DESCONSTRUINDO RÓTULOS: AMPLIANDO OS HORIZONTES DAS ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS

Authors

  • Luciano Rodrigues Santana
  • Kelly Cardoso de Araújo Alves
  • Eder Luz Xavier dos Santos dos Santos
  • Rosicler Aparecida Pinto
  • Josias José da Silva Júnior
  • Marindalva Ribeiro Magalhães Silva
  • Wânia Gonçalves da Rocha
  • Heloiza Helena Rodrigues Martins
  • Viviane Almeida de Oliveira Roque
  • Cleidimar Rodrigues Lopes Barbosa

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-160

Keywords:

Neurodiversidade, Inclusão, Estratégias Pedagógicas

Abstract

O modo de se conceber os limites e as potencialidades dos alunos exerce influência direta sobre a forma como se conduzirá o processo de ensino e aprendizagem. Esse artigo tem como objetivo discutir sobre o viés patológico e suas implicações no processo de escolarização com vista a responder: Porque a ideia de patologização na escola tornou-se um problema? Para responder a tal questionamento foi feita uma pesquisa bibliográfica que recorreu a contribuição proveniente de autores como Michael Foucault (2010) que tratou a respeito da construção social da normalidade; Erving Goffman (2004) que abordou aspetos voltados ao estigma e discriminação; Silberman (2016) que descreveu aspectos voltados a diversidade humana e Souza (2018) que levantou questões sobre a neurodiversidade. Os resultados mostraram que os construtos sociais acabam por exercer formas de controle e poder capazes de moldar comportamentos e ações; os estigmas e processos de discriminação ameaçam o processo de subjetivação de forma injusta e com restrição de oportunidades; dentro do processo de ensino-aprendizagem a patologização transfere o foco do aluno para a patologia e reduz as possibilidades pedagógicas. Conclui-se que a ideia patologização na escola torna-se um problema à medida que cede o lugar que deveria ser ocupado por estratégias pedagógicas a intervenções medicamentosas ou a crenças limitantes atribuídas a capacidade do aluno.

References

ALENCAR HF, BARBOSA HF, GOMES RVB. CONEDU Neurodiversidade: aspectos históricos, conceituais e impactos na educação escolar. Escola em tempos de conexões. Tempo 2, p. 2125-2142, 2021.

AMARANTE P. Novos Sujeitos, Novos Direitos: o debate em torno da reforma psiquiátrica. Cad Saúde Publica. v. 11, n. 3, p. 491-494, 1995. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X1995000300024

AMARANTE P. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: FioCruz, 1998. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575413357

APA - American Psychiatnc Association - DSM-5 - Manual diagnóstico e estatístico de transtorno 5. Porto Alegre: Artmed, xliv, p. 948, 2014.

BALESTRIN MF, BARROS SAM. A relação entre concepção do processo saúde e doença e a identificação/hierarquização das necessidades em saúde. Repositório UEPG, 2009.

BOSA C, CALLIAS M. Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Psicologia: Reflexão E Crítica, 13. Psicol. Reflex. Crit., v. 13, n. 1. 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79722000000100017

BRITO VM. O Aluno Autista e o Processo de Aprendizagem. Artigo 2013. Disponível em: https://pedagogiaaopedaletra.com/o-aluno-autista-e-o-processo-de-aprendizagem. Acesso em: 28/06/2023.

CAPONI S, DARÉ P. Neoliberalismo e sofrimento psíquico: A psiquiatrização dos padecimentos no âmbito laboral e escolar. Mediações. Revista de Ciências Sociais. v. 25 n. 302, 2020. DOI: https://doi.org/10.5433/2176-6665.2020v25n2p302

DWECK CS. Mindset: A nova psicologia do sucesso. Objetiva, 2017.

FARIAS IM, MARANHÃO RVA, CUNHA ACB. Interação professor-aluno com autismo no contexto da educação inclusiva: análise do padrão de mediação do professor com base na teoria da Experiência de Aprendizagem Mediada (Mediated Learning Experience Theory). Rev Brasileira de Educação Especial, v.14, n.3, p. 365-384, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382008000300004

FOUCAULT M. História da loucura. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

FRANCO M, MONTENEGRO MR, BRITO TD, BACCHI CE, ALMEIDA, PCD. Patologia: processos gerais. Brasil: Editora Atheneu, 2015.

FRANCO MAM. O discurso médico e a prática pedagógica no ensino da criança com paralisia cerebral: a importância de se retomar o diálogo entre saúde e educação para a constituição de novas práticas. Paidéia r. do cur. de ped. da Fac. de Ci. Hum., Soc. e da Saú., Univ. Fumec. Belo Horizonte. Ano 9, n. 13, p. 157-178, 2012.

