AÇÕES DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Authors

  • Djamble Lima
  • Vanderson Alves de Freitas
  • Mirelia Rodrigues Araújo

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N5-035

Keywords:

doação de órgãos e tecidos, assistência de enfermagem, enfermeiro, equipe de enfermagem

Abstract

Introdução: A atuação do enfermeiro no processo de doação de órgãos é ampla e de extrema importância, desde a prestação de serviços assistenciais, a identificação e manutenção do potencial doador e o gerenciamento de todas as etapas do processo. O processo de doação e alocação de órgãos processo complexo e é co-dependente tanto da sensibilização da população em relação ao sistema de transplantes como do comprometimento dos profissionais de saúde no diagnóstico de morte encefálica. Objetivo: reconhecer as ações e processos da doação de órgãos às quais o enfermeiro e a equipe de enfermagem estejam relacionados direta e indiretamente. Metodologia: revisão integrativa de literatura, identificando o maior número de dados sobre a abordagem de doação de órgão e tecido e a equipe de enfermagem, reunindo e sintetizando dados bibliográficos utilizando métodos explícitos e sistemáticos para analisar resultados, tendências e efeitos adversos. Resultados e discussão: Após a aplicação dos filtros de busca foram encontrados 157 artigos, dos quais após aplicação dos critérios de exclusão e inclusão, restaram 17 artigos para o desenvolvimento da atual pesquisa. O processo de coleta e distribuição de órgãos e tecidos doados deve ser articulado de forma ética e respeitosa, respeitando a visão das famílias e seus momentos de perda e sofrimento. Conclusão: Diante do presente estudo, configura-se que a atuação do enfermeiro encontra-se vinculada a efetivação da doação de órgãos, além disso, é importante destacar a necessidade para a realização de campanhas que visem à conscientização acerca do processo de doação de órgãos, de modo a contribuir para o aumento da aceitabilidade familiar.

References

ABTO. Associação Brasileira de Transplante de Órgãos. Dimensionamento dos transplantes no Brasil e em cada estado (2015-2022). Registro Brasileiro de Transplantes [Internet]. XXVIIII(4):3-88, 2022 Disponível em: Xhttps://site.abto.org.br/publicacao/xxviii-no4/XVIII - Nº4 - ABTO.

ALCANTÂRA, F. O.; OLIVEIRA, V. C.; FONSECA, I. A. C.; SILVA, F. A. S. Prevalência da recusa familiar quanto a doação de órgãos para transplante no estado de Rondônia. Revista Eletrônica Acervo Saúde. v.34, p. e1014, 2019.

ANACLETO, A. S.; SILVA, J. L. L.; SILVA, J. V. L.; et al. O enfermeiro intensivista frente ao paciente potencial doador de órgãos. Revista Pró-UniverSUS, v. 11, n. 2, p. 86-96, 2020.

ARAÚJO, C. M.; SOUZA, M. B.; SILVA, V. M.; et al. Atuação do enfermeiro intensivista no contexto da morte encefálica.Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 15, n. 6, 2022.

BERNARDO, C. A. D.; NUNES, C. A. S. A assistência da enfermagem no processo de doação de órgãos. Research, SocietyandDevelopment, v. 11, n. 14, e285111436472, 2022.

BEZERRA, G. D.; SANTOS, M. E. N.; BRAGA, S. T.; et al. Diagnósticos de enfermagem prevalentes na assistência ao paciente doador de órgãos em morte encefálica. R PesqCuid Fundam, v. 14, e11569, 2022.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 2.268, de 30 de junho de 1997. Regulamenta a Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fim de transplante e tratamento, e dá outras providências. Brasília (Brasil), 1997.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 8.783 de 6 de junho de 2016. Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fim de transplante e tratamento. Brasília (DF), 2016.

CFM. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução nº 2.173/2017, de 15 de dezembro de 2017. Define os critérios do diagnóstico de morte encefálica. Brasília (Brasil): Conselho Federal de Medicina, 2017.

CHEFFER, M. H.; RHODEN, J. E.; GENEROSO, K. M. F.; ROMERO, B. K.; GONÇALVES, A. F. D.; OLIVEIRA, H. R.; SILVA, G. F.; OLIVEIRA, R. B. S. R. Atuação do Enfermeiro no Processo de Doação de órgãos. Revista Cereus, vol. 14. n.2, p. 182-195, 2022.

COELHO, H. F.; BONELLA, A. E. Doação de órgãos e tecidos humanos: a transplantação na Espanha e no Brasil. Rev. Bioét, v. 27, n. 03, 2019.

FIGUEIREDO, C. A.; PERGOLA-MARCONATO, A. M.; SAIDEL, M. G. B.. Equipe de enfermagem na doação de órgãos: revisão integrativa de literatura. Revista Bioética, v. 28, n. 1, p. 76–82, jan. 2020.

FURTADO, L. B. S, et al. O papel do enfermeiro frente a casos de morte encefálica e doação de órgãos e tecidos. Research, SocietyandDevelopment, v. 10, n. 2, e0110212422, 2021.

GIRÃO, K. L.; COSTA, E. F. da; FERREIRA, I. M.; OLIVEIRA, A. D. de; PAIXÃO NETO, R. da; LOPES, G. de S. .Difficulties in communicationbetweenthe nurse and thefamily in theorgandonationprocess: anexperiencereport. Research, SocietyandDevelopment, v. 9, n. 11, p. e58891110055, 2020.

