ANÁLISE DO REGIME DE FOGO NA RESERVA EXTRATIVISTA CHICO MENDES: INFLUÊNCIA E CORRELAÇÕES COM FATORES PROPULSORES

Authors

  • Jardel Anderson Freitas de Melo
  • Karla da Silva Rocha

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-069

Keywords:

Reserva Extrativista Chico Mendes, Regime do Fogo

Abstract

A Amazônia é reconhecida como a maior floresta tropical contínua do mundo e desempenha um papel essencial na regulação do clima global. No entanto, a ocorrência de incêndios na região apresenta-se como um desafio de extrema urgência, com potenciais consequências devastadoras para a biodiversidade, o meio ambiente e as comunidades locais. A Reserva Extrativista Chico Mendes (RECM), localizada no estado do Acre, destaca-se como uma das unidades de conservação ambiental federal brasileira mais ameaçadas pelo desmatamento e pela incidência de queimadas. Portanto, compreender a dinâmica do fogo e seus principais causadores nas áreas de proteção torna-se crucial para a prevenção e proteção desses locais. O objetivo deste estudo foi analisar o padrão de ocorrência do fogo, sua relação com o desmatamento e outras variáveis na RECM. Para isso, foram utilizadas técnicas de sensoriamento remoto, densidade de Kernel e análise de correlação espacial de Pearson e Moran de variáveis propulsoras com os focos de calor. Resultados indicaram que as variáveis desmatamento, altitude, distância de ramais e rodovias juntamente com fatores climáticos, como vento, umidade relativa, umidade do solo, precipitação e irradiação solar, apresentaram correlação significativa com a ocorrência de incêndios na reserva. Essas descobertas destacam a importância desses fatores na promoção do fogo na região e fornecem subsídios valiosos para o desenvolvimento de estratégias de prevenção e controle do fogo na RECM.

References

ACRE. Governo do Estado. Diagnóstico socioeconômico e cadastro da Reserva Extrativista Chico Mendes - Plano Resex Sustentável. Rio Branco: Sema, 2010.

ALLEGRETTI, M. Reservas Extrativistas: uma proposta de desenvolvimento para a floresta Amazônica. Fundação SEADE, São Paulo, v. 3, n. 4, p. 23-29.1989.

ALMEIDA, P.S., TIOSSO, A., SILVA, J.S. Análises e considerações sobre as influências do código florestal brasileiro na política nacional sobre mudança do clima: lei n° 12.651/12 e suas alterações. REA –Revista de estudos ambientais (Online). v.15, n. 2, p. 16-24, jul./dez. 2013.

ALMEIDA. M. W., ALLEGRETTI. M. H., POSTIGO. A. O legado de Chico Mendes: êxitos e entraves das Reservas Extrativistas. Edição especial: 30 Anos do Legado de Chico Mendes Vol. 48. Paraná, 2018. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/made/article/view/60499/36935>.https://doi.org/10.5380/dma.v48i0.63011>. Acesso em :10 de jul. de 2023. DOI: https://doi.org/10.5380/dma.v48i0.60499

ARAÚJO, E.; BARRETO, P.; MARTINS, H. Áreas protegidas críticas na Amazônia no período de 2012 a 2014. p. 20. Belém: IMAZON, 2015. Acesso em: 02 de jul. de 2022.

BARBOSA, D. F. Agricultura familiar e pecuária no acre: discussões a partir do PAD Pedro Peixoto. Rio Branco: UFAC, 2017. Acesso em: 20 de jul. de 2022.

BERNOUX, M.; CARVALHO, M.C.S.; VOLKOFF, B. & CERRI, C.C. CO2 emission from mineral soils following land-cover change in Brazil. Global Chang. Biol., 7:779-787, 2001. https://doi.org/10.1046/j.1354-1013.2001.00446. DOI: https://doi.org/10.1046/j.1354-1013.2001.00446.x

BRASIL. Brasil em Relevo. Embrapa monitoramento por satélite,2022.

