CUSCUZ UMA VIAGEM DA AFRICA ATÉ O BRASIL

Authors

  • Anatercia de Sousa Santos
  • Carolina Fernandes da Silva
  • Débora Alves da Costa
  • Dulcineia Pereira da Silva
  • Manuel Filho Alves da Silva
  • Antonio Carlos Andrade Conceição
  • Victor da Silva Almeida

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N11-009

Keywords:

Cuscuz, Milho, Tradição

Abstract

A história da alimentação do brasil é extensamente rica de sabores, texturas e influências, este artigo aborda como foi a jornada do cuscuz, que começou na África pelos povos berberes e chegou à mesa dos Brasileiros. Primeiramente produzido pelos marroquinos com trigo durum, no Brasil ele ganhou uma nova versão, a preparação com milho, outra versão apreciada é o exibido nos tabuleiros das baianas a base farinha de tapioca, porém é no nordeste brasileiro que ele ganhou maior ênfase, já que seu consumo nesta região é expressivo, o nordestino ver nesse alimento, não só o sustento de suas famílias, como também é muito utilizado em festejos e datas comemorativas. Alimento rico e completo, utilizado em receitas com leite de coco, com ou sem açúcar, ou ainda, como preparavam os povos africanos, utilizando frango, carne seca, legumes ou peixes, dessa forma, considerado um alimento completo e que pode ser servido a qualquer hora, fazendo a alegria das famílias, o objetivo desse trabalho é identificar como o cuscuz chegou à mesa do brasileiro. Para esse entendimento, seguiremos na linha de pesquisa bibliográfica, utilizando uma abordagem qualitativa e método hipotético dedutivo acerca de artigos científicos já publicados. Foi concluído que inicialmente, o cuscuz brasiliense não seria possível sem o milho, entendendo por que o milho foi o cereal predominantemente utilizado, apesar de no sul do país, utilizarem a mandioca para o preparo do cuscuz, ao passo que, em alguns estados do norte, ser produzido com farinha do Uarini, mas, todos usam a mesma técnica Magrebe, cozido no vapor. Identificando como se deu o conhecimento dessa técnica para preparo do cuscuz e como evoluíram para o cuscuz que hoje conhecemos, seja à base de milho, como o nordestino Colono gosta, ou a base de mandioca como no caso do tabuleiro das baianas.

References

ARAÚJO, M. O.; OGAWA, N. S.; ARIELO, F. S.; GOMES, R. M. M. Cultura Que Alimenta – História Através Da Alimentação, Folclore E Cultura Popular. In.: Seminário Institucional PIBID e Residência Pedagógica. Centro Universitário Sagrado Coração, 2021, Bauru-SP. Acesso em: 04/10/2023. Disponível em: https://unisagrado.edu.br/anaispibid-residenciap

BARROS, J. F. C.; CALADO, J. G. A Cultura do Milho. In.: Escola de Ciências e Tecnologia Departamento de Fitotecnia. Évora, 2014. Acesso em: 06/10/2023. Disponível em: https://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/10804

BRIEGER, F. G. Estudos Experimentais Sobre a Origem do Milho. In.: An. Esc. Super. Agric. Luiz de Queiroz 1 • 1944 • https://doi.org/10.1590/S0071 12761944000100011. Acesso em: 08/10/2023. Disponível em: https://www.scielo.br/j/aesalq/a/BYhH9BHFhWXnKCNsFZz5Tjb/

CÂNDIDO, G. S. O segredo de um cuscuz: alimentação e identidade. In.: Demetra; 2015; 10(3); 607-621. Acesso em: 05/10/203. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra/article/view/15490 DOI: https://doi.org/10.12957/demetra.2015.15490

CHEMACHE, L.; KEHAL, F.; NAMOUNE, H.; CHAALAL, M.; GAGAOUA, M. Couscous: Ethnic making and consumption patterns in the Northeast of Algeria. In.: L. Chemache et al / Journal of Ethnic Foods 5 (2018) 211e 219. Acesso em: 03/10/2023. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2352618118300714 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jef.2018.08.002

FARIAS, L. I. S. Avaliação do Conteúdo da Digestibilidade In Vitro do Amido de Cuscuz e Tapioca. 2017. 40f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Nutrição). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017. Acesso em: 06/10/2023. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/39991

FARIAS, P. O. L.; SHINOHARA, N. K. S.; PADILHA, M. R. F.; OLIVEIRA, K. K. G.; MATSUMOTO, M. O Cuscuz na alimentação brasileira. In.: Revista Contextos da Alimentação, Vol. 3 no 1 ano dezembro de 2014. Acesso em: 03/10/2023. Disponível em: https://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistacontextos/wp-content/uploads/2014/12/29_Revista-Contextos_ed-vol-3-n-1.pdf

FERRI, J. M. M. A Sociedade Mexica e o Milho. 2021. 40f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de História). Centro Universitário Barão de Mauá. Ribeirão Preto, 2021. Acesso em: 08/10/2023. Disponível em: https://repositorio.baraodemaua.br/items/b3339bdc-2ec7-4f52-9885-1ba5498e5fab/full

FORMIGHIERI, R. C. G.; BEZERRA, I.; CARVALHO, S. M. Escritos Sobre o Cuscuz: A Comida Culturalmente Referenciada entre Riscos e Incertezas. In.: INTER-LEGERE | Vol 2, n. 25/2019: c17358 | ISSN 1982-1662. Acesso em: 05/10/2023. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/interlegere/article/view/17358/11894

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2002.

