VENTOSATERAPIA SECA: TÉCNICA DE DESLIZAMENTO NO ALÍVIO DA DOR LOMBAR AGUDA EM PRATICANTES DE CROSSFIT

Authors

  • Kethelen Fortes da Silva
  • Lisiane Lisboa Carvalho
  • Alexander Romão Vieira Morinélli
  • Francine Xavier Guterres Cruvinel
  • Bruna Eduarda Diehl

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N11-092

Keywords:

Ventosaterapia, Lombalgia, Crossfit, Flexibilidade, Recovery

Abstract

O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos da aplicação imediata da técnica de deslizamento da ventosaterapia seca sobre a dor e a flexibilidade de tronco em praticantes de CrossFit que possuíam dor lombar aguda. Foram incluídos neste estudo quase-experimental 15 indivíduos de ambos os sexos sendo 8 do sexo feminino. Foi avaliada a dor pela escala visual analógica (EVA) e a flexibilidade de tronco pelo teste de sentar e alcançar, antes e após uma intervenção de ventosaterapia seca com a técnica de deslizamento. Os indivíduos do sexo feminino apresentaram maior flexibilidade e maior nível de dor em ambos os períodos avaliados. A variação de flexibilidade e de dor foi maior nos indivíduos com faixa etária entre 19 e 24 anos. Todos os indivíduos apresentaram redução da dor e somente um indivíduo não obteve ganho de flexibilidade de tronco em nenhum dos momentos. A técnica utilizada é uma alternativa considerada promissora, pois demonstrou-se efetiva, além de possuir fácil aplicabilidade e apresentar mínimas contraindicações. Neste estudo, a utilização da técnica de deslizamento da ventosaterapia seca apresentou-se efetiva na redução da dor e consequentemente no ganho de flexibilidade dos atletas avaliados com dor lombar aguda.  

References

Barreto E, Ramos DM, Silva FF, Petrini AC. Liberação miofascial aumenta a flexibilidade muscular em atletas. DêCiência em Foco. 2019,3(1):129–139. Disponível em: http://revistas.uninorteac.com.br/index.php/DeCienciaemFoco0/article/view/276

Oliveira DQS, Vasconcelos MC, Torres RS, Santos DR, Nero DSM. Incidência de lesão no CrossFit: uma revisão sistemática de literatura. Caderno de Educação Física e Esporte. 2020,18(3):95-99. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/25138 DOI: https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p95

Campos GH, Santos CT. Tratamento de pontos-gatilhos (trigger points) por meio de terapia por ventosa. REVISA. 2015,4(2):146–154. Disponível em: ttp://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/view/248

Moura CC, Chaves ÉCL, Cardoso ACLR, Nogueira DA, Corrêa HP, Chianca TCM. Ventosaterapia e dor crônica nas costas: revisão sistemática e metanálise. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018,26:e3094. DOI: https://doi.org/10.1590/1518-8345.2888.3094 DOI: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018021703461

Dorta AG, Silva JM, Dayrell SR, Junior AJC, Pires EDO, Penido ATO, et.al. Efetividade da liberação miofascial por meio da ventosaterapia na dor, limitação de movimento e capacidade funcional de portadores de lombalgia. REVISTA ELETRÔNICA DE TRABALHOS ACADÊMICOS - UNIVERSO/GOIÂNIA. 2018,3(5):1–12. Disponível em: http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=3GOIANIA4&page=article&op=view&path%5B%5D=5865

Ribeiro CCA, Abad CCC, Barros RV, Neto TLB. Nível de flexibilidade obtida pelo teste de sentar e alcançar a partir de estudo realizado na Grande São Paulo. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010,12(6):415-421. DOI: https://doi.org/10.5007/1980-0037.2010v12n6p415 DOI: https://doi.org/10.5007/1980-0037.2010v12n6p415

Cardoso JR, Azevedo NCT, Cassano CS, Kawano MM, Âmbar G. Confiabilidade intra e interobservador da análise cinemática angular do quadril durante o teste sentar e alcançar para mensurar o comprimento dos isquiotibiais em estudantes universitários. Rev. bras. Fisioter. 2007,11(2): 133-38. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-35552007000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-35552007000200008

Alencar TAMD, Matias KFS. Princípios fisiológicos do aquecimento e alongamento muscular na atividade esportiva. Rev Bras Med Esporte. 2010,16(3):230-234. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-86922010000300015 DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-86922010000300015

Silva MR, Ferretti F, Lutinski JA. Dor lombar, flexibilidade muscular e relação com o nível de atividade física de trabalhadores rurais. SAÚDE DEBATE. 2017,41(112):183-194. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201711215 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201711215

Soares CL, Brito MA, Cunha RF, Pereira AA, Viola JC, Guedes UIS, et.al. Agilidade e flexibilidade em praticantes de crossfit. Revista CPAQV – Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida. 2020,12(3):1-7. DOI: doi.org/10.36692/v12n3-20 DOI: https://doi.org/10.36692//v12n3-20

Graup S, Bergmann MLA, Bergmann GG. Prevalência de dor lombar inespecífica e fatores associados em adolescentes de Uruguaiana/RS. Rev. Bras. Ortopedia. 2014,49(6):661–667. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rboe.2014.10.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.rbo.2013.09.005

Silva LL, Neta AAP, Prates CF, Soares JS, Araújo TA, Costa AMA, et.al. Análise da prevalência de dor lombar associada à atividades ocupacionais: uma revisão integrativa de literatura. Brazilian Journal of Development. 2021,7(2):11729-11743. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-004 DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-004

Published

2023-11-16

How to Cite

da Silva, K. F., Carvalho, L. L., Morinélli, A. R. V., Cruvinel, F. X. G., & Diehl, B. E. (2023). VENTOSATERAPIA SECA: TÉCNICA DE DESLIZAMENTO NO ALÍVIO DA DOR LOMBAR AGUDA EM PRATICANTES DE CROSSFIT. Revista Contemporânea, 3(11), 21707–21721. https://doi.org/10.56083/RCV3N11-092

Issue

Section

Artigos