DESAFIOS NOS REGISTROS DE SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O GÊNERO FEMININO

Authors

  • Edyane Silva de Lima
  • Marselle Nobre de Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N5-051

Keywords:

violência, violência de gênero, registros, biopoder

Abstract

Abordar sobre o fenômeno da violência exige ampla compreensão, uma vez que este se movimenta diferentemente, mas, faz parte da história das sociedades. O fenômeno se evidencia na violência de gênero, traduzida por relações desiguais entre os sexos, encontrando fundamentos numa sociedade patriarcal e machista, em que o masculino ainda é tido como superior ao feminino. Sabemos que os dados estatísticos e indicadores servem de subsídios para o planejamento de políticas públicas e sociais, porém apresentam fragilidades no registro das informações sobre a questão da violência, principalmente contra o gênero feminino. Por isso, este artigo tem como objetivo discorrer e problematizar brevemente sobre os desafios e a importância dos registros de situações de violência contra a meninas e mulheres na realidade brasileira. Compreende a uma pesquisa exploratória qualitativa e quantitativa, recorrendo a revisão bibliográfica conceitual e aos dados secundários do Sistema de Informação de Agravos de Notificação - Sinan (2012 a 2022), Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (2019) e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada/Fórum Brasileiro de Segurança Pública – IPEA/FBSP (2023). Mediante aos achados, identificamos que a violência contra o gênero feminino no país se comporta majoritariamente nas faces das violências física, psicológica e sexual, não havendo um diálogo e articulação entre as bases de registros de dados. Exigindo maior comprometimento das instituições com a questão, bem como encarar com seriedade o registro dos dados, visando auxiliar científica e efetivamente com as políticas públicas de atendimento e enfrentamento à violência contra meninas e mulheres.

References

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Balanço anual: Ligue 180 recebe mais de 92 mil denúncias de violações contra mulheres. Brasília, 06/08/2019. Disponível em: <https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2019/agosto/balanco-anual-ligue-180-recebe-mais-de-92-mil-denuncias-de-violacoes-contra-mulheres> Acessado em: 17 Nov. 2021.

_____. Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH). Disque Direitos Humanos: Relatório 2019. Brasília, 2020. Disponível em: <https://www.gov.br/.../2020-2/junho/Relatorio_Disque_100_final.pdf> Acessado em: 17 Nov. 2021.

_____. Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania. 1º Painel de Dados da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos. 2020, 2021 e Semestre de 2023. Disponível em: <https://www.gov.br/mdh/pt-br/ondh/painel-de-dados/primeiro-semestre-de-2020> Acessado em: 13 Abril 2023.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública (Organizadores). Violência contra a mulher. pp. 35-48. Atlas da violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

_____. CERQUEIRA, Daniel; bueno, SAMIRA Cerqueira. (Organizadores. Atlas da violência 2023. Brasília: IPEA; FBSP, 2023. 115p.

KRUG, et al. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. 2002. Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. OMS: Genebra, 380p.

MORAES, I. H. S. de; GÓMEZ, M. N. G. de;. Informação e informática em saúde: caleidoscópio contemporâneo da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 12(3):553-565, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000300002

MOREIRA, T. das N. F.. et al; A construção do cuidado: o atendimento às situações de violência doméstica por equipes de Saúde da Família. Saúde Soc. São Paulo, v.23, n.3, p.814-827, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000300007

NJAINE, K. et al;. A produção da (des)informação sobre violência: análise de uma prática discriminatória. Cadernos Saúde Pública. Rio de Janeiro, 13(3):405-414, jul-set, 1997. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X1997000300016

SAFFIOTI, H. I. B.; No fio da navalha: violência contra crianças e adolescentes no Brasil. In: REICHER, Felícia (Org.). Quem mandou nascer mulher. São Paulo: Ágora, 1997. p. 137-211.

SAFFIOTI, H.. BONGIOVANI, I.. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Preventing child maltreatment: a guide to taking action and generating evidence. Geneva: WHO; 1999

Published

2024-05-13

How to Cite

Lima, E. S. de, & Carvalho, M. N. de. (2024). DESAFIOS NOS REGISTROS DE SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O GÊNERO FEMININO. Revista Contemporânea, 4(5), e3991. https://doi.org/10.56083/RCV4N5-051

Issue

Section

Articles