CIRURGIA ENDOVASCULAR E ABERTA E A MORBIMORTALIDADE PERI-OPERATÓRIA DO TRATAMENTO CIRÚRGICO NO ANEURISMA AORTO-ILÍACO EM HOSPITAL REGIONAL DO VALE DO PARAÍBA

Authors

  • Roberto Oliveira Dente
  • Lucas Lazaro Avila da Costa
  • Vinicius Brunheroto
  • Maria Fernanda Kerpe Villela
  • André Lopes do Val
  • Paola Carvalho Lioi
  • Rodrigo Maiorino Degiovani
  • Rubens Lobo Almeida
  • Luis Gustavo dos Santos Iniesta Castilho

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N11-094

Keywords:

Aneurisma Aorto-Ilíaco, Cirurgia Endovascular, Cirurgia Aberta, Morbimortalidade da Correção de Aneurisma Aorto-Ilíaco, Tratamento Minimamente Invasivo

Abstract

Subtítulo: Análise da morbimortalidade peri e intraoperatória da abordagem cirúrgica endovascular e aberta na cirurgia de correção de aneurisma de Aorta abdominal. Objetivos: Análise do grau de influência da técnica cirúrgica e comorbidades para ocorrência de intercorrências médicas em intervenções endovasculares e abertas na correção de aneurisma de Aorta abdominal. Métodos: Estudo coorte retrospectivo, baseado no levantamento de dados coletados no Hospital Regional do Vale do Paraíba, nos anos de 2012 a Abril de 2022. Resultados: a análise evidenciou que há maior risco de intervenção na cirurgia do tipo aberta (38,5%) do que endovascular (21,5%). Entre os fatores de maior influência para intercorrência há a idade do paciente (30,8%) na cirurgia endovascular e o sexo masculino e hipertensão arterial sistêmica (ambos 34,2%) na cirurgia aberta. Além disso, há maior probabilidade de óbito na cirurgia aberta, com 13 eventos dentro de 30 dias a cada 40 procedimentos. Discussão: o método cirúrgico em que há melhores desfechos da morbimortalidade intra e peri operatória da cirurgia na correção do aneurisma de Aorta abdominal é o endovascular. Este representa menores taxas de intercorrências e mortalidade frente a via convencional. Conclusão: O paciente crítico apontado neste estudo mais propenso a intercorrências durante cirurgias endovasculares foi uma mulher, com idade entre 61-80 anos, com doença coronariana, dislipidemia e tabagista. Já para o tipo aberto, foi um homem, com hipertensão arterial sistêmica e dislipidemia, com idade entre 60-79 anos.

References

Robbins, Patologia Básica / Vinay Kumar... [et al] ; [tradução de Claudia Coana... et al.]. - Rio de Janeiro : Elsevier, 2013. 928 p. : il.ISBN 978-85-352-6294-0;

RASSLAN, R.G.J. Joaquim, M.C.C. Marcel ; Clínica Cirúrgica USP. 1ªed. São Paulo: Manole, 2008. 2. v., il ISBN 9788520424957;

CARNEVALE, Francisco César. Tratado de radiologia intervencionista e cirurgia endovascular. Rio de Janeiro: ThiemeBrazil, 2017. Livro. (1 recurso online). ISBN 9788567661902.

Cho JS, Gloviczki P, Martelli E, Harmsen WS, Landis ME, Cherry KJ Jr, Bower TC, Hallett JW Jr. Long-term survival and late complications after repair of ruptured abdominal aortic aneurysms. J Vasc Surg. 1998 May;27(5):813-9; discussion 819-20. doi: 10.1016/s0741-5214(98)70260-5. PMID: 9620132. DOI: https://doi.org/10.1016/S0741-5214(98)70260-5

Parodi, J. C., Palmaz, J. C., Barone, H. D. Transfemoral intraluminal graft implantation for abdominal aortic aneurysms. AnnVasc Surg. 1991; 5:491–499; DOI: https://doi.org/10.1007/BF02015271

BEAUCHAMP, Jeanete; EVERS, B. Mark; MATTOX, Kenneth L. (coautor 2). Sabiston tratado de cirurgia: as bases biológicas da prática cirúrgica moderna. 18. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. 2 v., il. ISBN 9788535227086.