HAMMAMI, R.; BARBAR, R.; LAURENT, M.; CUQ, B. Durum Wheat Couscous Grains: An Ethnic Mediterranean Food at the Interface of Traditional Domestic Preparation and Industrial Manufacturing. In.: Foods 2022, 11, 902. https://doi.org/10.3390/foods11070902. Acesso em: 01/10/2023. Disponível em: https://www.mdpi.com/2304-8158/11/7/902 DOI: https://doi.org/10.3390/foods11070902

JANGADA. Uma pesquisa etnográfica. História da Alimentação no Brasil. Serviço de Documentação. Ministério da Educação e Cultura. Rio de Janeiro, 1957. Acesso em: 03/10/2023. Disponível em: https://bdor.sibi.ufrj.br/bitstream/doc/370/1/323%20PDF%20-%20OCR%20-%20RED.pdf

MANOS, M. G. L.; GALVAO, D. M. de O.; ALMEIDA, M. J. de O.; MORAIS, L. C. de; BARROSO NETO, J.; VEDEVOTO, G. L. Avaliação de aceitação do flocão de milho biofortificado em áreas de atuação da rede Biofort no Nordeste brasileiro. In: REUNIÃO DE BIOFORTIFICAÇÃO NO BRASIL, 5., 2015, São Paulo. Anais... Brasília, DF: Embrapa, 2015. Acesso em: 04/10/2023. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/1041185/1/Avaliacao.pdf

MARTINS, L. C. G. Festival De Cuscuz De Sumidouro: Valorização da cultura local do distrito. 2021. 66f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Jornalismo). Universidade Federal de Ouro Preto. Minas Gerais, Mariana, 2021. Acesso em: 06/10/2023. Disponível em: https://monografias.ufop.br/bitstream/35400000/4078/7/MONOGRAFIA_FestivaldeCuscuzSumidouro.pdf

MINAYO, M. C. O desafio da pesquisa social. In: Minayo, M. C. (Org.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade, Rio de Janeiro, RJ: Vozes, 2009.

OLIVEIRA, L. A.; CAVIGNAC, J. Na Cozinha com Câmara Cascudo: História, Etnografia e Folclore nos Estudos da Alimentação no Brasil. In.: ACENO, Vol. 4, N. 7, p. 225-236. Jan. a Jul. de 2017. Cultura Popular, Patrimônio e Performance (Dossiê). Acesso em: 05/10/2023. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/view/5169 DOI: https://doi.org/10.48074/aceno.v4i7.5169

PEREIRA, M. N. Dureza do Grão de Milho: Um Tópico Brasileiro. In.: Anais [do] III Simpósio Internacional em Formulação de Dietas para Gado Leiteiro, Lavras, MG, 27 e 28 de agosto de 2014 / editores: PEREIRA, M.N.; PEREIRA, R. A. N. – Lavras: [s.n.], 2014. Acesso em: 07/10/2023. Disponível em: https://dairyfocus.illinois.edu/files/2014_Formuleite.pdf

ROCHA, M. A. A Comida e a Linguagem em “Folclore da Alimentação” (1963): Cascudo, os Folcloristas e a Cultura Alimentar. In.: Revista Prâksis | Novo Hamburgo | a. 15 | n. 1 | jan./jun. 2018. Acesso em: 10/10/2023. Disponível em: https://www.academia.edu/50841808/A_COMIDA_E_A_LINGUAGEM_EM_FOLCLORE_DA_ALIMENTA%C3%87%C3%83O_1963_CASCUDO_OS_FOLCLORISTAS_E_A_CULTURA_ALIMENTAR DOI: https://doi.org/10.25112/rpr.v1i0.1465

SONATI, J. G.; VILARTA, R.; SILVA, C.C. Influências Culinárias e Diversidade Cultural da Identidade Brasileira: Imigração, Regionalização e suas Comidas. In.: Qualidade de Vida e Cultura Alimentar. 11/2009, ed. 1, IPES EDITORA, Vol. 1, pp. 11, pp.137-147, 2009. Acesso em: 04/10/2023. Disponível em: https://www.fef.unicamp.br/fef/sites/uploads/deafa/qvaf/cultura_alimentarcap14.pdf

TEIXEIRA, R. T. A Importância do Milho na Cultura Alimentar Brasileira. 2018. 57f. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnologia em Gastronomia). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí. Campus São Raimundo Nonato. Piauí, 2018. Acesso em: 03/10/2023. Disponível em: http://bia.ifpi.edu.br:8080/jspui/handle/123456789/1776

Published

2023-11-01

How to Cite

Santos, A. de S., da Silva, C. F., da Costa, D. A., da Silva, D. P., da Silva, M. F. A., Conceição, A. C. A., & Almeida, V. da S. (2023). CUSCUZ UMA VIAGEM DA AFRICA ATÉ O BRASIL. Revista Contemporânea, 3(11), 20019–20038. https://doi.org/10.56083/RCV3N11-009

Issue

Section

Articles