LAZER NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: CONTROVÉRSIAS E ASSOCIAÇÕES NA ENTRADA EM CAMPO DE UMA PESQUISA ETNOGRÁFICA

Authors

  • Janaína Fontes
  • Raquel da Silveira

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N5-013

Keywords:

lazer, acolhimento institucional, crianças, adolescente, etnografia

Abstract

A Fundação de Proteção Especial do Rio Grande do Sul (FPE) é um órgão do Governo do Estado do RS (Brasil) que acolhe aproximadamente 180 crianças e adolescentes em situação de risco na modalidade de acolhimento institucional através de abrigos residenciais. A medida protetiva de acolhimento institucional está prevista no Art. 101 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Apesar dos avanços nas garantias de direitos propostos pelo ECA, ao trabalhar como Profissional de Educação Física na FPE, percebi que o Estatuto continua sendo motivador de embates entre as intenções de garantias de direitos e proteções explícitas na legislação. Dentre os direitos que devem ser garantidos para crianças e adolescentes, a Constituição Federal, assim como o ECA, situam o lazer como um direito fundamental. Os locais da pesquisa são Abrigos Residenciais situados em Porto Alegre/RS, que atendem crianças e adolescentes. A metodologia utilizada foi a etnografia. Com a lente da Sociologia Pragmática, tendo como teoria-método a Teoria do Ator-Rede de Bruno Latour (2012), desenvolvemos as primeiras reflexões das imersões no campo de estudo. Podemos observar que as relações híbridas entre os atores humanos e não-humanos performam o lazer na instituição de acolhimento estudada. Para além de crianças, adolescentes e trabalhadores, os lazeres vivenciados nos abrigos envolvem uma série de artefatos como chaves, comidas, ingressos, negociações políticas e compreensões distintas das práticas de lazer. As controvérsias que são descritas no campo conduzem o caminho que conecta atores humanos e não-humano numa trajetória em que percebemos ação de dispositivos de controle, punição, atravessamentos políticos e crises. Assim, agências atuam nos lazeres de crianças/adolescentes em acolhimento institucional e é preciso descrevê-las, comprendê-las e interpretá-las para construir a rede associações.

References

BACKES, A.M.; HERNANDORENA, M.C.A.; MELLO, R.V. Casa-Lar, desafio na possibilidade de propiciar a convivência familiar e comunitária. In: Boas Práticas: garantindo o Direito à Convivência Familiar e Comunitária de Crianças e Adolescentes no RS. São Leopoldo: Amencar, 2012.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. ECA. Lei nº 8.069 de 13 de julho de 1990, Brasília, DF, Brasil.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). São Paulo: Saraiva, 2021.

BRASIL, 2009. Orientações técnicas: serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Disponível em https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/orientacoes-tecnicas-servicos-de-alcolhimento.pdf Acesso em: 09/11/2022.

CHAMBOULEYRON, R. Jesuítas e as crianças no Brasil quinhentista. In: DEL PRIORI, M. (org.). História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Contexto, 2004.

HAMMERSLEY, M.; ATKINSON, P. Etnografia: Princípios em Prática. Petrópolis: Editora Vozes, 2022.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: EDUFBA, 2012.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. São Paulo: Editora UNESP, 2017.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34, 2019.

MARCILIO, M. L. A roda dos expostos e a criança abandonada na História no Brasil. 1726-1950. In: FREITAS, Marcos Cezar (org.). História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2001.

RIZZINI, I; PILOTTI, F. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

RIZZINI, I.; RIZZINI, I. “Menores” institucionalizados e meninos de rua: os grandes temas de pesquisa na década de 80. In: FAUSTO, Ayrton; CERVINI, Ruben. O trabalho e a rua: crianças e adolescentes no Brasil urbano dos anos 80. São Paulo: Cortez, 2004.

RIZZINI, I. Acolhendo crianças e adolescentes: experiências de promoção do direito a convivência familiar e comunitária no Brasil. São Paulo: Cortez, 2006.

SILVEIRA, R. Esporte, homossexualidade e amizade: estudo etnográfico sobre o associativismo no futsal feminino. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grand do Sul. Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Porto Alegre, 2008.

STIGGER, M.; MYSKIW, M. Etnografia e estudos no/do lazer: aspectos da observação participante. In: ISAYAMA, H.; Melo,V.(org). Pesquisa e pós-graduação em estudos do lazer. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2020. DOI: https://doi.org/10.7476/9786558580157.0006

STIGGER, Marco Paulo; THOMASSIM, Luis Eduardo. Entre o “serve” e o “significa”: uma análise sobre expectativas atribuídas ao esporte em projetos sociais. In: Licere, Belo Horizonte, v.16, n.2, jun/2013, p. 1-33. DOI: https://doi.org/10.35699/1981-3171.2013.656

THOMASSIM, Luis Eduardo. Conflitos em torno do lazer: o sentido das práticas de responsabilidade social na contramão dos direitos sociais. In: Silva, Maurício Roberto (ORG). Esporte, Educação, Estado e Sociedade: As políticas públicas em foco. Chapecó: Argos, 2007.

Published

2024-05-03

How to Cite

Fontes, J., & Silveira, R. da. (2024). LAZER NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL: CONTROVÉRSIAS E ASSOCIAÇÕES NA ENTRADA EM CAMPO DE UMA PESQUISA ETNOGRÁFICA. Revista Contemporânea, 4(5), e4022. https://doi.org/10.56083/RCV4N5-013

Issue

Section

Articles