ABORDAGENS FISIOTERAPÊUTICAS PARA PARALISIA BRAQUIAL OBSTÉTRICA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Authors

  • Nelirene Estanislau de Araújo
  • Sandra Maria Cordeiro Rocha de Carvalho
  • Maria do Socorro Nunes Gadelha
  • Maria Aparecida Bezerra
  • Géssika Araújo de Melo

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N5-034

Keywords:

paralisia obstétrica, fisioterapia, tratamento, reabilitação

Abstract

A Paralisia Braquial Obstétrica (PBO) é definida como uma paralisia flácida, parcial ou total, que afeta o membro superior do recém-nascido devido à lesão do plexo braquial durante as manobras de parto. Resulta de lesão nas raízes cervicais C5-C8 e raiz torácica T1 em menos de 1% dos nascimentos, com taxa de recuperação de 84%. O presente estudo identificou os principais aspectos e métodos terapêuticos utilizados para tratar a PBO na infância e analisou a importância do tratamento precoce para um melhor desenvolvimento neuropsicomotor. Tratou-se de uma revisão integrativa da literatura sobre a PBO e os recursos terapêuticos conservadores mais utilizados. Os critérios de inclusão foram: artigos relacionados ao tema proposto que estivessem relacionados ao tratamento fisioterapêutico, escritos nos idiomas português, inglês ou espanhol e o período de publicação entre os anos 2006 a 2021. Como critérios de exclusão, foram considerados: artigos que abordassem apenas o tratamento médico/cirúrgico, artigos que não estivessem disponíveis na íntegra e duplicatas. Após os critérios de elegibilidade, permaneceram 15 artigos extraídos das bases de dados PUBMED, LILACS, SciELO e PEDro. O tratamento fisioterapêutico convencional mostrou-se de extrema importância para a prevenção de agravamentos estruturais e físicos da PBO. Além deste, também foram encontradas outras propostas como o tratamento de realidade virtual, que também foi útil como tratamento complementar ao tratamento fisioterapêutico. Portanto, enfatiza-se a necessidade do tratamento precoce da PBO para uma melhor qualidade de vida, com a prevenção de deformidades físicas e utilização funcional do membro superior afetado.

References

ABDOUNI, Yussef Ali et al. Relação entre a idade e o tipo de paralisia obstétrica do plexo braquial com o movimento de pronossupinação do antebraço. Revista Brasileira de Ortopedia, v. 2, n. 5, p. 596–600, fevereiro de 2017.

BELLOWS, Doria; BUCEVSKA, Marija; VERCHERE, Cynthia. Coordination and balance in children with birth-related brachial plexus injury: a preliminary study. Physiotherapy Canada, vol. 67, n. 2, p. 105-112, 2015.

CABRAL, José R. L. et al. Avaliação da função do membro superior nos pacientes com paralisia obstétrica após cirurgia de Sever-L’Episcopo modificada. Revista Brasileira de Ortopedia, São Paulo, v. 47, n. 4, p. 451-454, 2012.

CARRIÓN, Rocío P.; SÁNCHEZ, Rachel. L. Fisioterapia aplicada en la extremidad superior a niños de 0 a 10 años con parálisis braquial obstétrica: revisión sistemática. Revista de Neurología, v. 71, n. 1, p. 1-10, 2021.

EL-SHAMY, S.; ALSHARIF, R. Effect of virtual reality versus conventional physiotherapy on upper extremity function in children with obstetric brachial plexus injury. Journal of Musculoskeletal & Neuronal Interactions, v. 17, n. 4, p. 319-326, julho de 2017.

GALBIATTI, José A.; CARDOSO, Fabrício L.; GALBIATTI, Marília G. P. Paralisia obstétrica: De quem é a culpa? Uma revisão sistemática de literatura. Revista Brasileira de Ortopedia, v. 55, n. 2, p. 139–146, agosto de 2020.

GHIZONI, Marcos F. et al. Paralisia obstétrica de plexo braquial: revisão da literatura. Revista Arquivos Catarinenses de Medicina, Tubarão, v. 39, n. 4, p. 95-101, 2010.

