A INFLUÊNCIA DE FATORES DEMOGRÁFICOS E OCUPACIONAIS NAS DISFUNÇÕES OSTEOMUSCULARES EM DANÇARINOS ADULTOS DE DANÇAS TRADICIONAIS GAÚCHAS: UM ESTUDO QUANTITATIVO DESCRITIVO

Authors

  • Eliane Soares Tavares
  • Aline de Souza Freire

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N5-049

Keywords:

transtornos traumáticos cumulativos, dançarinos, prevenção, inquéritos epidemiológicos

Abstract

Os distúrbios musculoesqueléticos são considerados uma das principais causas de afastamento de trabalho no Brasil, tendo grande influência na qualidade de vida, economia e sociedade na qual este indivíduo está inserido, as lesões e distúrbios osteomusculares relacionados à dança tem sido alvo de muitos estudos, porém a literatura apresenta-se escassa no que diz respeito a dança tradicional gaúcha, desta forma o presente trabalho teve por objetivo analisar o padrão de disfunções musculoesqueléticas em dançarinos adultos de dança tradicional gaúcha da 18ª região tradicionalista e o impacto da pandemia, contando com a participação de 6 cidades, 12 invernadas e 79 dançarinos, sendo 7 excluídos, 2 por não ocuparem a região e 5 por serem menores de idade, ficando com 72 sujeitos. O presente estudo trata-se de uma pesquisa descritiva, com estrutura qualitativa de levantamento de dados aplicada em população específica, por meio de questionário online com questões sociodemográficas e referentes ao QNSO adaptado, que contabilizou os dados de 69,4% (N=50) sujeitos, que definiam seus distúrbios osteomusculares somente a dança. Os locais mais afetados foram em membros inferiores, dando ênfase a joelho, tornozelo e pés, além da coluna lombar e coluna dorsal, sendo as regiões de maior impacto. Os hábitos relacionados ao aparecimento dos distúrbios são: falta de aquecimento/alongamento, despreparo físico, movimentação repetitiva, grande tolerância a dor e grande carga horária de ensaios em períodos pré apresentações, as queixas diminuíram durante a pandemia, o que pode ser explicado pelo repouso das áreas afetadas e períodos de descanso mais prolongados obteve-se uma queda da sintomatologia dolorosa desta população. Desta forma sugere-se que sejam realizadas novas pesquisas para melhor entendimento deste público, gerando maior embasamento para possíveis intervenções preventivas.

References

ALLEN, C.P. et al. Sport, physical activity and physical education experiences: Associations with functional body image in children. Psychology of Sport & Exercise, v. 45, n. 101572, p. 1-7, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.psychsport.2019.101572

AZEVEDO, A. P.; OLIVEIRA, R.; FONSECA, J. P. Lesões musculoesqueléticas em Bailarinos Profissionais em Portugal, na temporada 2004/2005. Revista Portuguesa de fisioterapia no Desporto, v. 1, n. 1, p. 32-37, 2007.

CRUZ, R. DA S. et al. Experience with women with fbromyalgia who practice zumba. Case reports. Revista Dor, v. 18, n. 3, 2017. DOI: https://doi.org/10.5935/1806-0013.20170113

CUNHA, F.V.M. e NASCIMENTO, N. S. Prevalência de lesões musculoesqueléticas em bailarinos contemporâneos do balé da cidade de Teresina. Saúde em Redes, v. 4, n. 1, p. 133-142, 2018. DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n1p133-142

DIVAKARAN, D.; PATIL, S. Screening for identification of knee impairments in Bharatanatyam dancers. Indian Journal of Physiotherapy and Occupational Therapy, v. 11, n. 4, p. 112-116, 2017. DOI: https://doi.org/10.5958/0973-5674.2017.00130.7

FERREIRA, N. et al. Dor e analgesia em doente crítico-painand analgesia in critical illness. Revista Clínica do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, v. 2, n. 2, p. 17-20, 2015.

LIMA, K. A.; SILVA, P. H. B; BARRETO, R. R. Características das lesões em bailarinos e sua relação com a qualidade de vida. Revista Movimenta, Goiás, v. 7, n. 1, p. 645-659, 2014.

LÓPEZ J. M. C.; MUNUERA-MARTÍNEZ, P. V. M.; GUISADO, C. A.; BUENO, M. R.; POZO, N. S.; MACÍAS, A. V. Pathologic Disorders of the Foot in Professional Female Flamenco Dancers. J Am Podiatr Med Assoc, v. 106, n. 1, p. 54-59, 2016. DOI: https://doi.org/10.7547/14-111

MATOS, L. P. Análise de Lesões Musculoesqueléticas em Membros Inferiores em Alunos do curso de licenciatura em dança da Universidade Federal de Goiás. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Educação Física e Dança, Goiás, 2022.

SAMOYEDEM, C. P. e COMERLATO, T. Incidência de dor e desconforto musculoarticular em dançarinos de invernada artística de centros de tradições gaúchas (CTG). PERSPECTIVA, Erechim, v. 43, n. 161, p. 15-28, 2019.

SANTOS, S. O. et al. Uso indiscriminado de analgésicos por discentes de uma instituição de ensino superior: um risco imperceptível. Referências em Saúde da Faculdade Estácio de Sá de Goiás - RRS - FESGO, v. 2, n. 3, 2019. DOI: https://doi.org/10.22533/at.ed.3082004053

SCHWEICH, L. C. et al. Epidemiology of athletic injuries in classic ballet practitioners. Fisioterapia e Pesquisa [online], v. 21, n. 4, 2014.

RYAN, A. J.; STEPHENS, R. E. (Eds.). Dance medicine: A comprehensive guide. Pluribus press. [s.l: s.n.], 1987.

PEGORARO, C. M. R. et al. Caracterização da prática de automedicação com analgésicos para o tratamento da dor. v. 11, n. 3, p. 85-91, 2019. DOI: https://doi.org/10.5747/cv.2019.v11.n3.v274

URSEJ, E.; SEKLIC, D.; PRUS, D.; GABRILO, G.; ZALETEL, P. Investigating the prevalence and predictors of injury occurrence in competitive hip hop dancers: prospective analysis. International Journal of Environmental Research and Public Health, v. 16, n. 3214, p. 1-14, 2019. DOI: https://doi.org/10.3390/ijerph16173214

ZAGO, J.G. Índice de Lesões e Sintomatologia Dolorosa em Bailarinos Profissionais. Trabalho de Conclusão de Curso Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Sociais e da Saúde Curso de Fisioterapia, 2021.

Published

2024-05-13

How to Cite

Tavares, E. S., & Freire, A. de S. (2024). A INFLUÊNCIA DE FATORES DEMOGRÁFICOS E OCUPACIONAIS NAS DISFUNÇÕES OSTEOMUSCULARES EM DANÇARINOS ADULTOS DE DANÇAS TRADICIONAIS GAÚCHAS: UM ESTUDO QUANTITATIVO DESCRITIVO. Revista Contemporânea, 4(5), e4246. https://doi.org/10.56083/RCV4N5-049

Issue

Section

Articles