AÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NAS INTERCORRÊNCIAS DURANTE A SESSÃO DE HEMODIÁLISE

Authors

  • Erick Michell Bezerra Oliveira
  • Ericka Michelly Bezerra Oliveira
  • Julianne de Area Leão Pereira da Silva
  • Aldileia Lima Costa Miranda
  • Mayanny Araujo Coimbra
  • Rubenilson Luna Matos
  • Juliana Penha Câmara Castelo
  • Maria Alice Pinheiro Saulnier de Pierrelevée

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-007

Keywords:

Equipe de Enfermagem, Intercorrências, Sessão de Hemodiálise

Abstract

INTRODUÇÃO: A hemodiálise é a terapia mais usufruída para o tratamento renal, estabelecida no Brasil na década de 1950. Refere-se a um método que foi projetado para purificação de soluções parcialmente reduzidas, como a ureia e eletrólitos. OBJETIVO: Descrever como a equipe de enfermagem atua nas intercorrências durante a sessão de hemodiálise. METODOLOGIA: O presente estudo foi conduzido por uma pesquisa de campo com conduta quanti-qualitativa do tipo descritivo-exploratório, transversal. Visando descrever a atuação da equipe de enfermagem nas intercorrências durante a sessão de hemodiálise. Resultados: Foram entrevistados vinte e dois enfermeiros e técnicos em enfermagem do Centro de Hemodiálise da cidade de Caxias – MA, sendo seis do sexo masculino e dezesseis do sexo feminino, com faixa etária entre 22 e 59 anos. O tempo de atuação profissional dos enfermeiros e técnicos em enfermagem contempla de 3 a 30 anos. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Foram entrevistados vinte e dois profissionais, sendo enfermeiros e técnicos em enfermagem do Centro de Hemodiálise da cidade de Caxias – MA. A idade dos entrevistados variou de 22 a 59 anos. Quanto ao sexo, 6 (27,27%) eram do sexo masculino e 16 (72,72%) do sexo feminino. O tempo de atuação profissional dos enfermeiros e técnicos em enfermagem contempla de 3 a 30 anos. Todos os 22 (100%) entrevistados, se consideram aptos para intervirem durante a sessão de hemodiálise. Porém 95,45% dos entrevistados acreditam que a capacitação é bem vinda para o processo profissional. Nesse aspecto faz-se importante lembrar que o conhecimento permitirá ao enfermeiro a redução dos problemas decorrentes da cronicidade da doença. A equipe deve ter conhecimento sobre as medicações utilizadas, atentando-se para os efeitos das drogas. CONCLUSÃO: O estudo demonstrou a importância do enfermeiro e técnico em enfermagem no tratamento da hemodiálise, seja pela sua participação ativa no processo assistencial, desenvolvendo cuidados primordiais ao processo terapêutico ou pela capacidade desta profissional de interagir, o manejo direto e constante com tais pacientes, a fim de contemplar os mais diversos aspectos oriundos ao processo vivenciado por estes.

References

ANDRADE, A. S., et al. Fatores associados à qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. Enfermagem em Foco, v. 12, n. 1, 2021. DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n1.3451

BREZOLIN, C. A., et al. Nursing diagnoses for hemodialytic patients: integrative review. Rev Enferm UFPI, v. 8, n. 1, 2019. DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.8161-67

CAPLIN, B; KUMAR, S.; DAVENPORT, A. Patients’ perspective of haemodialysis-associated symptoms. Nephrol Dial Transplant, v. 26, n. 8, p. 2656-2663, 2022 DOI: https://doi.org/10.1093/ndt/gfq763

CRUZ, C. G. R.; OLIVEIRA, S d C. Terapia renal substitutiva. 1ª. ed. São Paulo: Fundap; 2012.

FREITAS, E. A d., et al. Assistência de enfermagem visando a qualidade de vida dos pacientes renais crônicos na hemodiálise. Revista de Iniciação Científica e Extensão, v. 1, n. 2, p. 114-121, 2018.

FREITAS, M. A. A., et al. Insuficiência renal crônica: o impacto da hemodiálise na qualidade de vida do idoso. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 6, p. 27998-28004, 2021. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n6-351

FERREIRA, B. C. A., et al. As dificuldades encontradas pelos pacientes com insuficiência renal crônico ao iniciar o tratamento. Revista de Iniciação Científica e Extensão, v. 2, n. 4, p. 180189, 2019.