BRASIL. LEI N° 9.985, DE 18 DE JULHO DE 2000. Brasília, 2000.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia. Inventário brasileiro das emissões e remoções antrópicas de gases de efeito estufa. Brasília, 2009.

BRASIL. Plano de Utilização da Reserva Extrativista Chico Mendes - Portaria n.° 60, de 28 de agosto de 2008. Brasília: ICMBio, 2008.

BROWN, I.F., SCHROEDER, SETZEr A., MALDONADO, M., PANTOJA, DUARTE A., MARENGO J. Monitoring fires in southwestern Amazonia rain forests. EOS, American Geophysical Union, 2006.https://doi.org/10.1029/2006EO260001. DOI: https://doi.org/10.1029/2006EO260001

CÂMARA, G.; CARVALHO, M. S.; CRUZ, O. G.; CORREA, V. Análise espacial de áreas. Análise espacial de dados geográficos, 2002.

CHUVIECO, E.; ALLGOWER, B.; SALAS, F. J. Integration of Physical and Human Factors in Fire Danger Assessment. Wildland Fire Danger Estimation and Mapping: The Role of Remote Sensing Data. 4. ed. Singapore: World Scientific Publishing, 2003. p. 197-218.https://doi.org/10.1142/9789812791177_0007. DOI: https://doi.org/10.1142/9789812791177_0007

COPERTINO, M., PIEDADE. M.T., VIEIRA, I.C., BUSTAMANTE, M. Desmatamento, fogo e clima estão intimamente conectados na Amazônia. Cienc. Cult, 2019.https://doi.org/10.21800/2317-66602019000400002.

COPERTINO, Margareth; PIEDADE, Maria Teresa Fernandez; VIEIRA, Ima Célia Guimarães and BUSTAMANTE, Mercedes. Desmatamento, fogo e clima estão intimamente conectados na Amazônia. Cienc.Cult, 2019.https://doi.org/10.21800/2317-66602019000400002. DOI: https://doi.org/10.21800/2317-66602019000400002

COSTA NETO, P. L. Estatística. São Paulo: Edgard Blücher. 266 p, 2002.

FEARNSIDE, P.M. Deforestation in Brazilian Amazonia: History, rates and consequences. 2005. Disponivel em:<https://doi.org/10.1111/j.1523-1739.2005.00697> Conservation Biology, 2005.https://doi.org/10.1111/j.1523-1739.2005.00697.

FERNÁNDEZ, J.; VEGA-GARCIA, C.; CHUVIECO, E. Human-caused wildfire risk rating for prevention planning in Spain. Journal of Environmental Management, v. 90, n. 2, p. 1241-1252, 2009.https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2008.07.005. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jenvman.2008.07.005

FILHO, D. B.; ROCHA, E. C.; SILVA, J., PARANHOS, R, NEVES, J. A., SILVA, M. B. Desvendando os Mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson: o Retorno. Leviathan, N. 8, pp.66-95, 2014.https://doi.org/10.11606/issn.2237-4485.lev.2014.132346. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2237-4485.lev.2014.132346

FONTES, C, LEITE, M. Reserva Extrativista Chico Mendes é atacada sem reação do poder público, diz Ângela Mendes. Folha de são Paulo, 2022. Disponível em: < https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2022/09/reserva-extrativista-chico-mendes-e-atacada-sem-reacao-do-poder-publico-diz-angela-mendes.shtml>.

FREIRE, F.H.M. Introdução à Estatística Espacial. Mato gross, 2012. Disponível em:< http://www.leg.ufpr.br/lib/exe/fetch.php/disciplinas:cieg:intro-areas.pdf>.

FREITAS, J.; SILVA, D.; RODRIGUES, M. Áreas protegidas en el Amazon: un análisis institucional extractiva reserva el Alto Juruá. Contribuciones a Las Ciencias Sociales, Málaga. 2016.

GARRIDO, B. Desmatamento na Amazônia cresceu 56,6% sob governo Bolsonaro. IPAM. Belém, 2022. Disponível em: < https://ipam.org.br/desmatamento-na-amazonia-cresceu-566-sob-governo-bolsonaro/>. Acesso em: 28 de ago. de 2022.

