PROTAGONISMO NO PARTO SOB A ÓTICA DAS PUÉRPERAS ASSISTIDAS POR ENFERMEIRAS OBSTÉTRICAS

Authors

  • Marcella Leal Crispim de Carvalho
  • Vivianne Mendes Araújo Silva
  • Ana Luiza de Oliveira Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N6-027

Keywords:

parto humanizado, autonomia pessoal, enfermagem obstétrica, salas de parto

Abstract

Introdução: Compreende-se como atenção humanizada ao parto e nascimento o respeito ao parto como experiência pessoal, cultural, sexual e familiar, fundamentada no protagonismo e autonomia da mulher, que participa ativamente com a equipe das decisões referentes ao seu parto. Objetivo: Descrever a percepção das mulheres, assistidas pela equipe de Enfermagem Obstétrica em um Centro de Parto Normal, quanto ao protagonismo no parto. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa. As participantes da pesquisa são puérperas assistidas por Enfermeiras Obstétricas em um Centro de Parto Normal localizado em um Hospital Maternidade no município do Rio de Janeiro. Os dados foram coletados a partir de dois instrumentos, um referente à caracterização da participante e outro composto pela entrevista não estruturada, os quais foram analisados a partir da análise de conteúdo de Bardin. Resultados e Discussão: Duas categorias foram identificadas através da análise: A percepção e os sentimentos das mulheres quanto ao protagonismo no parto e quanto ao evento em si; e A assistência prestada pela Enfermagem Obstétrica no que concerne ao protagonismo no parto. Conclusão: A autonomia e a liberdade são adventos centrais do exercício do protagonismo, o que corrobora para uma assistência humanizada; ademais, a Enfermagem Obstétrica atua como ferramenta auxiliadora para a percepção positiva quanto ao protagonismo no parto.

References

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 7ª ed. Edições 70, 2016.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Lei do Exercício Profissional n° 7498 de 25 de Junho 1986. Brasília, 1986.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN n° 0516 de 24 de Junho de 2016. Normatiza a atuação e a responsabilidade do Enfermeiro, Enfermeiro Obstetra e Obstetriz na assistência às gestantes, parturientes, puérperas e recém-nascidos nos Serviços de Obstetrícia, Centros de Parto Normal e/ou Casas de Parto e outros locais onde ocorra essa assistência; e dá outras providências. Brasília, 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Lei n 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília, 2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria GM n°11 de 7 de Janeiro de 2015. Redefine as diretrizes para implantação e habilitação de Centro de Parto Normal (CPN), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), para o atendimento à mulher e ao recém-nascido no momento do parto e do nascimento, em conformidade com o Componente PARTO E NASCIMENTO da Rede Cegonha, e dispõe sobre os respectivos incentivos financeiros de investimento, custeio e custeio mensal. Brasília, 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n° 1459 de 24 de Junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde a Rede Cegonha. Brasília, 2011.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento: Informações para gestores e técnicos. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE. DEPARTAMENTO DE AÇÕES ESTRATÉGICAS E PROGRAMÁTICAS. Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. Política Nacional de Humanização da Saúde. Documento Base. 4ª ed. Brasília: Ministério da Saúde (MS); 2007.

BRASIL.MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE. DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS E ESTRATÉGICAS. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher Princípios e Diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a.

BRENES, A.C. História da parturição no Brasil, século XIX. Cad. Saúde Pública vol.7 no.2. Rio de Janeiro Apr. /June 1991. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X1991000200002

CAMACHO, K.G.; PROGIANTI, J.M. A transformação da prática obstétrica das enfermeiras na assistência ao parto humanizado. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2013 jul/set; 15(3):648-55. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v15i3.18588

DOS SANTOS NETO, E.T.; GOMES ALVES, K.C.G.; ZORZAL, M.; LIMA, R.C.D. Políticas de Saúde Materna no Brasil: os nexos com indicadores de saúde materno-infantil. Saúde Soc. São Paulo, v.17, n.2, p.107-119, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000200011

FIQUEREDO, N. Método e Metodologia na Pesquisa Científica – 3a edição. São Caetano do Sul (SP): Yendis Editora; 2008.

FONTANELLA BJB et al. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(1):17-27, jan, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

GIFFIN, K.; COSTA, SH. et al. Questões da saúde reprodutiva [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1999. 31 a 49 p. ISBN 85-85676-61-2. Disponível em: < http://books.scielo.org/id/t4s9t/pdf/giffin-9788575412916-03.pdf >. Acesso em 15.jun.2017.

LAZZARETTI, A.P.S et al. Participação social e protagonismo: reflexões a partir das Conferências de Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil. Avances en Psicología Latinoamericana/Bogotá (Colombia)/Vol. 28(2)/pp. 178-193.2010.

MALDONADO, M.T.P. Aspectos Psicológicos da Gravidez do Parto e do Puerpério. Psicologia da Gravidez, 16ª Ed. Petrópolis, Vozes, 2002;48-60.

MARTINS, C.P. et al. Histórico do Modelo de Atenção ao Parto e Nascimento com que Trabalhamos. Universidade Estadual do Ceará. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 465 p.: il. – (Cadernos HumanizaSUS; v. 4).

PEREIRA, A.L.F.; MOURA, M.A.V. Relações de hegemonia e o conflito cultural de modelos na assistência ao parto. Rev Enferm UERJ. 2008; 16(1):119-24.

PEREIRA, A.L.F; BENTO, A.D. Autonomia no parto normal na perspectiva das mulheres atendidas na casa de parto. Rev Rene, Fortaleza, 2011 jul/set; 12(3):471-7. DOI: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2011000300004

PRATA J.A.; PROGIANTI J.M.; PEREIRA, A.L.F. O contexto brasileiro de inserção das enfermeiras na assistência ao parto humanizado. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2012 jan/mar; 20(1):105-10

RAQUEL, R.P.; FRANCO, S.C.; BALDIN, N. A Dor e o Protagonismo da Mulher na Parturição. Revista Brasileira de Anestesiologia Vol. 61, No 3, Maio-Junho, 2011;;61(3): 376-388] ©Elsevier Editora Ltda. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-70942011000300014

RATTNER, D. Humanização na atenção a nascimentos e partos: breve referencial teórico. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.13, supl.1, p.595-602, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832009000500011

SANTOS, J.O; TAMBELLINI, C.A.; OLIVEIRA, S.M.J.V. Presença do acompanhante durante o processo de parturição: uma reflexão. Reme – Rev. Min. Enferm.; 15(3): 453-458, jul./set., 2011

SILVA, J.A.C. et al. A importância da autonomia como princípio bioético.

TRIVIÑOS, A. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: A Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.

ZORZAM, B. A. O. Z. Informação e escolhas no parto: perspectivas das mulheres usuárias do SUS e da saúde suplementar. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Published

2024-06-04

How to Cite

Carvalho, M. L. C. de, Silva, V. M. A., & Carvalho, A. L. de O. (2024). PROTAGONISMO NO PARTO SOB A ÓTICA DAS PUÉRPERAS ASSISTIDAS POR ENFERMEIRAS OBSTÉTRICAS. Revista Contemporânea, 4(6), e4597 . https://doi.org/10.56083/RCV4N6-027

Issue

Section

Articles