DESENVOLVIMENTO HUMANO E SOCIAL DA REGIÃO DA ZONA DA MATA MINEIRA: UMA LEITURA TÉCNICA E ESPACIALIZADA

Authors

  • Rosária Cal Bastos
  • Maria das Dôres Saraiva de Loreto
  • Magnus Luiz Emmendoerfer
  • Gustavo Bruno Pereira de Souza

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-039

Keywords:

Indicadores Socioeconômicos, Desenvolvimento, Regional, Humano, Municipal

Abstract

Este trabalho teve como objetivo identificar a configuração socioeconômica dos munícipios da Zona da Mata Mineira sob uma perspectiva descritiva espacial. Para tanto, a partir de dados documentais foram analisadas diferenças e similaridades de indicadores de desenvolvimento socioeconômico dos munícipios da mesorregião em estudo com apoio de softwares especializados. A utilização das técnicas de leitura técnica e espacializada agrega valor nas análises proposta, propiciando a eficiência na obtenção, agrupamento, atualização, e cruzamento dos dados necessários para o debate. Além de permitir a visualização dos dados por intermédio de mapas temáticos que possibilitou uma análise mais robusta dos resultados, ajudando a tornar o conteúdo mais explícito e possibilitando a compreensão das diversas contextualidades da região/território. Os principais resultados demonstraram a existência de disparidades municipais, principalmente, a partir de indicadores de desenvolvimento humano e sociais, encontrado no PIB, Renda e IFDM. Portanto, observa-se que coexistem carências relevantes que afetam possivelmente milhares de famílias, como baixa renda, PIB baixo, agropecuária local insuficiente, infraestrutura inadequada para atender a população e ausência de políticas públicas regionais.

References

ANDRADE, Rômulo Garcia de. Formação de Estruturas Agrarias e seu dinamismo na Zona da Mata Mineira (Juiz de Fora e Muriaé, século XIX). 2006. In: Anais do XII Seminário sobre a Economia Mineira. Disponível em: https://ideas.repec.org/h/cdp/diam06/054.html. Acesso em: 21 fev. 2021.

BARROS NETO, Júlio Francisco; ALEXANDRE, João Welliandre Carneiro; FREITAS, Sílvia Maria de; MAGALHÃES, Tiago Maia. Análise Espacial: Um Estudo sobre Indicadores Socioeconômicos dos Municípios do Estado do Ceará. Em: XXIX Nacional Encontro de Engenharia de Produção - Engenharia de Produção e Desenvolvimento Sustentável: Integrando Tecnologia e Gerenciamento. Salvador, BA, Brasil, 6 a 9 de outubro de 2009.

BASTOS, R. C. Avaliação da efetividade do projeto de aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar no município de Coimbra, MG. 2017. 170f. Dissertação (Mestrado em Economia Doméstica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2017.

BLASENHEIM, P. As ferrovias de Minas Gerais no século dezenove. Locus - Revista de História, Juiz de Fora, v. 2, n.2, p.81-110, 1996.

BRASIL. Plano Estratégico de Desenvolvimento Econômico Territorial (PEDET) para 33 municípios pertencentes à microrregião do Vale do Piranga e microrregião da Zona da Mata Norte do Estado de Minas Gerais. Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas gerais, setembro de 2014. Disponível em: http://www.ippds.ufv.br/wp-content/uploads/2020/10/Relat%C3%B3rio-Produto-IV.pdf. Acesso em: 02 fev. 2021.

CARRARA, A. A. Estruturas Agrárias e Capitalismo: contribuição para o estudo da ocupação do solo e da transformação do trabalho na zona da Mata mineira (séculos XVIII e XIX). Mariana: UFOP/ Departamento de História, Núcleo de História Econômica e Demográfica. Série Estudos 2. 1999. Disponível em: https://www.ufjf.br/hqg/files/2009/10/Estrut-texto.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

CARRARA, A. A. As zonas da Mata de Minas Gerais. In: Seminário de história econômica e social da zona da mata mineira, Juiz de Fora. Anais Seminário de história econômica e social da zona da mata mineira Juiz de Fora: Centro de Ensino Superior, 2005.