IMAZON. Boletim de desmatamento da Amazônia legal (outubro de 2014). Imazon, 2014. Disponivel em: https://imazon.org.br/boletim-do-desmatamento-da-amazonia-legal-outubro-de-2014/. Acesso em: 28 de ago. de 2022.

IMAZON. Boletim de desmatamento da Amazônia legal. Imazon, 2015. Disponível em: https://imazon.org.br/boletim-do-desmatamento-da-amazonia-legal-julho-de-2015-sad/. Acesso em: 28 de ago. de 2022.

INPE. Queimadas. Brasília. 2021. Disponível em: < https://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/portal-static/estatisticas_estados/>. Acesso em: 23 de jul. de 2022.

IPAM. Amazônia e Pampa lideram queimadas de janeiro a julho de 2022. 2022. Disponível em: <https://ipam.org.br/amazonia-e-pampa-lideram-queimadas-de-janeiro-a-julho-de-2022/>.Acesso em: set. 2022.

IPPC. Climate Change 2022: Impacts, Adaptation and Vulnerability. 2022. Disponível em:<https://www.ipcc.ch/meeting-doc/ipcc-wgii-12-and-ipcc-55/>. Acesso em: set. de 2022.

LONGLEY, P. A., GOODCHILD, M. F., MAGUIRE, D. J., RHIND, D. W. Geographic information systems and science. Chichester: John Wiley and Sons. 517 p,2005.

LUZADO, A.J., FILHO, R.M, RUBIM. I.B. Análise espacial exploratória com o emprego do índice de Moran. GEOgraphia, 2017.https://doi.org/10.22409/geographia.v19i40.673. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2017.v19i40.a13807

MACIEL, R. C., ALMEIDA A M., MENEZES, H. C. Avaliação econômica da pecuária de gado bovino na reserva extrativista (resex) chico mendes. Editora Omnis Scientia. Reserva extrativista "chico mendes" a socieconomia 25 anos depois. Triunfo, 2021. https://doi.org/10.47094/978-65-88958-54-4/26-43. DOI: https://doi.org/10.47094/978-65-88958-54-4/26-43

MARGULIS, S. Quem são os agentes do desmatamento na Amazônia e por que eles desmatam?. Brasília: Banco Mundial, 2001.

MASCARENHAS, F.S., BROWN, I. F., SILVA, S. S. Desmatamento e incêndios florestais transformando a realidade da Reserva Extrativista Chico Mendes. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Edição especial: 30 Anos do Legado de Chico Mendes Vol. 48, Paraná, 2018. https://doi.org/10.5380/dma.v48i0.58826. DOI: https://doi.org/10.5380/dma.v48i0.58826

MMA. Unidades de Conservação do Brasil: patrimônio do povo brasileiro esperança de um futuro para a humanidade. Brasília, 2007.

MOLION, L.C.B. 2005. Aquecimento global, El Niños, Manchas Solares, Vulcões e Oscilação Decadal do Pacífico. Clima Análise, CPTEC/INPE, 2005.

OLIVEIRA, U. C.; OLIVEIRA, P. S. Mapas de kernel como subsídio à gestão ambiental: análise dos focos de calor na Bacia Hidrográfica do Rio Acaraú, Ceará, nos anos 2010 a 2015. Espaço Aberto, v. 7, p.87-99, 2017. https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2017.3473. DOI: https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2017.3473

PEDROSO, N.N., MURRIETA, R.S.S.; Adams, C. A agricultura de corte e queima: sistema em transformação. Boletim Museu Paraense Emilio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, 2008.

PONTES, F. Chico, a reserva e o boi. 2015. Disponível em: http://politicanafloresta.blogspot.com.br/2015/11/chico-reserva-e-oboi.html. Acesso em: 16 de nov. de 2020.