GOMES, C. M. S.; NASCIMENTO, E. F. B.; BELÉM, J. C. S. et al. Atuação do enfermeiro como sensibilizador da família do potencial doador de órgãos e tecidos: revisão integrativa da literaturaResearch, SocietyandDevelopment, v. 9, n. 10, e1559108127, 2020.

GONÇALVES, L. S.; SANDIM, L. S. Assistência da enfermagem na doação de órgãos e os desafios encontrados no processo: uma revisão integrativa da literatura. BrazilianJournalof Health Review, v. 5, n. 6, p. 23816-23828, 2022.

KNIHS, N. S.; SANTOS, A. C. B.; MAGALHÃES, A. P.; et al. Gerenciamento do cuidado do enfermeiro no processo de doação de órgãos e tecidos. Texto Contexto Enferm, v. 29, e20180445, 2020.

Lima, Vanessa Soares de Moura, Guimarães, Reginaldo Felismino. Enfermagem: arte ou ciência?. REVISTA DA JOPIC v. 3, n. 6, Teresópolis, 2020.

LOPES, K. V.; GOMES, S. S.; AOYAMA E. A.; LIMA, R. N. A importância da assistência de enfermagem ao potencial doador de órgãos em morte encefálica. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde, v. 2, n. 2, p. 20-26, 2020.

MAGALHÃES, A. L. P.; OLIVEIRA, R. J. T.; RAMOS, S. F. Gerência do cuidado de enfermagem ao paciente em morte encefálica. Revenferm UFPE online, v. 13, n. 4, 2019. Disponível em: file:///C:/Users/Administrador/ Downloads/238433-138997-1-PB.pdf

MARCONDES, C.; COSTA, A. M. .; PESSOA, J.; COUTO, R. M. Abordagem familiar para a doação de órgãos: percepção dos enfermeiros. RevEnferm UFPE Online, v. 13, n. 5, p. 1253-1263, 2019.

MARIGO, T. A.; PROFETA, C. E. M.; ALMEIDA, C. G.; TAVARES, S. S.; CONTINI, I. C. P.; SILVEIRA, M. S. N.. Recusa familiar no processo de doação de órgãos: atuação do enfermeiro e entrevista familiar. Medicus, v.4, n.2, p.33-41, 2022.

MARTINS, A. C.; COSTA, I. R..A importância do enfermeiro frente à doação e manutenção de órgãos e tecidos. (Monografia) Universidade Presidente Antônio Carlos-UNIPAC. Faculdade de ciências da saúde de Barbacena – FASAB, 2012.

MOREIRA, L. S.; BRESINSKI, M. R.; CANZIAN, C. A. T.; RIBEIRO, G.; PIOVEZAN, G. V. O.; NUNES, M. A. C. Política pública de transplante de órgãos no Brasil. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 12, n. 12, p. e5062, 2020.

OLIVEIRA, F.F.; HONORATO, A.K.; OLIVEIRA, L.S.G.; Fragilidades e vivências de enfermeiros na abordagem a família do doador de órgãos e tecidos. Revista Nursing, v. 24, n. 280, p. 6157-6162, 2021.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Trasplante de órganos y tejidos humanos. 63.ª Asamblea Mundial de La Salud. Genebra, 2010.

PAIM, S. M. S.; KNIHS, N. S.; PESSOA, J. L. E.; MAGALHÃES, A. L. P.; WACHHOLZ, L .F.;TREVISO, P. Biovigilância no processo de doação de órgãos e tecidos durante a pandemia: desafios para o enfermeiro. Escola Anna Nery, 25(spe), e20210086, (2021).

RAMOS, A.S.M.B.; CARNEIRO, A.R.; PESSOA, D.L.R.; et al. O enfermeiro no processo de doação e transplante de órgãos. Revista Recien, v. 9, n. 25, p. 3-10, 2019.

SANTOS, F. G. T; MEZZAVILAL, V. A. M.; RODRIGUES, T. F. C. S.; et al., Tendência dos transplantes e doações de órgãos e tecidos no Brasil: análise de séries temporais. RevBrasEnferm, v. 74, n. 1, p.e20200058, 2021.

SANTOS, J. R. Contribuições da equipe de enfermagem no cuidado ao paciente com diagnóstico de morte encefálica internado na unidade de terapia intensiva. Research, SocietyandDevelopment, v. 12, n. 2, e5012239735, 2023.

SANTOS, R. L.; MAGALHÃES, A. L. P.; KNIHS, N. S.; SILVA, E. L.; PESSOA, J. L. E.; SOUZA, R. S.. Atuação do enfermeiro na doação e transplante de órgãos: revisão integrativa de literatura. Revista Científica de Enfermagem, 11(36):30-42, 2021.

VIEIRA, P. C. C. Caminhos alternativos para a regulação do consentimento na doação de órgãos e tecidos post mortem no Brasil (Trabalho de Conclusão de Curso). Fundação Getúlio Vargas – Escola de Direito, Rio de Janeiro, 2022.

Published

2024-05-10

How to Cite

Lima, D., Freitas, V. A. de, & Araújo, M. R. (2024). AÇÕES DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS. Revista Contemporânea, 4(5), e4226. https://doi.org/10.56083/RCV4N5-035

Issue

Section

Articles