MORTALIDADE POR TUBERCULOSE NO BRASIL (2013-2023): VARIAÇÃO TEMPORAL, ESPACIAL, ÉTNICA E EM RELAÇÃO AO GÊNERO

Authors

  • Marcelo Vinícius Pereira Silva
  • Beatriz Rodriguez Ramos
  • Mariana Oliveira e Oliani
  • Murilo Fernando Capra da Luz
  • Elisa Fernanda Zampieri Souza
  • Camila Campagnin
  • Elielson Mendonça de Oliveira
  • Fernanda Mayara Oliveira Claros
  • Victor Cavalcante Machado
  • Ana Karolina Rosa França Vergilato
  • Frederico Silva Faião
  • Natália Lima Lúcio
  • Fernando Albino do Nascimento
  • Isaac Manoel Rocha
  • Camila Rodrigues Bueno
  • Sérgio Twardowski Filho

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N6-036

Keywords:

tuberculose, registros de mortalidade, Brasil, epidemiologia analítica

Abstract

Objetivo: Analisar as variações temporais e regionais da mortalidade por tuberculose (TB) no Brasil entre 2013 e 2023, com foco em diferenças relacionadas à etnia e gênero. Métodos: Estudo retrospectivo e observacional usando dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). Foram analisados óbitos por TB (CID-10 A15-A19) registrados entre 2013 e 2023, considerando variáveis temporais, regionais, de sexo e etnia. Revisão bibliográfica na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) de artigos publicados entre 2019 e 2024. Resultados e Discussão: Até 2020, a mortalidade por TB no Brasil era estável, com aumento significativo de óbitos a partir da pandemia de COVID-19. O Sudeste liderou em números absolutos de mortalidade, seguido pelo Nordeste; Norte e Sul tiveram taxas semelhantes, e o Centro-Oeste teve os menores índices. Houve maior mortalidade entre homens (75,3%) do que mulheres (24,7%). Em termos étnicos, a maioria dos óbitos ocorreu entre pardos (26.765), seguidos por brancos (16.701) e pretos (7.478). Conclusão: A pandemia de COVID-19 exacerbou vulnerabilidades e sobrecarregou o sistema de saúde, impactando negativamente a mortalidade por TB. Disparidades regionais e étnico-raciais destacam a necessidade de intervenções específicas e culturalmente sensíveis. O maior impacto entre homens sugere a necessidade de abordagens direcionadas. Limitações incluem possíveis subnotificações e classificações inadequadas dos dados. Futuras pesquisas devem focar em estratégias integradas para fortalecer o controle da TB e garantir equidade no acesso aos cuidados de saúde.

References

ANDRÉ, S. R. et al. Tuberculosis associated with the living conditions in an endemic municipality in the North of Brazil. Rev Lat Am Enfermagem, p. e3343–e3343, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1518-8345.3223.3343

BLOOM, B. R. et al. Tuberculosis. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK525174/.

CORTEZ, A. O. et al. Tuberculosis in Brazil: one country, multiple realities. J Bras Pneumol, p. e20200119–e20200119, 2021. DOI: https://doi.org/10.36416/1806-3756/e20200119

FERREIRA, T. F. et al. Tendência da tuberculose em indígenas no Brasil no período de 2011-2017. Ciênc. Saúde Colet. (Impr.), p. 3745–3752, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320202510.28482018

HÄRTER, J. et al. Exiguidade nas estratégias de enfrentamento à tuberculose na atenção primária no Sul do Brasil. Rev. Enferm. Atual In Derme, p. 1–11, 2022. DOI: https://doi.org/10.31011/reaid-2022-v.96-n.37-art.1275

LIMA, L. V. DE et al. Temporal trend in the incidence of tuberculosis-HIV coinfection in Brazil, by macro-region, Federative Unit, sex and age group, 2010-2021. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 33, p. e2023522, 19 fev. 2024. DOI: https://doi.org/10.1590/s2237-96222024v33e2023522.pt

MACEDO, L. R.; MACIEL, E. L. N.; STRUCHINER, C. J. Factors associated with tuberculosis in persons deprived of liberty in Espírito Santo. Rev Saude Publica, p. 67–67, 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054001818

