LÍQUEN ESCLEROSO ATRÓFICO VAGINAL: O PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO DIAGNÓSTICO - UM RELATO DE CASO

Authors

  • Lays Costa Silva
  • Josimeiry Vitória Cirilo Morais
  • Vinicius Leiria Teixeira Louzada

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N6-022

Keywords:

atenção primária à saúde, assistência integral à saúde da mulher, afecções dermatológicas, líquen escleroso e atrófico

Abstract

O líquen escleroso atrófico (LEA) é uma condição de caráter benigna, crônica e progressiva. Sua fisiopatologia é desconhecida e estudos apontam caráter multifatorial. Apresenta-se clinicamente com lesões hipocrômicas associadas à atrofia da pele. É duas vezes mais  frequente em mulheres e raramente apresenta-se em região extragenital. Em vista de a Atenção Primária à Saúde (APS) ser a porta de entrada ao sistema público de saúde torna-se necessário a compreensão dessa  morbidade por parte dos profissionais atuantes, pois é uma patologia não rara cujo diagnóstico é clínico e seu  tratamento é de baixa complexidade.  O presente artigo busca, portanto, compartilhar um caso de LEA diagnosticado em unidade básica de saúde e discutir o papel do profissional da APS no diagnóstico e manejo inicial desta patologia. Espera-se, por fim, que o conhecimento desta morbidade pelos profissionais da APS possa diminuir atrasos em seu reconhecimento e conduta e, consequentemente, minimizar sequelas aos pacientes expostos à doença.

References

ALMEIDA, PF de; MEDINA, MG; FAUSTO, MCR; GIOVANELLA, L.; BOUSQUAT, A.; MENDONÇA, MHM de. Coordenação do cuidado e Atenção Primária à Saúde no Sistema Único de Saúde. Saúde Em Debate, v. sp1, pág. 244–260, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-11042018S116 . Acesso em: 10 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s116

AZULAY, Rubem David (in memoriam); AZULAY, David Rubem; AZULAY ABULAFIA, Luna. Azulay Dermatologia. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2022. 1280 p. eu. 28 cm.

BLEEKER, MC et al. Líquen Escleroso: Incidência e Risco de Carcinoma Espinocelular Vulvar. Biomarcadores Epidemiológicos de Câncer Prev, v. 25, n. 8, pág. 1224-1230, atrás. 2016. DOI: 10.1158/1055-9965.EPI-16-0019. PMID: 27257093. Disponível em: https://aacrjournals.org/cebp/article/25/8/1224/117298/Lichen-Sclerosus-Incidence-and-Risk-of-Vulvar . Acesso em: 10 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.1158/1055-9965.EPI-16-0019

BORGH, A.; CORAZZA, M.; MINGHETTI, S.; TONI, G.; VIRGILI, A. Aplicação contínua versus redução gradual do potente corticosteróide tópico furoato de mometasona no tratamento do líquen escleroso vulvar: resultados de um ensaio randomizado. Ir. J Dermatol, v. 6, pág. 1381-1386, dez. 2015. DOI: 10.1111/bjd.14074. PMID: 26280156. Disponível em: https://academic.oup.com/bjd/article-lookup/doi/10.1111/bjd.14074 . Acesso em: 10 dez. 2023.

Campos, FE de; Belisário, SA O Programa de Saúde da Família e os desafios para a formação profissional e a educação continuada. Interface (Botucatu) [Internet]. 2001 atrás; 5(9): 133–142. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-32832001000200009 . Acesso em: 10 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832001000200009

FUNARO, D. Líquen escleroso: revisão e abordagem prática. Dermatol Ther, v. 1, pág. 28-37, 2004. DOI: 10.1111/j.1396-0296.2004.04004.x. PMID: 14756888. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1396-0296.2004.04004.x . Acesso em: 10 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1396-0296.2004.04004.x

GUSSO, G.; LOPES, JMC; DIAS, LC (Orgs.). Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2019.

HAEFNER, Hope K. et al. O impacto do líquen escleroso vulvar na disfunção sexual. J Saúde da Mulher (Larchmt), v. 9, pág. 765-770, conjunto. 2014. DOI: 10.1089/jwh.2014.4805. Epub 2014, 27 de agosto. PMID: 25162790; PMCID: PMC4158972. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4158972/pdf/jwh.2014.4805.pdf . Acesso em: 10 dez. 2023.

LEWIS, FM et al. Diretrizes da Associação Britânica de Dermatologistas para o manejo do líquen escleroso, 2018. Br J Dermatol, v. 4, pág. 839-853, abr. 2018. DOI: 10.1111/bjd.16241. PMID: 29313888. Disponível em: https://academic.oup.com/bjd/article/178/4/839/6602656?login=false . Acesso em: 10 dez. 2023.

MEDINA, MG et al. Promoção da saúde e prevenção de doenças crônicas: o que fazem as equipes de Saúde da Família?. Debate sobre saúde [Internet]. Outubro de 2014; 38 (spe): 69–82. Disponível em: https://doi.org/10.5935/0103-1104.2014S006 . Acesso em: 13 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-1104.2014S006

POWELL, J.; WOJNAROWSKA, F. Líquen escleroso vulvar na infância: um problema cada vez mais comum. J Am Acad Dermatol, v. 5, pág. 803-806, maio 2001. DOI: 10.1067/mjd.2001.113474. PMID: 11312428. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11312428/ . Acesso em: 10 dez. 2023.

POWELL, J.; WOJNAROWSKA, F.; WINSEY, S.; MARREN, P.; WELSH, K. Líquen escleroso pré-menarca: autoimunidade e imunogenética. Ir. J Dermatol, v. 481-484, 2000. Disponível em: https://academic.oup.com/bjd/article/142/3/481/6690028 . Acesso em: 10 dez. 2023. DOI: https://doi.org/10.1046/j.1365-2133.2000.03360.x

RIDLEY, CM; NEILL, SM Condições não infecciosas da vulva. In: RIDLEY, CM; NEILL, SM (Eds.). A Vulva. Blackwell Science, 1999. p. 121. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/9781444316681.ch5 . Acesso em: 10 dez. 2023.

THOMAS, RH et al. Líquen escleroso anogenital em mulheres. JR Soc Med, Londres, v. 12, pág. 694-698, dez. 1996. DOI: 10.1177/014107689608901210. PMID: 9014881; IDPM: PMC1296033. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1296033/pdf/jrsocmed00048-0040.pdf . Acesso em: 10 dez. 2023.

Downloads

Published

2024-06-04

How to Cite

Silva, L. C., Morais, J. V. C., & Louzada, V. L. T. (2024). LÍQUEN ESCLEROSO ATRÓFICO VAGINAL: O PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NO DIAGNÓSTICO - UM RELATO DE CASO. Revista Contemporânea, 4(6), e4592. https://doi.org/10.56083/RCV4N6-022

Issue

Section

Articles