ENTRE A GARANTIA LEGAL E A DO DIREITO: UM PANORAMA DE TRÊS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO NO BRASIL NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

Authors

  • Andressa Camile Pellanda
  • Daniel Tojeira Cara

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-011

Keywords:

Brasil, Políticas Públicas, Fundeb, Piso, PNE

Abstract

Com a Constituição Federal de 1988 e a sanção da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBN; Lei 9394/1996), a educação alcançou um patamar de direito constitucional subjetivo, inclusive com inúmeros mecanismos de exigibilidade relativos a padrões de qualidade. Em que pese o esforço de produção legislativa posterior a 1996, em um cenário de impasses federativos, subfinanciamento e tensões entre poderes, o Brasil ainda não foi capaz de universalizar as matrículas da Educação Básica, descumprindo todo o marco legal nacional e os compromissos internacionais dos quais é signatário. O presente artigo procura analisar os hiatos entre as leis e a implementação de políticas públicas em matéria educacional, considerando os atores que incidiram na tramitação das matérias e a implementação das três principais leis educativas dos últimos dez anos, responsáveis por materializar demandas constitucionais, tanto no âmbito da ampliação de matrículas como na afirmação de padrões de qualidade: Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - Fundeb (2006 e 2007), Piso do Magistério (2008) e Plano Nacional de Educação (2014).

References

ARRETCHE, Marta. “Dossiê Agenda de Pesquisa em Políticas Públicas” in Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 18 nº 51. Fev. 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092003000100001

BAYNES, K. A critical theory perspective on civil society and the State. In: ROSENBLUM, N.; POST, R. Civil Society and government. Oxford: Pinceton University, 2000, p. 123-145. DOI: https://doi.org/10.2307/j.ctv1ddd0qb.9

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 jun. 2007.

BRASIL. Lei n° 11.738, de 16 de julho de 2008. Regulamenta a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 jul. 2008.

BRASIL. Emenda Constitucional n° 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 2006.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3º ao art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para reduzir, anualmente, a partir do exercício de 2009, o percentual da Desvinculação das Receitas da União incidente sobre os recursos destinados à manutenção e desenvolvimento do ensino de que trata o art. 212 da Constituição Federal, dá nova redação aos incisos I e VII do art. 208, de forma a prever a obrigatoriedade do ensino de quatro a dezessete anos e ampliar a abrangência dos programas suplementares para todas as etapas da educação básica, e dá nova redação ao § 4º do art. 211 e ao § 3º do art. 212 e ao caput do art. 214, com a inserção neste dispositivo de inciso VI. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 12 nov. 2009.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Adin nº 4167. Relator: Ministro Joaquim Barbosa. Dje N° 162. Brasília, 27 abr. 2011.

BRASIL. Emenda Constitucional n° 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 dez. 2016.

BRASIL. Portaria Interministerial n° 8, de 26 de dezembro de 2016. Estabelece os parâmetros operacionais para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, no exercício de 2017. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 27 dez. 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Apresentação do Fundeb: Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/financiamento/fundeb/fundeb-apresentacao. Acesso em: 29 jun. 2017a.

BRITTO, Tatiana Feitosa de. Passo a passo no Legislativo: os caminhos do Plano Nacional de Educação no Congresso Nacional. In: GOMES, Ana Valeska Amaral; BRITTO, Tatiana Feitosa de (Org.). Plano Nacional de Educação: construção e perspectivas. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara: Senado Federal, Edições Técnicas, 2015b. p. 19-40.

CANAVIEIRA, F. A educação infantil no olho do furacão: o movimento político e as contribuições da Sociologia da infância, 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Campinas, Campinas. 2010.

CARREIRA, Denise; PINTO, José Marcelino Rezende. Custo aluno-qualidade inicial: rumo à educação pública de qualidade no Brasil. São Paulo: Global; Campanha Nacional pelo Direito à Educação, 2007.

COHEN, B. The press and foreign policy. New York: Harcourt, 1963. DOI: https://doi.org/10.1515/9781400878611

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos da teoria geral do Estado, São Paulo: Saraiva, 2013.

DI PIERRO, M. C. O impacto da inclusão da Educação de Jovens e Adultos no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica: um estudo em municípios paulistas Em Aberto/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Brasília, v. 1, n. 1, p. 119-130, jun. 2015.

DYE, Thomas. Policy Analysis: What Governments Do, Why They Do It, and What Difference It Makes. The University of Alabama Press, 1972.

EICKELBERG, A. Framing, Fighting and Fraldas pintadas: the learnings and teachings of the Brazilian Campaign for the Right to Education. University of Amsterdam. International School for Humanities and Social Sciences. 2009.

