VULNERABILIDADE SOCIAL E DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS: O PAPEL DA GESTÃO E DAS POLÍTICAS EM SAÚDE

Authors

  • Ana Flavia Rodrigues da Silva
  • Francisco Ronner Andrade da Silva
  • Filipe Bueno Felicio
  • Pámella Arrais Vilela
  • Ana Claudia Rodrigues da Silva
  • José Vicente Santos Neto
  • Daniela de Souza Silva
  • Laura Stefanny Gomes de Carvalho
  • Natália Marques Vasconcelos
  • Mérlim Fachini
  • Luiz Cláudio Oliveira Alves de Souza

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-106

Keywords:

Vulnerabilidade Social, Gestão em Saúde, Doenças Não Transmissíveis, Políticas de Saúde

Abstract

A gestão em saúde e as políticas públicas desempenham um papel vital na abordagem das doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) em contextos de vulnerabilidade social. Este artigo pretende analisar qual o papel da gestão e das políticas em saúde no enfrentamento das DCNTs, no contexto de vulnerabilidade social. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, feita entre os meses de setembro e outubro de 2023, nas bases de dados SciELO, BVS e Google Acadêmico. Foram encontrados inicialmente 128 estudos, porém, com os critérios de exclusão definidos e aplicados, apenas 10 estudos foram escolhidos para compor a amostra final. Ao criar estratégias acessíveis de prevenção, diagnóstico e tratamento, essas medidas visam reduzir as desigualdades de saúde, proporcionando ações efetivas para populações em situação vulnerável, e garantindo acesso equitativo a serviços e informações, contribuindo para mitigar o impacto dessas doenças em comunidades desfavorecidas. Conclui-se que, a  abordagem da Gestão e das Políticas em Saúde desempenha um papel crucial no enfrentamento das DCNTs, direcionando ações de prevenção, monitoramento e avaliação de doenças, promoção e acesso aos cuidados, gestão de recursos, capacitação profissional e intersetorialidade.

References

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016. p. 60-80. Acesso em: 17 set. 2023.

BIDINOTTO, D. N. P. B.; SIMONETTI, J. P.; BOCCHI, S. C. M. Men's health: non-communicable chronic diseases and social vulnerability. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 24, p. e2756, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1518-8345.0735.2756. Acesso em: 05 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1518-8345.0735.2756

BOTELHO, L. L. R.; CUNHA, C. C. A.; MACEDO, M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e Sociedade, v. 5, n. 11, p. 121-136, 2011. Acesso em: 15 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.21171/ges.v5i11.1220

CARVALHO, Q. H. de; SILVA, A. G. da; SANTOS, D. P. dos; MALTA, D. C. Doenças crônicas não transmissíveis e seus fatores de risco na população beneficiária do Programa Bolsa Família: Uma revisão integrativa. REME-Revista Mineira de Enfermagem, [S. l.], v. 27, 2023. DOI: 10.35699/2316-9389.2023.38556. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/38556. Acesso em: 16 set. 2023.

ESTRELA, C. (Org.). Metodologia científica: ciência, ensino, pesquisa. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2018. E-book. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788536702742/cfi/1!/4/[email protected]:63.5. Acesso em: 15 set. 2023.

FERREIRA, A. C. M. et al. Association of child labor with risk and protective factors for Chronic Noncommunicable Diseases in Brazilian schoolchildren: National School Health Survey 2015. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 26, p. e230012, 2023. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbepid/a/bbXPjBpTG5pvCfnFQ6FNw8r/. Acesso em: 1 out. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720230012.supl.1

GUIMARÃES, C. B.; PEREIRA, C. C. Q. Infância e práticas alimentares: estudo bioético sobre vulnerabilidade e risco. Revista Bioética, v. 28, n. 2, p. 288–296, abr. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-80422020282391. Acesso em: 10 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-80422020282391

LIMA, L. P. de; LIMA, K. C. O. de; BERTOLOZZI, M. R.; FRANÇA, F. O. de S. Vulnerabilities of Arab refugees in primary health care: a scoping review. Revista de Saúde Pública, [S. l.], v. 56, p. 15, 2022. DOI: 10.11606/s1518-8787.2022056003691. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/196410. Acesso em: 10 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2022056003691

