PSICOTERAPIA COMO SUPORTE EMOCIONAL EM SITUAÇÕES DE LUTO NÃO RECONHECIDO

Authors

  • Michel Cleiton Andersson Daversa

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N11-105

Keywords:

Psicoterapia, Psicologia Clínica, Luto Não Reconhecido, Luto, Perda

Abstract

O luto é um processo natural de elaboração de uma perda, seja esta real ou simbólica. Contudo, algumas perdas não são reconhecidas ou validadas pela sociedade, o que pode levar o enlutado a inibir ou adiar o seu luto, suscitando em profundo sofrimento psíquico. O presente artigo trata-se de uma revisão bibliográfica, de abordagem qualitativa, que se propôs a investigar como a psicoterapia pode auxiliar pacientes em situação de luto não reconhecido. O luto é tanto um processo singular e individual quanto social. Todavia, observa-se que as regras sociais determinam a expressão e a vivência do pesar e do luto e, diante de uma perda não validada socialmente, o enlutado pode defrontar-se com a solidão, pois não pode contar com o suporte social adequado. Como consequência, a vivência e as reações consideradas comuns no processo do luto são inibidas ou negadas, resultando e um sofrimento ainda maior. Neste sentido, o suporte psicológico especializado pode contribuir com a elaboração do luto. Fundamentado na ética profissional, nos métodos e técnicas psicológicas, mas, sobretudo, na escuta empática, no acolhimento incondicional, no respeito e no afeto, o psicoterapeuta possibilita e encoraja o enlutado a expressar os pensamentos e sentimentos relativos à perda, o que contribui substancialmente para a ressignificação da perda e reorganização emocional e funcional do indivíduo. Espera-se que o presente estudo contribua com o aperfeiçoamento e o desenvolvimento de intervenções psicológicas adequadas aos pacientes em situação de luto não reconhecido. 

References

BOWLBY, J. Apego – a natureza do vínculo. 1.v, 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BOWLBY, J. Separação – angústia e raiva. 2.v, 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BOWLBY, J. Perda – tristeza e separação. 3.v, 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CASELATTO, G. (Org.). Dor silenciosa ou dor silenciada? – perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade. 3.ed. Niterói: PoloBooks, 2015

CASELATTO, G. (Org.). O resgate da empatia – suporte psicológico ao luto não reconhecido. São Paulo: Summus, 2015

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP n.º 13/2022 – Dispõe sobre as diretrizes e deveres para o exercício da psicoterapia por psicóloga e por psicólogo. Disponível em: < https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-13-de-15-de-junho-de-2022-408911936>. Acesso em 03.Out.2023

DOKA, K. J. Disenfranchised grief: recognizing hidden sorrow. Lexington: Lexington, 1989.

DOKA, K. J. (Org.) Disenfranchised grief: new directions, challenges and strategies for practice. Illinois: Research Press, 2002.

FISCHER, J. M. K. et al. Caderno de tanatologia. Curitiba: Unificado, 2007.

FONSECA, R. C. V. Como elaborar projetos de pesquisa e monografias. Curitiba: Imprensa Oficial, 2007.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. 9.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

PARKES, C. M. Luto – estudos sobre a perda na vida adulta. 3.ed. São Paulo: Summus, 1998.

SANTOS, F. S. (E.); SCHLIEMANN, A. L.; SOLANO, J. P. C. Tratado brasileiro sobre perdas e luto. São Paulo: Atheneu, 2014.

SOARES, E. G. B.; MAUTONI, M. A. A. G. Conversando sobre o luto. São Paulo: Ágora, 2013.

VIORST, J. Perdas necessárias. 5.ed. São Paulo: Melhoramentos, 2016.

WORDEN, J. W. Aconselhamento do luto e terapia do luto – um manual para profissionais de saúde mental. 4.ed. São Paulo: Roca, 2013.

Published

2023-11-17

How to Cite

Daversa, M. C. A. (2023). PSICOTERAPIA COMO SUPORTE EMOCIONAL EM SITUAÇÕES DE LUTO NÃO RECONHECIDO. Revista Contemporânea, 3(11), 22004–22024. https://doi.org/10.56083/RCV3N11-105

Issue

Section

Articles