ENTRE O HÉTERO-DETERMINISMO ESTRUTURAL E A AUTODETERMINAÇÃO AGENCIAL; SEXO E GÉNERO ENTRE TRAVESTIS BRASILEIRAS EM CONTEXTO MIGRATÓRIO DE PROSTITUIÇÃO EM PORTUGAL

Authors

  • Francisco José Silva do Amaral Luís

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N6-030

Keywords:

identidade, travesti, estrutura, performatividade, migrações, trabalho sexual

Abstract

Este artigo procura aprofundar o papel dos poderes estruturais e infraestruturais na coprodução de identidades, mediante exercício tacitamente delegado em instituições da socialização, passiva ou negociada por parte dos seus destinatários. Neste quadro, há autores que organizaram os seus percursos académicos acentuando um outro prisma de abordagem, vulgo, estruturalismo ou agenciamento dos sujeitos. O estruturalismo, como o próprio nome indica advém de estrutura e esta encontra no discurso e sua ação conformativa de comportamentos, um dos seus meios privilegiados. A capacidade agencial e de autodeterminação dos sujeitos, por sua vez, assenta num argumentário que visa fundamentar a pertinência da performatividade como sendo ela própria, simultaneamente, consequência e fonte do discurso, mantendo com este uma relação próxima de reciprocidade dialogicamente condicionante. Neste enquadramento, procuraremos analisar autores que assumem, um ou outro posicionamento teórico, tendo não só como referência a sua bibliografia, mas, também o estudo de caso de Travestis Brasileiras que a dada altura conjeturaram emigrar para Portugal com o intuito de se dedicarem à atividade profissional que exercem no âmbito da indústria do sexo, procurando alcançar, como os outros migrantes, melhores condições de vida. Para tal, recorremos à observação participante e não participante – com recurso a entrevistas semidiretivas – bem como, à análise da evolução das relações de género, que historicamente se encontram profundamente hirarquizadas. A questão de fundo que suscitamos, é a de saber se a expressão de género, a atividade exercida e o próprio projeto migratório empreendido pelas Travestis Brasileiras, se situam no âmbito de constrangimentos sociais que as pressionaram para o efeito, ou, se pelo contrário, tais fenómenos ocorrem tendo como origem fundamental a sua capacidade agencial dentro da superestrutura, ou ainda, se, decorrem de combinatórias sociais diversificadas entre ambos os polos de abordagem.

References

ANTHIAS, F. e GABRIELA, L. Gender and Migration in Southern Europe, Women on the Move, Oxford, Berg, 2000.

BOURDIEU, P. Esboço de Uma Teoria da Prática, Precedido de Três Estudos de Etnologia Cabila: Oeiras, Celta Editora, 2002.

BUTLER, J. Gender Trouble: New York and London, Routledge, 2007.

__________. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo, Louro (ed), G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade: Belo Horizonte, 2º ed. Autêntica, pp.151‐172, 2007ª.

CAMERON, D. and KULICK, D. (eds.). The Language and Sexuality Reader: New York, Routledge, 2006. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203013373

CARVALHO, E. Eu quero viver de dia – Uma análise da inserção das transgeneros no mercado de trabalho” Comunicação na Conferencia Sexualidades, Corporalidades e Transgêneros, ST 16: Florianópolis, 2006. Disponível em http://www.fazendogenero. ufsc.br/7/artigos/E/Evelyn_Carvalho_16.pdf, acedido a 10 de fevereiro de 2008.

COLEMAN, J. 1990, Foundations of Social Theory: Cambridge, Harvard University Press, 1990.

EKINS, R. e KING, D. The Book, Virginia Prince: Pioneer of Transgendering, Richard Ekins and Dave King (eds.), Hawthorne Medical Press and International Journal of Transgenderism, Volume 5, Número 4, 2005. DOI: https://doi.org/10.1300/J485v08n04_02

____________________. Transgender Phenomena: London, Sage Publications, 2006.

FOUCAULT, M. 1978, The History of Sexuality, Volume I, An Introduction: New York, Random house, 1978.

____________________. A Vida dos Homens Infames, Ditos & Escritos IV: Estratégia: Rio de Janeiro Poder Saber, Forense Universitária, 2003.

GIDDENS, A. The Constitution of Society. Outline of the Theory of Structuration: Cambridge, Polity (publisher), 1984.

____________. The Consequences of Modernity: Cambridge, Polity Press, 1990.

____________. Runaway World: How Globalization is Reshaping our Lives: London, Routledge, 2000.

_____________. Sociologia: Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

GIDDENS, A. et al. Modernização Reflexiva, Política, Tradição e Estética na Ordem Social Moderna: São Paulo, Fundação UNESP, 1997.