MALTA, D. C. et al. O SUS e a Política Nacional de Promoção da Saúde: perspectiva resultados, avanços e desafios em tempos de crise. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 6, p. 1799–1809, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04782018. Acesso em: 06 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04782018

MENDES, K. D. S; SILVEIRA, R. C. C. P; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm., v. 17, n. 4, p. 758-764, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018. Acesso em: 05 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

MELO, S. P. DA S. DE C. et al. Doenças crônicas não transmissíveis e fatores associados em adultos numa área urbana de pobreza do nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 8, p. 3159–3168, ago. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018248.30742017. Acesso em: 1 out. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018248.30742017

MELO, L. C. et al. Inter-professional relationships in the Family Health Strategy: perception of health management. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 75, n. 3, p. e20210636, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2021-0636. Acesso em: 8 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2021-0636

MENDONÇA, F. DE F. et al.. As mudanças na política de atenção primária e a (in)sustentabilidade da Estratégia Saúde da Família. Saúde em Debate, v. 47, n. 137, p. 13–30, abr. 2023. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-1104202313701I. Acesso em: 06 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104202313701i

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

SANTOS, R. S. DE A. F. DOS . et al.. Rede de Atenção à Saúde ao portador de Diabetes Mellitus: uma análise da implantação no SUS em Recife (PE). Saúde em Debate, v. 39, n. spe, p. 268–282, dez. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.5935/0103-1104.2015S005368. Acesso em: 19 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-1104.2015S005368

SERRA, R. M. et al.. Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis no sistema prisional: um desafio para a saúde pública. Ciência & Saúde Coletiva, v. 27, n. 12, p. 4475–4484, dez. 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320222712.10072022. Acesso em: 01 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320222712.10072022

SILVA, T.P.R, et al., The association between multiple cardiovascular risk factors and overweight in Brazilian adolescents: an analysis based on the grade of membership. Ciênc saúde coletiva. 2023;28(7):1937–48. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232023287. Acesso em: 05 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232023287.17402022

SILVA, D. S. M. DA . et al.. Doenças crônicas não transmissíveis considerando determinantes sociodemográficos em coorte de idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 25, n. 5, p. e210204, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-22562022025.210204.pt. Acesso em: 23 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-22562022025.210204.en

SZWARCWALD, C. L.; STOPA, S. R.; MALTA, D. C. Situação das principais doenças crônicas não transmissíveis e dos estilos de vida da população brasileira: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013 e 2019. Cadernos de Saúde Pública, v. 38, p. e00276021, 2022. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311XPT276021. Acesso em:19 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311xen276021

TRINTINAGLIA, V.; BONAMIGO, A. W.; AZAMBUJA, M. S. de. Políticas Públicas de Saúde para o Envelhecimento Saudável na América Latina: uma revisão integrativa. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, [S. l.], v. 35, p. 15, 2022. DOI: 10.5020/18061230.2022.11762. Disponível em: https://ojs.unifor.br/RBPS/article/view/11762. Acesso em: 1 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2021.11762

VIEIRA, S. L. et al.. Ações de educação permanente em saúde em tempos de pandemia: prioridades nos planos estaduais e nacional de contingência. Ciência & Saúde Coletiva, v. 28, n. 5, p. 1377–1386, 2023. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232023285.11252022. Acesso em: 19 set. 2023. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232023285.11252022en

Published

2023-10-23

How to Cite

da Silva, A. F. R., da Silva, F. R. A., Felicio, F. B., Vilela, P. A., da Silva, A. C. R., Santos Neto, J. V., Silva, D. de S., de Carvalho, L. S. G., Vasconcelos, N. M., Fachini, M., & de Souza, L. C. O. A. (2023). VULNERABILIDADE SOCIAL E DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS: O PAPEL DA GESTÃO E DAS POLÍTICAS EM SAÚDE. Revista Contemporânea, 3(10), 18620–18633. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-106

Issue

Section

Articles