CINTRÃO, R. P. ONGs, Tecnologias alternativas e representação política do campesinato: uma análise da relação entre o Centro de Tecnologias Alternativas e os Sindicatos dos Trabalhadores Rurais na Zona da Mata Mineira. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 1996.

COELHO, Guilherme Cantanti; TÔSTO, Sérgio Gomes; GARÇON, Edlene A. M. Espacialização de indicadores socioeconômicos como subsídio ao macrozoneamento ecológico-econômico do Estado do Maranhão. In: VII Congresso Interinstitucional de Pesquisa Científica Iniciação – CIIC 2013, Campinas, São Paulo, 13 a 15 de agosto de 2013.

FIRJAN - FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Índice Firjan de desenvolvimento municipal - ano base 2016: recorte municipal, abrangência nacional. 2021. Disponível em: http://www.firjan.com.br/data/files/67/A0/18/D6/CF834610C4FC8246F8A809C2/IFDM_2018.pdf . Acesso em: 17 maio 2021.

FONSECA, S.F.; AGUIAR, H. H. Autocorrelação espacial entre indicadores socioeconômicos no Jequitinhonha e Mucuri vales. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 23, n. 3, p.619-639, 2019.

FREITAS, A. F. Construção social do cooperativismo de crédito rural solidário na Zona da Mata Mineira. 2011. 184f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural), Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2011.

GIL, A. C. Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 4. Edição, 2007.

GIOVANINI, R. R.; MATOS, R. E. S. Geohistória econômica da Zona da Mata Mineira. v. 11, p.1-25, 2004.

HAHSLER, M. et al. Package ‘arules’. 2020. Disponível em: https://cran.uib.no/web/packages/arules/arules.pdf. Acesso em 22 fev 2021.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais. 2010. Estudos & Pesquisas: informação demográfica e socioeconômica. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/ condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2012.pdf. Acesso em: 25 fev. 2021.

KASSAMBARA, A.; MUNDT, F. Package ‘factoextra’: Extract and visualize the results of multivariate data analyses. 2020. Disponível em: https://cran.r-project.org/web/packages/factoextra/factoextra.pdf. Acesso em 22 fev 2021.

NANNI, A. et al. QGIS Quantum GIS Guia do Usuário. Maio de 2012. Disponível em: https://qgis.org/downloads/manual/guia_do_usuario_174_pt_br.pdf. Acesso em 10/06/2020.

NETTO, M. M.; DINIZ, A. M. A. A formação geohistórica da Zona da Mata de Minas Gerais. Revista RAEGA - O Espaço Geográfico em Análise. Curitiba, v.12, p.21-34, 2006. http://dx.doi.org/10.5380/raega.v12i0.4811.

OLHER, B. S. Família e Educação: um estudo do desenvolvimento local da Zona da Mata Mineira. 2018. 247 f. Tese (Doutorado em Economia Doméstica) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa. 2018.

OLIVEIRA JÚNIOR, L. B. Mata mineira: um estudo sobre a exclusão social e os limites e possibilidades das políticas de desenvolvimento territorial. 2011. 329f. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG. Disponível: http://repositorio.ufla.br/handle/1/321. Acesso em: 25 fev. 2021.

OLIVEIRA, J. R. Territorialização e Redes Sociais. Saberes Agroecológicos na Zona da Mata - MG. 2010. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Viçosa. Disponível em: www.novoscursos.ufv.br/graduacao/ufv/geo/www/wp-content/uploads/2013/08/ Jaqueline-Rocha-Oliveira.pdf. Acesso em: 25 fev. 2021.

OLIVEIRA, T. J. A. Interações produtivas no estado do Tocantins: uma análise espacial. 2012. 90f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Federal do Tocantins, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Palmas, 2012.

OLIVEIRA, N. M. Transição do Norte de Goiás ao Território do Estado do Tocantins. Revista Tocantinense de Geografia, v. 7, p. 53-82, 2018.