GREEN, J. Beyond Carnival. Male Homosexuality in Twenty century Brazil: Chicago and London The University Chicago Press, 1999.

HALL, S. The Question of Cultural Identity in Stuart Hall et al. (Org.) Modernity and His Futures: Oxford, Polity Press & The Open University, 1996.

_______. The Spectacle of the Other. Representation. Cultural Representations and Signifying Practices: London, Sage publications, pp. 223-290, 1997.

________. Encoding, Decoding” Braziel, J. E. Mannur, A. (Eds.), Theorizing Diaspora: Oxford, Blackwell: pp. 507 517, 2003.

HARVEY, D. The Condition of Post – modernity: Oxford, Basil Blackwell, 1989.

KULICK, D. The Gender of Brazilian Transgendered Prostitutes: American Anthropologist, 1999, pp. 547 585, 1997. DOI: https://doi.org/10.1525/aa.1997.99.3.574

___________. Travesti: Sex, Gender and Culture among Brazilian Transgender Prostitutes: Chicago, University of Chicago Press, 1998.

LEDRUT, R. La Révolucion Cachée: Paris, Casterman: 1979.

LUÍS, F. e TROVÃO, S., De Mana em Mana: Transnacionalismos”, Susana Trovão (org.), De Muitas e Variadas Partes ao Portugal do Século XXI. Dinâmicas de género, intergeracionais e familiares em contexto migratórios, Lisboa, Colibri, 2010.

Luís JSA, F., Travestis Brasileiras em Portugal: Globalização e Trans-migrações; A Indústria do Sexo Transnacional: Lisboa, Chiado Books editora, 2018.

LUÍS JSA, F. Travestis Brasileiras: Modos de Subjetivação e Exclusão a partir da Morfologia Discriminatória do Estado Não-Laico de Bolsonaro: Rio de Janeiro, Revista Artes de Educar, agosto, 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/riae.2019.44847

NAMASTE, V. K. Invisible Lives: The Erasure of Transsexuals and Transgendered People: Chicago and London, University of Chicago, 2000.

ORTNER, S. Theory in Anthropology since the Sixties. Comparative Studies in Society and History, Vol. 26, No. 1, (Jan), pp. 126 166. 1984. DOI: https://doi.org/10.1017/S0010417500010811

RÉMY, J. e VOYÉ, L. A Cidade Rumo a uma Nova Definição?: Porto, Edições Afrontamento, 1994.

RUBIN, G. The Traffic in Women. Notes on the “Political Economy” of Sex. Ellen Lewin (ed.), 2006, Feminist Anthropology: A Reader: Oxford, Blackwell Publishing Ltd, pp.88 106, 1975.

_________. Thinking Sex: Notes for a Radical Theory of the Politics of Sexuality. Carol Vance (ed.), Pleasure and. Danger: New York, Routledge, pp. 143 178, 1984.

SALEIRO, S. Transexuality and Transgender: Gender Identities and Expressions of Gender: Lisboa, Comunicação realizada na 9ª Conference of the European Sociological Association Lisbon, September, 2009.

__________. Transexualidade e transgénero em Portugal: dois “vazios” em debate: Comunicação no X Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais. Sociedades Desiguais e Paradigmas em Confronto: Braga, fevereiro. 2009ª.

SILVANO, F. Territórios da Identidade: Oeiras, Celta, 1997.

VALE DE ALMEIDA, M. Senhores de Si: Uma Interpretação Antropológica da Masculinidade: Lisboa, Fim de Século, 2000.

_____________________. Do feminismo a Judith Butler: Lisboa. Comunicação na Conferência, Ciclo Pensamento Crítico Contemporâneo, Le Monde Diplomatique / Fábrica Braço de Prata, abril, 2008.

VERTOVEC, S. Transnationalism: London e New York Routledge, 2009. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203927083

Published

2024-06-05

How to Cite

Luís, F. J. S. do A. (2024). ENTRE O HÉTERO-DETERMINISMO ESTRUTURAL E A AUTODETERMINAÇÃO AGENCIAL; SEXO E GÉNERO ENTRE TRAVESTIS BRASILEIRAS EM CONTEXTO MIGRATÓRIO DE PROSTITUIÇÃO EM PORTUGAL. Revista Contemporânea, 4(6), e4601. https://doi.org/10.56083/RCV4N6-030

Issue

Section

Articles