GOMES, J. P., et al. Qualidade de vida de pacientes em tratamento hemodialítico em um município da Baixada Maranhense. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 39751-39764, 2021. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-437

KICKHÖFEL, M. A., et al. Avaliação de fadiga e fatores associados em pessoas submetidas à hemodiálise. Revista Cuidarte, v. 12, n. 3, p. 15, 2021.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. DE A. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 2012.

MARINHO, I. V., et al. Intervenções de enfermagem nas complicações mais frequentes durante a sessão de hemodiálise: revisão da literatura. Rev Bras Enferm, 2015.

MASCARENHAS, V. H. A., et al. Evidências científicas sobre métodos não farmacológicos para alívio a dor do parto. Acta Paulista de Enfermagem, v. 32, p. 350-357, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-0194201900048

NASCIMENTO, C. D.; MARQUES, I. R. Intervenções de enfermagem nas complicações mais frequentes durante a sessão de hemodiálise: revisão da literatura. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 58, n. 6, p. 719-722, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672005000600017

NOBRE, D d C., et al. A Escolha Certa na Doença Renal Crônica - Um Manual para Pacientes e Familiares. 1 ed. Rio de Janeiro: Balieiro, 2017.

NONATO, M. A Escolha Certa na Doença Renal Crônica - Um Manual para Pacientes e Familiares. 1 ed. Rio de Janeiro: Balieiro, 2017

ORCI, L A. et al. Incidence of hepatocellular carcinoma in patients with nonalcoholic fatty liver disease: a systematic review, meta-analysis, and meta-regression. Clinical Gastroenterology and Hepatology, v. 20, n. 2, p. 283-292. e10, 2022. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cgh.2021.05.002

PEREIRA, G. C. Influência da ventilação mecânica sobre a função renal. 2015.

ROCHA, G. A., et al. Ações e interações de enfermagem na recuperação de portadores de insuficiência renal crônica: revisão integrativa. Research, Society And Development, v. 10, n. 7, p. 1-8, 30 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i7.16861

SANTOS, B. P., et al. Doença renal crônica: relação dos pacientes com a hemodiálise. ABCS Ciências da Saúde, v. 42, n. 1, 2017. DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v42i1.943

SANTOS, K. A. S d S., et al. O processo de enfermagem (PE)–Sistematização da assistência de enfermagem (SAE) no paciente com insuficiência renal. Revista Saúde em Foco, v. 9, p. 646-656, 2017.

SANTOS, K. A. S d S., et al. Principais intercorrências durante sessões de hemodiálise em pacientes com comorbidades. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.2, p.14066-14079, 2021. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n2-162

SILVA, M., et al. O IMPACTO DO TRATAMENTO HEMODIALITICO NO PORTADOR DE INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA. Enciclopédia Biosfera, [S.L.], v. 16, n. 30, p. 1-15, 15 dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.18677/EnciBio_2019B42

SOUSA, F. B. N.; PEREIRA, W. A.; MOTTA, E. A. Pacientes com insuficiência renal crônica em hemodiálise: tratamento e diagnóstico. Revista de Investigação Biomédica, v. 10, n. 2, p. 203-13, 2018. DOI: https://doi.org/10.24863/rib.v10i2.239

XAVIER, S. S d M., et al. Na correnteza da vida: a descoberta da doença renal crônica. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 22, p. 841-851, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0834

RIBEIRO, W. A., et al. Repercussões da hemodiálise no paciente com doença renal crônica: uma revisão da literatura. Revista Pró-UniverSUS, v. 11, n. 1, p. 88-97, 2020. DOI: https://doi.org/10.21727/rpu.v11i2.2306

Published

2023-10-02

How to Cite

Oliveira, E. M. B., Oliveira, E. M. B., da Silva, J. de A. L. P., Miranda, A. L. C., Coimbra, M. A., Matos, R. L., Castelo, J. P. C., & de Pierrelevée, M. A. P. S. (2023). AÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NAS INTERCORRÊNCIAS DURANTE A SESSÃO DE HEMODIÁLISE. Revista Contemporânea, 3(10), 16675–16696. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-007

Issue

Section

Articles