EVANGELISTA, Olinda; LEHER, Roberto. Todos pela Educação e o episódio Costin no MEC: A pedagogia do capital em ação na política educacional brasileira. Trabalho Necessário, Rio de Janeiro, Ano 10, Nº 15/2012. DOI: https://doi.org/10.22409/tn.10i15.p6865

FINEDUCA & CAMPANHA NACIONAL PELO DIREITO À EDUCAÇÃO (Brasil). A aprovação da PEC 241 significa estrangular a educação pública brasileira e tornar letra morta o Plano Nacional de Educação 2014-2024. São Paulo, 2016, p. 9. (1/2016). Disponível em: http://campanha.org.br/wp-content/uploads/2016/10/NotaFINEDUCA_01_2016_final..pdf. Acesso em: 29 jun. 2017.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. In: Educação & Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000200004

GHANEN, E. As ONGs e a responsabilidade governamental com a escola básica no Brasil. Campinas: Pro-Posições. 2012, vol.23, n.2, pp. 51-65. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73072012000200005

HABERMAS, J. Between Facts and Norms. Cambridge: MIT Press, 1996. DOI: https://doi.org/10.7551/mitpress/1564.001.0001

HILGARTEN, S; BOSK, C.L. The rise and fall of social problems: A public arenas model. American Journal of Sociology, 1988. v. 94, pp 53–78. DOI: https://doi.org/10.1086/228951

HOWLETT, Michael; RAMESH, M.; PERL, Anthony. Política pública: seus ciclos e subsistemas– uma abordagem integral. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

JACOBI, P. Estado e educação: o desafio de ampliar a cidadania. In Educar em Revista. Curitiba. 2008, n.31, pp. 113-127. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40602008000100008

JENKINS, William. Policy Analysis: a political and organization perspective. Londres: Martin Robertson, 1978.

LASSWELL, Harold. Politics: Who Gets What, When, How. Cleveland, Meridian Books, [1963] 1988.

LIPPMANN, W. Public opinion. New York: Harcourt, 1922.

MACHADO, Elo. Participação social no Supremo Tribunal Federal. In: AÇÃO EDUCATIVA, (Ed.). Em Questão 7 - A lei do Piso Salarial no STF. São Paulo: Ação Educativa, 2011. p. 31-35.

MARTINS, P. S. A legislação do Fundeb. Cad. Pesqui., São Paulo, v. 38, n. 134, p. 319-340, ago. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742008000200004

MARTINS, Paulo Sena. O financiamento da educação básica por meio de fundos contábeis: estratégia política para a equidade, a autonomia e o regime de colaboração entre os entes federados. 338 f. Tese (Doutorado) - Curso de Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

MARTINS, Paulo Sena. Fundeb, federalismo e regime de colaboração. Campinas: Autores Associados, 2011.

MARTINS, E. “Movimento todos pela educação”: um projeto de nação para a educação brasileira. 2013. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação. Universidade de Campinas. 2013.

MARTINS, Paulo Sena. A PEC n° 15/2015 e o novo Fundeb. Brasília: Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados, 2015a. 18 p.

MARTINS, Paulo Sena. O financiamento da educação no PNE 2014-2024. In: GOMES, Ana Valeska Amaral; BRITTO, Tatiana Feitosa de (Org.). Plano Nacional de Educação: construção e perspectivas. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara: Senado Federal, Edições Técnicas, 2015b. p. 167-192.

NELSON, Barbara J. “Public Policy and Administration: An Overview”. In Goodin, Robert E. e Klingemann, Hans-Dieter (eds). A New Handbook of Political Science. Oxford: Oxford University Press, 1998.

OPPENHEIMER, Andrés. Basta de Histórias! A obsessão latino-americana com o passado e as 12 chaves do futuro. Rio de Janeiro, Objetiva, 2010.

PINTO, J. M. S. O Fundeb na perspectiva do custo aluno qualidade. Em Aberto/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Brasília, v. 1, n. 1, p.101-118, jun. 2015.

POULANTZÁS, Nícos. O Estado, o Poder, o Socialismo. São Paulo, Graal, 2000.

SIMIELLI. Lara E. Coalizões em educação no Brasil: a pluralização da sociedade civil na luta pela melhoria da educação pública. Fundação Getúlio Vargas. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. (Dissertação de Mestrado), São Paulo, 2008.

SOUZA, Celina. “Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul./dez. 2006, p. 20-45. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003

SOUZA, Marcelo Lopes de et al. Condições de ensino das escolas municipais brasileiras e o resultado da redistribuição intraestadual de recursos do Fundeb. Em Aberto/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Brasília, v. 1, n. 1, p. 85-100, jun. 2015.

VERGER, A.; NOVELLI, M. (coord.). Campaigning for “education for all”: histories, strategies and outcomes of transnational advocacy coalitions in education. Rotterdam: Sense Publishers, 2012. DOI: https://doi.org/10.1007/978-94-6091-879-7

XIMENES, Salomão. O debate sobre a Lei do Piso Salarial Nacional para o magistério no STF: avanços e desafios para o direito à educação no Brasil. In: AÇÃO EDUCATIVA, (Ed.). Em Questão 7 - A lei do Piso Salarial no STF. São Paulo: Ação Educativa, 2011. p. 07-26.

Published

2023-10-02

How to Cite

Pellanda, A. C., & Cara, D. T. (2023). ENTRE A GARANTIA LEGAL E A DO DIREITO: UM PANORAMA DE TRÊS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO NO BRASIL NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS. Revista Contemporânea, 3(10), 16752–16789. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-011

Issue

Section

Articles