A TRILIDADE NEUROBIOLÓGICA DO MECANISMO DE LUTA OU FUGA: UMA NOVA PERSPECTIVA

Authors

  • Alessandra Barcelos Vianna
  • Ana Clara Souza Almeida
  • Ana Luiza da Silva Pereira
  • Hassan Ali Srour
  • Lethycia Munitchielle Gondim Lemos
  • Wellington Luiz da Costa Lima
  • Yasmin Tosta Ferreira

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV4N5-022

Keywords:

dualidade, trilidade, mecanismo de luta ou fuga, neurociência

Abstract

OBJETIVO: Investigar os mecanismos neurofisiológicos subjacentes ao processo de luta ou fuga em humanos e sua adaptação em diferentes situações de estresse. Ainda, investigar como a teoria da trilidade pode contribuir na compreensão do mecanismo de luta ou fuga. METODOLOGIA: Consiste em uma revisão de literatura realizada a partir do estudo de artigos científicos publicados nas principais bases de dados, nos idiomas inglês e português, bem como dos principais livros-texto associados ao estudo da neurofisiologia humana. As palavras-chave aplicadas na pesquisa foram: trilidade, neurofisiologia, dualidade, dualismo, luta ou fuga. Foram excluídos artigos duplicados nas bases de dados consultadas, bem como os que não abordassem de forma clara a temática da dualidade, da trilidade ou do mecanismo de luta ou fuga. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Durante séculos, a mente e o raciocínio humano foram interpretados perante uma visão dualista, incluindo o mecanismo neurobiológico de luta ou fuga. Tal perspectiva, apesar de defendida por diversos pensadores, limita o alcance da mente humana e restringe os atuais saberes associados à neurociência. A teoria da trilidade, por sua vez, visa ampliar tal visão, promovendo uma terceira via de pensamento que, no caso do padrão luta ou fuga, seria o ato de “congelar” diante de situações inóspitas. CONCLUSÃO: A aplicação da teoria da Trilidade no estudo do mecanismo de luta ou fuga amplia as possibilidades de agir diante de situações de risco em potencial e fornece ao indivíduo alternativas que rompam com a prática dual prévia. Assim, atos como o congelamento podem ser benéficos em determinadas condições, como em acidentes de trânsito que demandem a completa imobilização da vítima até que o atendimento hospitalar seja fornecido.

References

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ALVES, Marco Antônio. ALMEIDA, Heder S. A relação mente-corpo: entre o dualismo substancial e o monismo reducionista. Princípios: Revista de Filosofia, v.30, n.6, mai-ago, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/29573/17505 DOI: https://doi.org/10.21680/1983-2109.2023v30n62ID29573

ARAÚJO, Giovanno H. B.; VOLPI, José H.. Quando o corpo congela e o medo se transforma em trauma. Congresso Brasileiro de Psicoterapias Corporais - Anais. Curitiba: Centro Reichiano, 2017.

BENTO, Ana F. G.; SOUSA, Patrícia P. Estabilização da coluna vertebral na vítima de trauma – revisão integrativa. Enfermería Global, n.57, pp. 589-601, 2020. Disponível em: https://scielo.isciii.es/pdf/eg/v19n57/pt_1695-6141-eg-19-57-576.pdf

BERCELI, D. Exercícios para liberação do trauma: um revolucionário método para a recuperação de estresse e trauma. Recife: Libertas, 2007.

CAVALCANTE, Fátima G.; MORITA, Patrícia A.; HADDAD, Sonia R. Sequelas invisíveis dos acidentes de trânsito: o transtorno de estresse pós-traumático como problema de saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, v.14, n.5, pp.1763-1772, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/nnNCsGtJdTVnhWFg4D7RXHw/?format=pdf &lang=pt DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000500017

FARIA, Moacir S. et al. Fisiologia Humana. 1 ed. Florianópolis: Biologia UFSC, 2014.

GIBBONS, Christopher H. Basics of autonomic nervous system function. Handb Clin Neurol., v.160, pp. 407-418, 2019. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31277865/ DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-444-64032-1.00027-8

GOMES, Leonardo M. Filosofia da mente, dualismo e zumbis. Cadernos PET Filosofia, v.21, n.1, pp. 101-116, 2020. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/petfilo/article/viewFile/80865/46364

HALL, John E. Tratado de Fisiologia Médica Guyton & Hall. 13 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017.

RAMOZZI-CHIARONTTINO; Zelia. FREIRE, José-Jozefran. O dualismo de Descartes como princípio de sua Filosofia Natural. Estudos avançados, v.27, n.79, 2023. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/hBXJHjbjSNBMXZdbWjHzRDC/?format=pdf DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142013000300012

SILVERTHORN, Dee U. Fisiologia Humana: uma abordagem integrada. 7 ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

SOUSA, Maria B. C. et al. Resposta ao estresse: homeostase e teoria da alostase. Estudos de Psicologia, v. 20, n. 1, pp. 2-11, jan-mar, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/epsic/a/wLn5RGy9pVXS ZKryWSPHXTF/ DOI: https://doi.org/10.5935/1678-4669.20150002

SROUR, Hassan A. Teoria da Trilidade e o raciocínio humano. Absoulute Review, v. 15, n.1, maio, 2023. Disponível em: https://inovaes.com/absoulute-review-V15-maio-2023-artigo-01.pdf

SROUR, Hassan A. Teoria da Trilidade e o raciocínio humano. Orientador: Fábio Santana Machado. 2022. 96 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Ciências da Saúde Coletiva, Absoulute Christian University, Flórida (EUA), 2022.

WAXENBAUM. Joshua A.; REDDY, Vamsi. VARACALLO, Matthew. Anatomy: autonomic nervous system. 1 ed. Treasure Island: StatPearls, 2023.

WEHRWEIN, Erica A.; ORER, Hakan S.; BARMAN, Susan M. Overview of the anatomy, physiology and pharmacology of the autonomic nervous system. Compr Physiol., v.6, n.3, pp.1239-1278, 2016. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27347892/ DOI: https://doi.org/10.1002/cphy.c150037

Published

2024-05-06

How to Cite

Vianna, A. B., Almeida, A. C. S., Pereira, A. L. da S., Srour, H. A., Lemos, L. M. G., Lima, W. L. da C., & Ferreira, Y. T. (2024). A TRILIDADE NEUROBIOLÓGICA DO MECANISMO DE LUTA OU FUGA: UMA NOVA PERSPECTIVA. Revista Contemporânea, 4(5), e3896. https://doi.org/10.56083/RCV4N5-022

Issue

Section

Articles