Greenhalgh RM, Brown LC, Kwong GP, et al. Comparison of endovascular aneurysm repair with open repair in patients with abdominal aortic aneurysm (EVAR trial 1), 30-day operative mortality results: randomised controlled trial. Lancet. 2004;364:843-8; DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(04)16979-1

Harris PL, Vallabhaneni SR, Desgranges P, et al. Incidence and risk factors of late rupture, conversion, and death after endovascular repair of infrarenal aortic aneurysms: the EUROSTAR experience. European Collaborators on Stent/graft techniques for aortic aneurysm repair. J Vasc Surg. 2000;32:739-49; DOI: https://doi.org/10.1067/mva.2000.109990

Prinssen M, Verhoeven EL, Buth J, et al. A randomized trial comparing conventional andendo-vascular repair of abdominal aortic aneurysms. N Engl J Med. 2004;351:1607-18 DOI: https://doi.org/10.1056/NEJMoa042002

Mendonça CT, Moreira RCR, Timi JRR, et al. Comparação entre os tratamentos aberto e endovascular dos aneurismas da aorta abdominal em pacientes de alto risco cirúrgico. J Vasc Bras. 2005;4:232-42; DOI: https://doi.org/10.1590/S1677-54492005000300004

lt, T. J., Lederle, F. A., Macdonald, R., et al. Comparison of endovascular and open surgical repairs for abdominal aortic aneurysm. Evid Rep Technol Assess (Full Rep). 2006; 144:1–113.

Almeida BL, Kambara AM et al. Embolização por micronavegação para tratamento de Endoleak tipo 2 persistente após reparo endovascular do aneurisma de aorta abdominal. J Vasc Bras. 2014; 13(4):266-271 DOI: https://doi.org/10.1590/1677-5449.0110

JESUS-SILVA, S. G. DE . et al.. Fatores de risco associados e sobrevida em curto e médio prazo de pacientes submetidos a correção aberta e endovascular de aneurisma de aorta abdominal. Jornal Vascular Brasileiro, v. 17, n. 3, p. 201–207, jul. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1677-5449.011717

PINELO, Andreia F. B.; OLIVEIRA, Maria J.; SILVA, Ivone F. S.. Abordagem aos Endoleaks tipo II - Uma Revisão Sistemática dos últimos 5 anos de literatura. Angiol Cir Vasc, Lisboa , v. 18, n. 2, p. 75-80, ago. 2022 . Disponível em <http://scielo.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646706X2022000200075&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 26 out. 2023. Epub 30-Ago-2022. https://doi.org/10.48750/acv.415.

TEIVELIS, M. P. et al. Surgical repair of abdominal aortic aneurysms on the public health system in the largest city in Brazil: a descriptive analysis of in-hospital data on 2693 procedures over 10 years. Jornal Vascular Brasileiro, v. 21, p. e20210087, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1677-5449.202100872

METZGER, P. B. et al.. Tratamento endovascular dos aneurismas da aorta abdominal com anatomia complexa: resultados preliminares com a segunda geração de endoprótese com arcabouço metálico circular. Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva, v. 20, n. 1, p. 69–76, jan. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S2179-83972012000100014

Published

2023-11-16

How to Cite

Dente, R. O., da Costa, L. L. A., Brunheroto, V., Villela, M. F. K., do Val, A. L., Lioi, P. C., Degiovani, R. M., Almeida, R. L., & Castilho, L. G. dos S. I. (2023). CIRURGIA ENDOVASCULAR E ABERTA E A MORBIMORTALIDADE PERI-OPERATÓRIA DO TRATAMENTO CIRÚRGICO NO ANEURISMA AORTO-ILÍACO EM HOSPITAL REGIONAL DO VALE DO PARAÍBA. Revista Contemporânea, 3(11), 21744–21763. https://doi.org/10.56083/RCV3N11-094

Issue

Section

Articles