QUALIDADE DE VIDA E NÍVEIS DE ESTRESSE OCUPACIONAL DE FISIOTERAPEUTAS INSERIDOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA REFERENTES À COVID-19

Authors

  • José Erivonaldo Ferreira Paiva Júnior
  • Natasha Felipe da Silva
  • Isabelly Barbosa Melo
  • Estefany Vitoria Fernandes Maia
  • Lucas Gomes dos Santos Brito
  • Joyce Evely Souza Soares
  • Yanko Randes Firmino Duarte

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-074

Keywords:

Fisioterapeutas, Unidades de Terapia Intensiva, Coronavírus, Saúde Mental, Saúde do Trabalhador

Abstract

No ano de 2019 o mundo se assustou com o surgimento de um novo vírus, altamente transmissível e com um índice de mortalidade considerável, o coronavírus. Pode-se observar uma grande quantidade de pessoas infectadas e ao mesmo tempo em que as infecções aumentavam, o número de leitos também crescia e o número de profissionais da saúde também. Nesse sentido, os fisioterapeutas desempenham um papel primordial nesses doentes, além disso, os trabalhadores, em especial os fisioterapeutas, que enfrentaram o surto da corona vírus estão foram expostos diariamente aos riscos que esse vírus causa, não apenas inerentes ao contato com o patógeno, mas também perigos emocionais, físicos, que somados ao ambiente estressante da UTI. Tendo como objetivos entender se existe implicação nos níveis de estresse ocupacional e qualidade de vida de fisioterapeutas que estão inseridos em unidades de terapia intensiva referentes ao coronavírus na região metropolitana de João Pessoa; e como objetivo específico problematizar quais processos podem causar alterações nos níveis de estresse ocupacional e qualidade de vida. Pode-se observar que existem alterações dos níveis de estresse e qualidade de vida dos fisioterapeutas que atuam nas UTIs covid-19 em decorrência do aumento de pacientes, da jornada de trabalho, do número de atendimentos, do medo de se contaminar e contaminar familiares.

References

AFONSO, J. M. P., & GOMES, A. R. Stress ocupacional na função pública: Um estudo comparativo entre colaboradores de uma autarquia local. Atas do 9º congresso nacional de psicologia da saúde (pp. 14-21). Lisboa: Placebo, Editora Lda. 2012.

ARAGÃO, F.; Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Práxis. Centro Universitário de Volta Redonda – UniFOA, ano III, nº 6, agosto 2011.

ASSOBRAFIR. Reconhecimento da especialidade profissional fisioterapia em terapia intensiva e papel do fisioterapeuta. 2017. Disponível em: <https://assobrafir.com.br/reconhecimento-da-especialidade-profissional-fisioterapia-em-terapia-intensiva-e-papel-do-fisioterapeuta/> acesso em: 22/03/2023.

BOGOCH, I. I., WATTS A., THOMAS-BACHLI A., HUBER C., KRAEMER M. U. G., KHAN K. Potential for global spread of a novel coronaviru from China. J Travel Med. 27(2):taaa011. 2020 DOI: https://doi.org/10.1093/jtm/taaa011

BROOKS S. K., WEBSTER R. K., SMITH L. E., WOODLAND L., WESSELY S., GREENBERG N., et al. The psychological impact of quarantine and how to reduce it: rapid review of the evidence. Lancet [Internet]. 395(10227):912–20. 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30460-8

BRASIL. PROJETO DE LEI N.º 1.985, DE 2019. Disponível em <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=68CF987B14D316F17CB89054D5A3681A.proposicoesWebExterno1?codteor=1737040&filename=Avulso+PL+1985/2019#:~:text=Art.,(vinte%20e%20quatro)%20horas.> Acesso em: 26/03/2023.

COFFITO. Legislação que regulamenta a atividade da Fisioterapia. Disponível em acesso em: 22/03/2023.

CARREGARO, R. L.; TRELHA C. S.; MASTERALI H. J. Z. Distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em fisioterapeutas: revisão da literatura. Fisioterapia e Pesquisa. São Paulo. 2006.

CURZEL, J., FORGIARINI JUNIOR, L. A., RIEDER, M. M. Avaliação da independência funcional após alta da unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. Cap 25(2), pag 93-98. Porto Alegre. 2013. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-507X.20130019

DIAS F. M., SANTOS J. F. C., ABELHA L., LOVISI G. M. O estresse ocupacional e a síndrome do esgotamento profissional (burnout) em trabalhadores da indústria do petróleo: uma revisão sistemática. Ver Bras de Saúde Ocupacional. v.41. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6369000106715

FARINHA K.O.; ALMEIDA M.S.; TRIPPO K.V. Avaliação da qualidade de vida de docentes fisioterapeutas da cidade do Salvador/Bahia. Revista Pesquisa em Fisioterapia (RPF) 2013;3(1). DOI: https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v3i1.139

FIOCRUZ. Saúde mental e atenção psicossocial na Pandemia COVID-19. Recomendações aos psicólogos para atendimento on-line. In: Saúde Md, editor. Brasil. 2020.

GASTALDI, A. C. Fisioterapia e os desafios da COVID-19. Fisioter. Pesqui. 28 (1). Jan-Mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-2950/00000028012021

GOMES, A. R. Questionário de Stresse Ocupacional – Versão Geral (QSO-VG). Relatório técnico não publicado. Braga: Universidade do Minho. 2010.

