O IMPACTO NEGATIVO DO TEMPO DE TELAS EM CRIANÇAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Authors

  • Ana Vitória Rodrigues de Andrade
  • Carla Victória Sousa Fortes
  • Letícia Maria Santos Araújo
  • Catarina Costa Borges Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N6-077

Keywords:

tempo de tela, crianças, adolescentes, fatores de risco

Abstract

INTRODUÇÃO: Devido à prevalência do tempo de tela na vida moderna, há preocupações crescentes sobre seus efeitos negativos, incluindo sedentarismo, impactos nas interações sociais, qualidade de sono prejudicada e riscos para saúde mental, como depressão e desatenção. Este estudo busca analisar criticamente esses efeitos, fornecendo uma visão abrangente dos impactos cognitivos, socioemocionais e físicos do tempo de tela em crianças, visando contribuir para uma compreensão mais completa e orientar pesquisas futuras. METODOLOGIA: O estudo consiste em uma revisão bibliográfica sistemática que busca reunir e sintetizar informações sobre os impactos negativos do tempo de tela em crianças. A pesquisa selecionou nove estudos a partir de bancos de dados eletrônicos, utilizando critérios de inclusão como período de publicação (2019 a 2024), disponibilidade em texto completo, idiomas inglês ou português, relevância ao tema e exclusão de documentos como editais e dissertações. RESULTADOS: O tempo excessivo de tela está associado a impactos negativos no desenvolvimento e saúde de crianças e adolescentes, como atraso na linguagem, comportamento de TDAH, distúrbios do sono, aumento da agressividade e problemas de saúde mental. Também há uma relação com obesidade e hipertensão arterial. Durante a pandemia de COVID-19, o tempo de tela aumentou significativamente, destacando a necessidade de conscientização e diretrizes para limitar seu uso. CONCLUSÃO: O aumento do tempo de tela está associado a problemas de saúde como atraso no desenvolvimento da linguagem, comportamento do TDAH, distúrbios do sono e pressão arterial elevada em crianças e adolescentes. Além disso, pode contribuir para dor de cabeça e ganho de peso infantil. É essencial educar os pais sobre os riscos e limitar o tempo de tela para proteger a saúde infantil, considerando os impactos cognitivos, comportamentais e emocionais.

References

EIRICH, R. et al. Association of Screen Time With Internalizing and Externalizing Behavior Problems in Children 12 Years or Younger: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Psychiatry, v. 79, n. 5, p. 393, 1 maio 2022. DOI: https://doi.org/10.1001/jamapsychiatry.2022.0155

FARHANGI, M. A. et al. Prolonged screen watching behavior is associated with high blood pressure among children and adolescents: a systematic review and dose–response meta-analysis. Journal of Health, Population and Nutrition, v. 42, n. 1, p. 89, 31 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.1186/s41043-023-00437-8

GOSWAMI, P.; PAREKH, V. The impact of screen time on child and adolescent development: a review. International Journal of Contemporary Pediatrics, v. 10, n. 7, p. 1161–1165, 27 jun. 2023. DOI: https://doi.org/10.18203/2349-3291.ijcp20231865

LANGDON, R. L.; DISABELLA, M. T.; STRELZIK, J. A. Screen time and pediatric headache: A scoping review of the literature. Headache: The Journal of Head and Face Pain, v. 64, n. 2, p. 211–225, fev. 2024. DOI: https://doi.org/10.1111/head.14674

LEE, H. et al. Nutrition and health challenges among low-income families of young children in the post COVID-19 era: a qualitative study. Nutrition Research and Practice, v. 17, n. 6, p. 1185, 2023. DOI: https://doi.org/10.4162/nrp.2023.17.6.1185

LEHNHARD, A. R. et al. Longitudinal relationship between screen time, cardiorespiratory fitness, and waist circumference of children and adolescents: a 3-year cohort study. BMC Pediatrics, v. 23, n. 1, p. 553, 4 nov. 2023. DOI: https://doi.org/10.1186/s12887-023-04378-3

MADIGAN, S. et al. Association Between Screen Time and Children’s Performance on a Developmental Screening Test. JAMA Pediatrics, v. 173, n. 3, p. 244, 1 mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.1001/jamapediatrics.2018.5056

NAGATA, J. M.; ABDEL MAGID, H. S.; PETTEE GABRIEL, K. Screen Time for Children and Adolescents During the Coronavirus Disease 2019 Pandemic. Obesity, v. 28, n. 9, p. 1582–1583, set. 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/oby.22917

OSWALD, T. K. et al. Psychological impacts of “screen time” and “green time” for children and adolescents: A systematic scoping review. PLOS ONE, v. 15, n. 9, p. e0237725, 4 set. 2020. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0237725

PRIFTIS, N.; PANAGIOTAKOS, D. Screen Time and Its Health Consequences in Children and Adolescents. Children, v. 10, n. 10, p. 1665, 8 out. 2023. DOI: https://doi.org/10.3390/children10101665

WESTBY, C. Screen Time and Children with Autism Spectrum Disorder. Folia Phoniatrica et Logopaedica, v. 73, n. 3, p. 233–240, 2021. DOI: https://doi.org/10.1159/000506682

ZHAO, J. et al. Association Between Screen Time Trajectory and Early Childhood Development in Children in China. JAMA Pediatrics, v. 176, n. 8, p. 768, 1 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.1001/jamapediatrics.2022.1630

Published

2024-06-10

How to Cite

Andrade, A. V. R. de, Fortes, C. V. S., Araújo, L. M. S., & Oliveira, C. C. B. (2024). O IMPACTO NEGATIVO DO TEMPO DE TELAS EM CRIANÇAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Revista Contemporânea, 4(6), e4669. https://doi.org/10.56083/RCV4N6-077

Issue

Section

Articles