OLIVEIRA, Eloiza da Silva Gomes de. Princípios e métodos de gestão escolar integrada. Curitiba: IESDE, 2004.

PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2001.

PARO, Vitor Henrique. Administração escolar. São Paulo: Cortez; Autores Associados, 1986.

RANGEL Mary; considerações sobre o papel do supervisor, como especialista em educação na América Latina. In: SILVA JR. Celestino Alves da; RANGEL Mary (Org.) Nove olhares sobre a supervisão. 3. ed. São Paulo: Papirus, 1997.

Published

2023-02-17

How to Cite

dos Santos, A. M., Twardowski, R. M., Caetano, A. A. dos S., Leffer, D. M., & Escher, A. A. (2023). AS FUNÇÕES DE APOIO À DOCÊNCIA - ANÁLISE DESCRITIVA. Revista Contemporânea, 3(3), 1347–1368. https://doi.org/10.56083/RCV3N3-010

Issue

Section

Articles