O USO DA CRANIOTOMIA NO MANEJO DA HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

Authors

  • Gabriella Moneque Heringer Motta
  • Michely Feletti
  • Raquel Emerick Leite
  • Gabriela Sant’Ana Lopes
  • Roni Fernandes Alves
  • Bleno Bezerra Silva
  • Antonio José Araújo Lima
  • Daniel Caldas
  • Gabriel Meira Pereira
  • Havanny Silva Nabuco de Melo
  • Isabela Amara Branquinho Pereira
  • Tarcísio Barbosa Lima
  • Leandro Dias Aragão
  • Paulo Henrique Fracaro Pegoraro
  • Yan Chagas Lopes

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N6-019

Keywords:

craniotomia descompressiva, hipertensão intracraniana, tratamento

Abstract

A hipertensão intracraniana é uma condição caracterizada pelo aumento anormal da pressão dentro dos crânios, podendo resultar em diversas causas como traumatismo craniano grave, hemorragias intracranianas, tumores cerebrais, edema cerebral ou acúmulo de líquido cefalorraquidiano. Esse aumento da pressão intracraniana pode levar a complicações graves como comprometimento do fluxo sanguíneo cerebral, lesão neuronal, hérnia cerebral e risco de morte. Portanto, o controle eficaz da pressão intracraniana é essencial para prevenir danos irreversíveis e melhorar os resultados clínicos em pacientes com essa condição. A fisiopatologia da hipertensão intracraniana envolve um complexo desequilíbrio no ambiente intracraniano, resultando no aumento anormal da pressão. Esse desequilíbrio pode ser desencadeado por diversas condições que levam a um aumento da pressão, como traumatismo craniano, hemorragias, tumores ou edema cerebral. O aumento da pressão intracraniana pode comprometer o fluxo sanguíneo cerebral, causar lesão neuronal e hérnia cerebral, representando uma ameaça grave à vida do paciente. As manifestações clínicas de hipertensão intracraniana incluem cefaleia intensa, alterações do nível de consciência, vômitos, déficits neurológicos focais e sinais de papiledema. Este estudo consiste em uma revisão sistemática da literatura publicada nos últimos 10 anos sobre a eficácia da craniotomia no manejo da hipertensão intracraniana. Os dados foram encontrados nas bases PubMed e LILACS, utilizando os descritores "craniotomia descompressiva" e "hipertensão intracraniana". Foram selecionados 10 estudos de ensaios clínicos que atenderam aos critérios de inclusão, como pacientes com hipertensão intracraniana submetidos a craniotomia. O reconhecimento precoce desses sinais e sintomas é essencial para um diagnóstico rápido e um manejo adequado da condição. O diagnóstico da hipertensão intracraniana envolve uma avaliação multidisciplinar, com a realização de exames de imagem, como tomografia computadorizada e ressonância magnética, além da medição direta da pressão intracraniana por métodos invasivos. O diagnóstico precoce é fundamental para iniciar o tratamento e prevenir complicações graves. Portanto, a associação entre craniotomia e diminuição da hipertensão intracraniana é valida e amplamente utilizada.

References

ESCAMILLA-OCAÑAS, C E; N ALBORES-IBARRA. “Current status and outlook for the management of intracranial hypertension after traumatic brain injury: decompressive craniectomy, therapeutic hypothermia, and barbiturates.” Neurologia vol. 38,5 (2023): 357-363. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.nrleng.2020.08.024. Acesso em: 25 Mar. 2024. DOI: https://doi.org/10.1016/j.nrleng.2020.08.024

HAWRYLUK, G W J et al. “Guidelines for the Management of Severe Traumatic Brain Injury: 2020 Update of the Decompressive Craniectomy Recommendations.” Neurosurgery vol. 87,3 (2020): 427-434. Disponível em: https://doi.org/10.1093/neuros/nyaa278. Acesso em: 25 Mar. 2024.

HAWRYLUK, G. W. J. et al. Guidelines for the Management of Severe Traumatic Brain Injury: 2020 Update of the Decompressive Craniectomy Recommendations. Neurosurgery/Neurosurgery online, v. 87, n. 3, p. 427–434, 2020. DOI: https://doi.org/10.1093/neuros/nyaa523

IACCARINO, C. et al. Management of intracranial hypertension following traumatic brain injury: a best clinical practice adoption proposal for intracranial pressure monitoring and decompressive craniectomy. Joint statements by the Traumatic Brain Injury Section of the Italian Society of Neurosurgery (SINch) and the Neuroanesthesia and Neurocritical Care Study Group of the Italian Society of Anesthesia, Analgesia, Resuscitation and Intensive Care (SIAARTI). Journal of neurosurgical sciences, v. 65, n. 3, 2021. DOI: https://doi.org/10.23736/S0390-5616.21.05383-2

KOLIAS, A G et al. “Evaluation of Outcomes Among Patients With Traumatic Intracranial Hypertension Treated With Decompressive Craniectomy vs Standard Medical Care at 24 Months: A Secondary Analysis of the RESCUEicp Randomized Clinical Trial.” JAMA neurology vol. 79,7 (2022): 664-671. Disponível em: https://doi.org/10.1001/jamaneurol.2022.1070. Acesso em: 25 Mar. 2024. DOI: https://doi.org/10.1001/jamaneurol.2022.1070

KORSBAEK, J. J. et al. Diagnosis of idiopathic intracranial hypertension: A proposal for evidence-based diagnostic criteria. Cephalalgia, v. 43, n. 3, p. 033310242311527-03331024231152, 2023. DOI: https://doi.org/10.1177/03331024231152795

LAYARD Horsfall, Hugo et al. “Hinge/floating craniotomy as an alternative technique for cerebral decompression: a scoping review.” Neurosurgical review vol. 43,6 (2020): 1493-1507. Dispónivel em: https://doi.org/10.1007/s10143-019-01180-7. Acesso em: 25 Mar. 2024. DOI: https://doi.org/10.1007/s10143-019-01180-7

OMERHODZIC, I et al. “Hinge craniotomy as an alternative technique for patients with refractory intracranial hypertension.” Brain & spine vol. 3 101758. 19 May. 2023. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.bas.2023.101758. Acesso em: 25 Mar. 2024. DOI: https://doi.org/10.1016/j.bas.2023.101758

RAOOF, N.; HOFFMANN, J. Diagnosis and treatment of idiopathic intracranial hypertension. Cephalalgia, v. 41, n. 4, p. 472–478, 2021. DOI: https://doi.org/10.1177/0333102421997093

SAHUQUILLO, J; DENNIS, J. “Decompressive craniectomy for the treatment of high intracranial pressure in closed traumatic brain injury.” The Cochrane database of systematic reviews vol. 12,12 CD003983. 31 Dec. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1002/14651858.cd003983.pub3. Acesso em: 25 Mar. 2024. DOI: https://doi.org/10.1002/14651858.CD003983.pub3

Published

2024-06-04

How to Cite

Motta, G. M. H., Feletti, M., Leite, R. E., Lopes, G. S., Alves, R. F., Silva, B. B., Lima, A. J. A., Caldas, D., Pereira, G. M., Melo, H. S. N. de, Pereira, I. A. B., Lima, T. B., Aragão, L. D., Pegoraro, P. H. F., & Lopes, Y. C. (2024). O USO DA CRANIOTOMIA NO MANEJO DA HIPERTENSÃO INTRACRANIANA. Revista Contemporânea, 4(6), e4589. https://doi.org/10.56083/RCV4N6-019

Issue

Section

Articles