SUSTENTABILIDADE GLOBAL: A CONTRIBUIÇÃO DA PEGADA ECOLÓGICA PARA A NOVA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL DAS NAÇÕES

Authors

  • Rosália do Socorro da Silva Corrêa
  • Moisés Rita Vasconcelos Junior
  • Jane Simone Moraes de Melo
  • Philipe Augusto da Silva Corrêa

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N6-079

Keywords:

pegada ecológica, equilíbrio entre o padrão de consumo e a capacidade do planeta, sustentabilidade, iniciativas para o eco equilíbrio

Abstract

O artigo apresenta uma discussão sobre a Pegada Ecológica como um recurso capaz de fomentar uma nova consciência ambiental das nações, quando aponta para o desequilíbrio entre o consumo da população e a capacidade do planeta de atender a essa demanda. Como indicador de sustentabilidade, a Pegada Ecológica assinala que se as nações não mudarem os seus padrões de consumo e de produção, as gerações futuras não poderão dispor de uma vida saudável na Terra. Por ser um instrumento que quantifica o terreno produtivo necessário para sustentar o estilo de vida humano, A PE se tornou uma ferramenta capaz de medir o impacto ambiental das ações antrópicas. Com o objetivo de mostrar a Pegada Ecológica das nações e a forma como o mundo caminha em direção à sustentabilidade, o artigo apresenta algumas iniciativas que demonstram a preocupação das nações em alcançar o eco equilíbrio racional, mas também as omissões relacionadas a esta causa.

References

AMEND, T.; BARBEAU, B.; BEYERS, B.; BURNS, S.; EIBING, S.; FLEISCHHAUER, A.; KUS-FRIENDERICK, B.; POBLETE, P. Uma grande pegada num pequeno planeta? Contabilidade através da Pegada Ecológica. Ter sucesso num mundo com crescente limitação de recursos. A sustentabilidade tem muitas faces. N. 10. Eschborn, Alemanha, 2011.

BARRAL, W.; FERREIRA, G. A. Direito ambiental e desenvolvimento. In: BARRAL, W.; PIMENTEL, L. O. (Orgs.). Direito ambiental e desenvolvimento. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2006. p. 13-45.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Acordo de Paris. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/clima/convencao-das-nacoes-unidas/acordo-de-paris>. Acesso em: 20 nov. 2023.

CALIXTO, B. Mesmo sem EUA, acordo de paris não será um fracasso como foi Kyoto. Época. 2017. Disponível em: <http://epoca.globo.com/ciencia-e-meio-ambiente/blog do-planeta/notícia/2017/06/mesmo-sem-eua-acordo-de-paris-nao-sera-um-fracasso como-foi-kyoto.html>. Acesso em: 14 set. 2017.

CERVI, J. L.; CARVALHO, P. G. M. A Pegada Ecológica do município do Rio de Janeiro. Revista Iberoamericana de Economia Ecológica, vol 15, 15-29, 2010.

CHAMBERS, N.; SIMMONS, C.; WACKERNAGEL, M. Sharing Nature’s Interest: ecological footprints as an indicator of sustainability. London: Earthscan from Routledge, 2000, p. 210.

Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD). Nosso futuro comum. 2. ed. Tradução de Our common future. 1. ed. 1988. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

DIAS, G. F. Pegada ecológica e sustentabilidade humana. São Paulo: Gaia, 2002. EIA BETA. Petroleum and Other Liquids Production 2016. Disponivel em: < https://www.eia.gov/beta/international/rankings/#?cy=2016>. Acesso em: 23 mar. 2023.

FIRMINO, A. M.; SANTOS, H. N.; PINA, J. H. A.; RODRIGUES, P. O.; FEHR, M. A relação da pegada ecológica com o desenvolvimento sustentável/cálculo da pegada ecológica de Toribaté. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 10, n. 32, p. 41-56, dez. 2009. DOI: https://doi.org/10.14393/RCG103215931

GLOBAL FOOTPRINT NETWORK (GFN). Explore data. Disponível em:. Acesso em: 11 mar. 2019.

GLOBAL CARBON ATLAS. CO2 Emissions 2016. Disponível em: < http://www.globalcarbonatlas.org/en/CO2-emissions>. Acesso em: Acesso em: 12 mar. 2019.