PENA, R. F. A. Classificação do IDH dos países. Disponível em: https://alunosonline.uol.com.br/geografia/classificacao-idh-dos-paises.html. Acesso em 26 fev 2021.

PINTO, N. G. M.; CORONEL, D. A. Análise do Desenvolvimento Socioeconômico das Regiões do Rio Grande do Sul. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 15, n. 28, 2014.

PNUD - PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Human Development Report. 2019. Disponível em: http://hdr.undp.org/en/2019-report/download . Acesso em: 28 dez. 2020.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2020. Disponível em: https://www.R-project.org/. Acesso em 22 fev 2021.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. Tradução Laura Teixeira Mota. 1ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 410 p, 2000.

SEN, A. Development: Which Way Now? The Economic Journal, v. 93, n. 372, p.745-762, 1983.

SEN, A. The Concept of Development. In: CHENERY, H., SRINIVASAN, T. H. (Eds.). Handbook of Development Economics, v. 1, Elsevier Science Publishers B. V. cap.1, p.10-26, 1988.

SILVA, I. M.; SANTANA, A. C.; GOMES, S. C.; TOURINHO, M. M. Associação de dados espaciais: uma análise exploratória para desenvolvimento econômico do estado do Pará. Teoria e Evidência Econômica - Ano 17, n. 36, p. 63-79, jan./jun. 2011.

SILVA, Samoel Santos da; TEIXEIRA, Keuler Hissa; SILVA, Karine Daniele da; BARROS, Anderson de Almeida. Um Análise da Estrutura Espacial de Indicadores Socioeconômicos: Evidências sobre Aspectos do Índice de Desenvolvimento Humano, Bolsa Família e Educação em Municípios de Alagoas. 2017. Disponível em: http://consad.org.br/wp-content/uploads/2017/05/Painel-20_02.pdf. Acesso em: 14 de junho de 2021.

SILVEIRA, J. M. P. O café e a estrada de ferro Leopoldina: uma confluência de interesses – 1874 – 1898. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v.9, n.1, p.107-117, 2009.

SOUZA, J. G.; SPINOLA, N. D. Medidas do desenvolvimento económico. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 1, n. 36, 2017.

SOUZA, P. H. G. F.; MEDEIROS, M. The concentration of income at the top in Brazil. International Policy Centre for Inclusive Growth (IPC-IG), ISSN:2318-9118, 2017. Disponível em: https://ipcig.org/publication/28409 . Acesso em: 22 fev 2021

STEPHAN, I. I. C; SOARES, J. M.; RIBEIRO, I. M. F. Guido Thomaz Marlière, o" semeador" de cidades na Zona de Mata Mineira. Risco Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo (Online), n. 16, p. 50-60, 2012.

TAVARES, A. F. Entre o café e o açúcar: perfil econômico dos produtores de Visconde do Rio Branco. 2013. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2013. Disponível em: < http://repositorio.ufjf.br:8080/xmlui/handle/ufjf/1097>. Acesso em: 20 fev. 2021.

TODARO, M. P.; SMITH, S. C. Economic Development. 11 ed. New Jersey: Prentice Hall, 2009. Disponível em: < http://repositorio.ufjf.br:8080/xmlui/handle/ufjf/1097>. Acesso em: 20 fev. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA (UFJF). Agenda de Desenvolvimento da Zona da Mata. 2011. Disponível em: http://www.ufjf.br/secom/files/2011/09/Agenda-documento-Final-I-10-06-2011.pdf Acesso em: 26 fev. 2021.

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

Published

2023-10-06

How to Cite

Bastos, R. C., de Loreto, M. das D. S., Emmendoerfer, M. L., & de Souza, G. B. P. (2023). DESENVOLVIMENTO HUMANO E SOCIAL DA REGIÃO DA ZONA DA MATA MINEIRA: UMA LEITURA TÉCNICA E ESPACIALIZADA. Revista Contemporânea, 3(10), 17326–17351. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-039

Issue

Section

Articles