MACEDO, L. R.; MACIEL, E. L. N.; STRUCHINER, C. J. Vulnerable populations and tuberculosis treatment outcomes in Brazil. Cien Saude Colet, p. 4749–4759, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320212610.24132020

MAIA, C. M. F. et al. Tuberculosis in Brazil: the impact of the COVID-19 pandemic. J Bras Pneumol, p. e20220082–e20220082, 2022. DOI: https://doi.org/10.36416/1806-3756/e20220082

NONATO, A. M. et al. Tuberculose no Paraná: uma análise da série histórica alicerçada na epidemiologia descritiva. Espaç. saúde, p. 1–15, 2022. DOI: https://doi.org/10.22421/1517-7130/es.2022v23.e858

PAZ, L. C. et al. [Analysis of the seasonality of tuberculosis in Brazilian capitals and the Federal District from 2001 to 2019]. Cad Saude Publica, p. e00291321–e00291321, 2022.

PINTO, P. F. P. S. et al. Performance evaluation of tuberculosis control in Brazilian municipalities. Rev Saude Publica, p. 53–53, 2022.

QUEIROZ, J. R. DE et al. Tendência da mortalidade por tuberculose e relação com o índice sóciodemográfico no Brasil entre 2005-2019. Ciência & Saúde Coletiva, v. 29, p. e00532023, 13 maio 2024. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232024295.00532023

REIS, A. J. et al. Thesis and dissertations examining tuberculosis in Brazil between 2013 and 2019: an overview. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 55, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0037-8682-0198-2022

RUFFINO NETTO, A.; PEREIRA, J. C. Mortalidade por tuberculose e condições de vida: o caso Rio de Janeiro. Revista Saúde em Debate 12: 27-34, 1981. Disponível em: https://sites.usp.br/dms/wp-content/uploads/sites/575/2019/12/ARN1981_-Mortalidade-por-TB-e-Condi%C3%A7%C3%B5es-de-Vida-Rio-Janeiro.pdf. Acesso em: 16 maio. 2024.

RUFFINO-NETTO, A. Tuberculose: a calamidade negligenciada. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 35, n. 1, p. 51–58, fev. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0037-86822002000100010

SILVA, D. R. et al. Post-tuberculosis lung disease: a comparison of Brazilian, Italian, and Mexican cohorts. J Bras Pneumol, p. e20210515–e20210515, 2022. DOI: https://doi.org/10.36416/1806-3756/e20210515

SOUZA, C. D. F. DE et al. Trends in tuberculosis mortality in Brazil (1990-2015): joinpoint analysis. J Bras Pneumol, p. e20180393–e20180393, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1806-3713/e20180393

SOUSA, G. J. B. et al. Padrão espaço-temporal e fatores associados à mortalidade por tuberculose em um estado do nordeste- brasil. Cogitare Enferm. (Online), p. e82741–e82741, 2022.

SOUSA, G. J. B. et al. Spatiotemporal pattern of the incidence of tuberculosis and associated factors. Rev Bras Epidemiol, p. e220006–e220006, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720220006

TORRES, P. P. T. E S.; RABAHI, M. F. Tuberculose em tempos de COVID-19: não podemos perder o foco no diagnóstico. Radiologia Brasileira, v. 55, p. 1–2, 1 abr. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0100-3984.2022.55.2e1

Published

2024-06-05

How to Cite

Silva, M. V. P., Ramos, B. R., Oliani, M. O. e, Luz, M. F. C. da, Souza, E. F. Z., Campagnin, C., Oliveira, E. M. de, Claros, F. M. O., Machado, V. C., Vergilato, A. K. R. F., Faião, F. S., Lúcio, N. L., Nascimento, F. A. do, Rocha, I. M., Bueno, C. R., & Twardowski Filho, S. (2024). MORTALIDADE POR TUBERCULOSE NO BRASIL (2013-2023): VARIAÇÃO TEMPORAL, ESPACIAL, ÉTNICA E EM RELAÇÃO AO GÊNERO. Revista Contemporânea, 4(6), e4607. https://doi.org/10.56083/RCV4N6-036

Issue

Section

Articles