GOMES, A. R., CRUZ, J. F., CABANELAS, S. Estresse ocupacional em profissionais de saúde: Um estudo com enfermeiros portugueses. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(3), 307-318. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722009000300004

GOMES, A.R., SILVA, M.J., MOURISCO, S., MOTA, A., MONTENEGRO, N. Problemas e desafios no exercício da atividade docente: Um estudo sobre o stresse, “burnout”, saúde física e satisfação profissional em professores do 3º ciclo e ensino secundário. Revista Portuguesa de Educação. 19, 67- 93. 2006.

GUIMARÃES, F. Atuação do fisioterapeuta em Unidade de Terapia Intensiva no contexto da pandemia de COVID-19. Fisioter. mov. 33. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-5918.033.ed01

HUREMOVIC D. A Mental Health Response to Infection Outbreak. Switzerland: Springer. 2019.

MALAQUIN S., MAHJOUB Y., MUSI A., ZOGHEIB E., SALOMON A., GUILBART M. Burnout syndrome in critical care team members: a monocentric cross sectional survey. Anaesth Crit Care Pain Med. 36(4):223-8. 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.accpm.2016.06.011

MASLACH, C.; JACKSON, S.E. The measurement of esperience Burnout. Journal of Occupational Behavior, v. 2, 1981. DOI: https://doi.org/10.1002/job.4030020205

MENDES, T.N.C. UTI – Passado, Presente e Futuro. 2010. Disponível em <https://nursingreport.files.wordpress.com/2011/01/utipassado-presente-efuturo.pdf.> Acesso em: 22/03/2023.

Ministério da Saúde (a). Secretaria de Vigilância em Saúde (BR). Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública COE-nCoV. Boletim Epidemiológico 10/02/2020. [Internet] Disponível em: <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/fevereiro/13/Boletim-epidemiologico-COEcorona-SVS-13fev20.pdf> Acesso em: 22/03/2023.

Ministério da Saúde (b). Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Nota Técnica GVIMS/GGTES/ANVISA Nº 04/2020. Orientações para serviços de saúde: medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência aos casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo novo coronavírus (SARS-Cov-2). [Internet]. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/271858/Nota+T%C3%A9cnica+n+04-2020+GVIMS-GGTES-ANVISA/ab598660-3de4-4f14-8e6f-b9341c196b2>. Acesso em: 22/04/2023.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (c). CUIDADOS NO AMBIENTE DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR AO PACIENTE COM SUSPEITA OU DIAGNÓSTICO DE COVID-19, disponível em: <https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2020/May/12/Cuidados-COVID-MS-05-05-2020.pdf>. Acesso em: 22/03/2023.

MOSS M., GOOD V. S., GOZAL D., KLEINPELL R., SESSLER C. N. An official critical care societies collaborative statement: Burnout syndrome in critical care healthcare professionals: a call for action. Crit Care Med. 44(7):1414-21. 2016. DOI: https://doi.org/10.1097/CCM.0000000000001885

MOURA, K. S. et al. A Vivência do Enfermeiro em Terapia Intensiva. Estudo Fenomenológico. Revista Rene. v.12, n.2, p. 316-23, 2011. DOI: https://doi.org/10.15253/2175-6783.20110002000013

PINHEIRO, P. O QUE ACONTECE COM OS PACIENTES NA UTI. 2018. Disponível em: <https://www.mdsaude.com/2008/10/pacientes-nauti.html>. Acesso em: 21/04/2023.

PRADO, C. E. P. Estresse ocupacional: causas e consequências. Rev Bras de Medicina do Trabalho. v.14, n.3, p. 285-9. 2016. DOI: https://doi.org/10.5327/Z1679-443520163515

RODRIGUES, T. D. F. Fatores Estressores para a Equipe de Enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva. Revista Mineira de Enfermagem, v.16, n.3, p.454 – 462, 2012.

ROUQUAYROL, M.Z, ALMEIDA FILHO, N.. Epidemiologia e saúde 6ª edição, Guanabara, Rio de Janeiro. 2006.

SANTOS C. L. C., NASCIMENTO SOBRINHO C. L., BARBOSA G. B. Síndrome de Burnout em fisioterapeutas intensivistas: Uma revisão sistemática. Rev Pesq Fisioter. v. 7, n. 1, p. 103- 114. 2017 DOI: https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v7i1.1099

SILVA C. M. S., ANDRADE A. N., NEPOMUCENO B., XAVIER D. S., LIMA E., GONZALES I. Evidence-based Physiotherapy and Functionality in Adult and Pediatric patients with COVID-19. J Hum Growth Dev. 30(1):148-155. 2020. DOI: https://doi.org/10.7322/jhgd.v30.10086

SOBRINHO C. L., BARROS D. S., TIRONI M. O. S., MARQUES FILHO E. S. Médicos de UTI: prevalência da síndrome de Burnout, características sociodemográficas e condições de trabalho. Rev Bras Educ Med. 34(1):106-15. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000100013

SOUZA, V. R. et al. Estresse dos Enfermeiros Atuantes no Cuidado do Adulto na Unidade de Terapia Intensiva. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, Edição Suplementar, p. 25-28, 2012.

XIA W., SHAO J., GUO Y., PENG X., LI Z., HU D. Clinical and CT features in pediatric patients with COVID-19 infection: Different points from adults. Pediatr Pulmonol. 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/ppul.24718

Published

2023-10-16

How to Cite

Paiva Júnior, J. E. F., da Silva, N. F., Melo, I. B., Maia, E. V. F., Brito, L. G. dos S., Soares, J. E. S., & Duarte, Y. R. F. (2023). QUALIDADE DE VIDA E NÍVEIS DE ESTRESSE OCUPACIONAL DE FISIOTERAPEUTAS INSERIDOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA REFERENTES À COVID-19. Revista Contemporânea, 3(10), 18015–18032. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-074

Issue

Section

Articles