CRP-SP. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Patologização e medicalização das vidas: reconhecimento e enfrentamento - parte 3. Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. São Paulo: CRP SP, 2019.

FRITH U. Autism: Explaining the enigma. Oxford: Blackwell, 1989.

GOFFAMAN E. [1891]. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada Tradução: Mathias Lambert Data da Digitalização: 2004.

GOMES SR. Escolarização Patologizada: configurações de uma prática educacional. 1 ed. Curitiba: Editorial Casa, 2022. DOI: https://doi.org/10.55371/978-65-89999-96-6

GUARIDO R. A biologização da vida e algumas implicações do discurso médico sobre a educação. In: CRP. Medicalização de crianças e adolescentes. Conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças dos indivíduos. Queixa Escolar. Casa do Psicólogo. p. 30-44, 2015.

HEGENBERG L. Doença: um estudo filosófico. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575412589

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL. O paradigma da neurodiversidade: nada sobre o autismo sem os autistas. julho 16, 2021. Disponível em: https://institutoinclusaobrasil.com.br/o-paradigma-da-neurodiversidade-nada-sobre-o-autismo-sem-os-autistas. Acesso em: 28-02-2023.

KASSAR MCM. Escola como espaço para a diversidade e o desenvolvimento humano. Educação & Sociedade, v. 37, n.137, p. 1223-1240, 2016 DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302016157049

KLUTH B.; BOCCHI JR. U, CENSKOWSKY U. Pesquisa sobre o comportamento e a percepção do consumidor de alimentos orgânicos no Brasil – 2010. München: Organic Services. Jundiaí: Vitalfood, 2010. 38 p., 2011.

KRIGER L, MOYSÉS SJ, MOYSÉS ST, MORITA MC. Genética odontológica. São Paulo: Artes médicas, 2014.

KUPFER M. Pré-escola terapêutica Lugar de Vida: um dispositivo para o tratamento de crianças com distúrbios globais do desenvolvimento. In: Machado, A.; Souza, M. (Org.). Psicologia Escolar: em busca de novos rumos. 4. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2004.

MANTOAN MTE. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summus, 2015.

MITTLER P. Educação Inclusiva: contextos sociais. Trad. Windyz Brazão Ferreira. Porto alegre: Artmed, 2003.

OLIVEIRA WV. A fabricação da loucura: contracultura e antipsiquiatria. Hist cienc saude-Manguinhos. v. 18, n. 1, p.141-154, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702011000100009

OLIVEIRA SLA, TOMAZ EB, SILVA RJM. Práticas educativas para alunos com TEA: entre dificuldades e possibilidades. Revista Educação Pública, v. 21, n 3, 2021.

OLIVEIRA FL. Autismo e inclusão escolar: os desafios da inclusão do aluno autista. Revista Educação Pública, v. 20, n.34, 2020.

ORTEGA F. O sujeito cerebral e o movimento da neurodiversidade. Mana, v. 14, n. 2, p. 477-509, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-93132008000200008

POSAR A, VISCONTI P. Sensory abnormalities in children with autism spectrum disorder. J Pediatr. v. 94, n.4, p.342-350, 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jped.2017.08.008

RODRIGUES AP. Minhas crônicas. Fortaleza: Clube dos autores, 2011.

ROMANI C. História Contemporânea I. v. 1, Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2011.

ROSA N. Nosso futuro psiquiátrico. Cambriborda: Polity Press, 2019.

SILBERMAN S. Neurotribes: the legacy of autism and the future of neurodiversity. New York, NY: Avery, 2016.

SOARES RG, NERY FC, SILVEIRA PS, NOTO AR, RONZANI TM. A mensuração do estigma internalizado: revisão sistemática da literatura. Psicol Estud. v.16, n.4, p. 635-645, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722011000400014

SOUZA JMA. Estado e sociedade civil no pensamento de Marx. Serviço Social & Sociedade, v. 101, p. 25-39, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-66282010000100003

SOUZA MPR. (Orgs.). Psicologia Escolar: em busca de novos rumos. 4. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo. p. 51-61. 2004.

TATUM BD. Por que todas as crianças pretas estão sentadas juntas na cafeteria? Um psicólogo explica o desenvolvimento da identidade racial, Nova Iorque: Basic Books, 2003.

Published

2023-10-27

How to Cite

Santana, L. R., Alves, K. C. de A., dos Santos, E. L. X. dos S., Pinto, R. A., da Silva Júnior, J. J., Silva, M. R. M., da Rocha, W. G., Martins, H. H. R., Roque, V. A. de O., & Barbosa, C. R. L. (2023). DESCONSTRUINDO RÓTULOS: AMPLIANDO OS HORIZONTES DAS ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS. Revista Contemporânea, 3(10), 19616–19646. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-160

Issue

Section

Articles