HEISE, Carlos O.; GHERPELLI, José L. D. Prognostic relevance of risk factors for obstetrical brachial plexopathy. Revista Arquivos de Neuropsiquiatria, v. 64, n. 1, p. 30-34, 2006.

HEISE, Carlos O.; MARTINS, Roberto; SIQUEIRA, Mário. Neonatal brachial plexus palsy: a permanent challenge. Revista Arquivos de neuropsiquiatria, vol. 73, n.9, p. 803-808, maio de 2015.

LEITE, Hércules R.; MACHADO, Fabiana R. C.; BRITO, Ludmila, F. Paralisia Braquial Perinatal. In: CAMARGOS, Ana C. R. et al. (org.). Fisioterapia em pediatria: da evidência à prática clínica. 1. ed. Rio de Janeiro: Medbook, 2019. p. 223-250.

LOPES, Andressa R. et al. Atuação Fisioterapêutica Na Paralisia Braquial Obstétrica. Revista de Iniciação Científica e Extensão, Goiás, v. 3, n. 2, p. 412-419, 2020.

MEDEIROS, Daiane L. et al. Qualidade de vida e função do membro superior de crianças com paralisia obstétrica do plexo braquial. Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, v. 38, 2020.

RIBEIRO, Paulo R. J.; SPARAPANI, Fábio V. C. Paralisia Obstétrica do Plexo Braquial. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 148-155, maio-agosto, 2014.

SAFOURY, Yasser A. et al. Postoperative physical therapy program for latissimus dorsi and teres major tendons transfer to rotator cuff in children with obstetrical brachial plexus injury. European Journal of Physical and Rehabilitation Medicine, Cairo, v. 53, n. 2, p. 277-85, abril de 2017.

SAHIN, Nilay; KARAHAN, Ali Yavuz. Effect of exercise doses on functional recovery in neonatal brachial plexus palsy: A randomized controlled study. Northern Clinics of Istanbul, v. 6, n. 1, p. 1-6, 2018.

SEVERO, Antônio L. et al. Paralisia obstétrica: Avaliação da técnica Sever-L’Episcopo modificada por Hoffer. Revista Brasileira de Ortopedia, Santa Maria, v. 55, n. 6, p.787–795, março de 2020.

SICARI, Monica et al. Modified constraint induced movement therapy in children with obstetric brachial plexus palsy: a systematic review. European Journal of Physical and Rehabilitation Medicine, novembro de 2021.

TARAKCI, Ela et al. Leap Motion Controller-based training for upper extremity rehabilitation in children and adolescents with physical disabilities: A randomized controlled trial. Journal of Hand Therapy: official journal of the American Society of Hand Therapists, v. 33, n. 2, p. 220-228, 2019.

VAZ, Daniela V. et al. Clinical Changes During an Intervention Based on Constraint-Induced Movement Therapy Principles on Use of the Affected Arm of a Child with Obstetric Brachial Plexus Injury: A Case Report. Occupational Therapy International, Minas Gerais v. 17, p. 159–167, 2010.

VIDE, João et al. Que técnica paliativa para as sequelas glenoumerais das lesões obstétricas do plexo braquial?. Revista Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia, v. 22, n. 1, p. 5-23, 2014.

YEVES-LITE, Alba et al. Conventional and Virtual Reality Mirror Therapies in Upper Obstetric Brachial Palsy: A Randomized Pilot Study. Journal of Clinical Medicine, v. 9, 2020.

Pereira A. S. et al. Metodologia da pesquisa científica. [free e-book]. Santa Maria/RS. Ed. UAB/NTE/UFSM. 2018.

PERRIER-MELO, Raphael José et al. Efeito do treinamento com videogames ativos nas dimensões morfológica e funcional: estudo clínico randomizado. Motricidade. v. 12, n. 2, p. 70-79. 2016.

Published

2024-05-10

How to Cite

Araújo, N. E. de, Carvalho, S. M. C. R. de, Gadelha, M. do S. N., Bezerra, M. A., & Melo, G. A. de. (2024). ABORDAGENS FISIOTERAPÊUTICAS PARA PARALISIA BRAQUIAL OBSTÉTRICA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. Revista Contemporânea, 4(5), e4225. https://doi.org/10.56083/RCV4N5-034

Issue

Section

Articles