GLOBAL CARBON ATLAS. Global and national CO₂ emissions from human activity. Disponível em: <https://globalcarbonatlas.org/>. Acesso em: Acesso em: 02 fev. 2024.

HARDIN, Garrett. The tragedy of the commons. Science, 162 (3859), 1243 - 1248. Washington, DC: American Association for the Advancement of Science, December 13, 1968. DOI: https://doi.org/10.1126/science.162.3859.1243

HOME – Nosso Planeta, Nossa Casa. 2009. França. Direção: Yann Arthus-Bertrand. Produção: Denis Carot e Luc Besson. Gênero: Documentário. Duração: 90 minutos. Baseado no livro “The Earth from Above”, de Yann Arthus-Bertrand.

INTERNATIONAL ENERGY AGENCY (IEA). CO2 emissions from fuel combustion. Highlights. France (2011 Edition).

KEMERICH, P. D. C.; RITTER, L. G.; BORBA, W. F. Indicadores de sustentabilidade ambiental: metódos e aplicações. Remoa, Santa Maria, v. 13, n. 5, p. 3723-3765, 2014. DOI: https://doi.org/10.5902/2236130814411

LISBOA, C. K. Pegada Ecológica: Um indicador ambiental para Londrina - PR. Universidade Estadual de Londrina, p. 1–143, mar. 2007.

PRIMAVESI, A. M. Agroecologia: ecosfera, tecnosfera e agricultura. São Paulo: Nobel, 1997.

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS. Contexto. Disponível em:< https://www.kas.de/c/document_library/get_file?uuid=aca70fa1-bec8-7fdc-d6b3- ea9e00a86f32&groupId=265553>. Acesso em: 22 mar. 2023.

REBELLO, F. K.; HOMMA, A. K. O. História da colonização do Nordeste Paraense: uma reflexão para o futuro da Amazônia. Belém: UFRA, 2017.

RELATÓRIO Brundtland e a sustentabilidade. Mudanças climáticas: informações e reflexões para um jornalismo contextualizado. Disponível em: <http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br/node/91>. Acesso em: 12 nov. 2023.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 1997.

SICHE, R.; AGOSTINHO, F.; ORTEGA, E.; ROMEIRO, A. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. 10, n. 2, p. 137-148, jul.-dez. 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2007000200009

TIMPERLEY, J. China is by far the largest force in global clean energy development and its firms are increasingly looking abroad for opportunities, a new report says. Carbon Brief Clear on Climate. 2018. Disponível em: <https://www.carbonbrief.org/china-leading-worlds-clean-energy-investment-says report>. Acesso em: 19 out. 2023.

VASQUES, P. H. R. P. Os Estados Unidos e o acordo de Paris: a posição norte americana a partir da análise da trajetória da política climática no governo federal. Pensamiento Proprio. V. 22. Buenos Aires - Argentina, jul./dez. 2023.

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável, que bicho é esse? Campinas, SP: Autores Associados (Armazém do Ipê), 2008. 96 p.

_____________. Indicadores de Sustentabilidade. Estudos Avançados. v.24, n. 68. São Paulo, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142010000100006

VITAL, M. H. F. Aquecimento global: acordos internacionais, emissões de CO2 e o surgimento dos mercados de carbono no mundo. BNDES. v. 24, n. 48. Rio de Janeiro, set. 2018.

WACKERNAGEL, M; REES, W. Our ecological footprint: reducing human impact on the earth. 6. ed. Canada: New Society Pulishers, 1996.

Word Wide Fund for Nature (WWF). Pegada Brasileira. Disponível em:<https://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/especiais/pegada_ecologica/pegada _brasileira/>. Acesso em: 15 mar. 2023a.

________________. Relatório Planeta Vivo 2018. Disponível em:<https://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/lpr_2018_summary_portugue s_digital.pdf>. Acesso em: 17 mar. 2023b.

Published

2024-06-10

How to Cite

Corrêa, R. do S. da S., Vasconcelos Junior, M. R., Melo, J. S. M. de, & Corrêa, P. A. da S. (2024). SUSTENTABILIDADE GLOBAL: A CONTRIBUIÇÃO DA PEGADA ECOLÓGICA PARA A NOVA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL DAS NAÇÕES. Revista Contemporânea, 4(6), e4671. https://doi.org/10.56083/RCV4N6-079

Issue

Section

Articles