RIBEIRO, H., ASSUNÇÃO, J.V., Efeitos das queimadas na saúde humana. Scielo Brasil, 2002. Disponível em:< https://www.scielo.br/j/ea/a/5KxLnbYV6c8kRph4Dxd49rv/?lang=pt>. Acesso em: 10 de dez. de 2022.

RIBEIRO, S., ALMEIDA, O., ÁVILA, S., OLIVEIRA, W., Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Scielo: Belo Horizonte, 2009. Disponivel em: <https://www.scielo.br/j/neco/a/jZHjd9B8ZghY7tG9G7qchTk/?lang=pt>. Acesso em: 02 de nov de 2022.

ROCHA, K.S., ARAUJO, A. A., DUETI, L. S. Focos de calor no sudoeste da Amazônia: indicador do efeito da Ação Civil Pública - ACP do "fogo zero. Braz. J. of Develop. Curitiba, 2020. https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-499. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n5-499

SAMPAIO, O. B. O impacto de incêndios florestais nas unidades de conservação brasileiras. Curitiba: Instituto ambiental do Paraná. 2006. p.138 - 152. Disponível em:<http://www.iat.pr.gov.br/sites/aguaterra/arquivos_restritos/files/documento/2020- 09/unidades_de_conservacao.pdf#page=133>. Acesso em: 28 de dez de 2021.

SANT''ANA, R. M. S.; CARVALHO, S. S.; JESUS, A. B. Espacialização das ocorrências da companhia de polícia de proteção ambiental - COPPA, através do uso de geotecnologias. Revista Eletrônica: tempo, técnica e território, v. 5, p.62-71, 2014. https://doi.org/10.26512/ciga.v5i1.22151. DOI: https://doi.org/10.26512/ciga.v5i1.22151

SANTOS, G.G., FREITAS, T.P., NERIS, J.P., SANTOS, M.G. Uso de geotecnologias na análise espacial dos focos de calor no município de São Félix do Xingu, Pará. Geografia: Publicações Avulsas. Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2020.

SCOLESO F., SANTOS L. M. As mudanças no Novo Código Florestal, seus impactos nas territorialidades e as novas dinâmicas acerca das fronteiras: mundialização do capital e neoextrativismo na Amazônia Legal. XVII Encontro Regional de História da ANPUH - PR, 2020.

SETZER, A.W., MORELLI, F. Diferenças na quantificação de focos de queima de vegetação conforme o satélite e o sensor do monitoramento. In: 5º. Simpósio Sul-Americano sobre Controle de Incêndios Florestais, Campinas. São Paulo, 264-267 p., 2011.

SILVA, S.S.; COSTA, J.G.; SOUZA, F.S.C.; NASCIMENO, E.S.; SILVA, I.S.; PEREIRA, M.P.; SOUZA, J.F.; MELO, A.W.F.; REIS, J.B.C; ANDERSON, L.O. Queimadas 2020 no Estado do Acre. Cruzeiro do Sul: UFAC, 2020.

SOARES, R. V. Queimas controladas: prós e contras. In: I Fórum Nacional sobre Incêndios Florestais. III Reunião Conjunta IPEF-FUPEF-SIF, p. 6-10, 1995.

SOARES, R. V., BATISTA, A. C. Incêndios Florestais: controle, efeitos e uso do fogo. Curitiba: UFPR, 2007.264 p.

TERRABRASILIS. Desmatamento Unidades de Conservação. Disponível em: < http://terrabrasilis.dpi.inpe.br>. Acesso em: set. 2022.

VENTURA, J., VASCONCELOS, M.J. O Fogo como Processo Físico-Químico e Ecológico. Incêndios Florestais em Portugal Impactes E Prevenção, p. 93-113, 2006.

Published

2023-10-16

How to Cite

de Melo, J. A. F., & Rocha, K. da S. (2023). ANÁLISE DO REGIME DE FOGO NA RESERVA EXTRATIVISTA CHICO MENDES: INFLUÊNCIA E CORRELAÇÕES COM FATORES PROPULSORES . Revista Contemporânea, 3(10), 17909–17937. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-069

Issue

Section

Articles