DOR EM RECÉM-NASCIDOS: MEDIDAS NÃO FARMACOLÓGICAS EM UNIDADE INTENSIVA NEONATAL

Authors

  • Beatriz Silvério da Silva
  • Brenda Souza Silva Francisco
  • Maria Eduarda Nobre Libanio dos Reis
  • Beatriz de Melo Soares
  • Odete Alves Palmeira

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N10-157

Keywords:

Dor, Intervenções Não Farmacológicas, Recém-Nascido, UTI Neonatal

Abstract

O controle da dor em recém-nascidos internados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal é um desafio para a equipe de enfermagem. Esta dor pode afetar o desenvolvimento e crescimento. Pensando nisso, o objetivo deste estudo foi descrever as medidas não farmacológicas adotadas pela equipe de enfermagem para alívio da dor em recém-nascidos em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Pesquisa bibliográfica, exploratória, descritiva, com abordagem qualitativa. Para o levantamento de produções científicas, foram utilizadas as bases de dados Lilacs, BDENF e IBECS, utilizando os descritores “enfermagem”, “recém-nascido” e “dor”, cruzados entre si. Após análise dos dados emergiram três categorias: percepção da dor no RN pela equipe de enfermagem; conhecimento sobre escalas de avaliação da dor no RN; e medidas não farmacológicas, podendo-se destacar a solução adocicada, sucção não nutritiva, contato pele-a-pele e amamentação e musicoterapia. Conclui-se que a dor neonatal deve ser observada, considerada e tratada. Entretanto ainda há um déficit no conhecimento e percepção da dor entre as equipes dentro de uma UTIN. Felizmente, através deste estudo foi possível observar diversos métodos não farmacológicos para o alívio da dor ao recém-nascido. Sugere-se a implementação da educação continuada e treinamento da equipe, com o intuito de trazer essa temática e ferramentas para a avaliação e percepção da dor no neonato.

References

ALBERICE, R. M. C. et al. Avaliação da dor no recém-nascido durante punção arterial: estudo ibservacional analítico. Rev. Bras. Ter. Intensiva, v. 33, n. 3, p. 434-439, 2021. DOI: < https://doi.org/10.5935/0103-507X.20210058>. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rbti/a/cQFhQpgCPdXhd4ZCZ3qBHPs/ >. Acesso em: 17 ago. 2022.

ARAÚJO, B. S. et al. Práticas de avaliação e manejo da dor na unidade neonatal. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), v. 13, p. 531-537, jan./dez. 2021. DOI: http://dx.doi.org/0.9789/2175-5361.rpcfo.v13.9287>. Disponível em: < https://pesquisa.bvsalud.org/hansen/resource/pt/biblio-1222617?src=similardocs>. Acesso em: 17 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v13.9287

BRASIL. Gabinete do Ministro. Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012. Define as diretrizes e objetivos para a organização da atenção integral e humanizada ao recémnascido grave ou potencialmente grave e os critérios de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal noâmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0930_10_05_2012.html>. Acesso em: 01 jun. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido: Método Canguru: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 340 p

BRENNAN, F.; CARR, D. B.; COUSINS, M. Pain manegment: a fundamental human right. Anesthesia & analgesia., v. 105, p. 205-221, 2007. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/17578977/>. Acesso em: 02 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1213/01.ane.0000268145.52345.55

CARVALHO, S. S. et al. PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ACERCA DA AVALIAÇÃO DA DOR EM RECÉM-NASCIDOS PREMATUROS. Rev Enferm Atenção Saúde, v. 10, n. 2, jul./set. 2021. DOI: < https://doi.org/10.18554/reas.v10i2.4281>. Disponível em: < https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/4281>. Acesso em: 19 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v10i2.4281

DA SILVA, A. C. S. S. et al. Conhecimento de enfermeiras acerca da sucção não nutritiva no manejo da dor do recém-nascido. Enferm Foco., v. 12, n. 3, p. 560-566, 2021a. Disponível em: http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2022/02/conhecimento-enfermeiras-succao-nao-nutritiva-manejodor-recem-nascido.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2022. DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n3.4353

DA SILVA, G. A. et al. ESTUDO DE CASO INTRÍNSECO DE UM RECÉM-NASCIDO PREMATURO: PROCEDIMENTOS DOLOROSOS. Rev. Enferm. Atual In Derme, v. 96, n. 38, jun. 2022. DOI: < https://doi.org/10.31011/reaid-2022-v.96-n.38-art.1384>. Disponível em: <https://revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/1384>. Acesso em: 19 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.31011/reaid-2022-v.96-n.38-art.1384

DA SILVA, S. F. et al. Intervenções não farmacológicas no controle da dor em recémnascidos pré-termo: conhecimento da equipe de enfermagem. Revista Nursing, v. 24, n. 278, p. 5896-5900, 2021b. DOI: <https://doi.org/10.36489/nursing.2021v24i278p5892-5901>. Disponível em: < https://revistas.mpmcomunicacao.com.br/index.php/revistanursing/article/view/1681/ 1937>. Acesso em: 07 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.36489/nursing.2021v24i278p5892-5901

DA SILVEIRA, A. L. D. et al. Effect of glucose and non-nutritive sucking on puncture pain in premature infants: a crossover clinical trial. Rev Esc Enferm USP., v. 55, 2021. DOI: <https://doi.org/10.1590/S1980-220X2020018303732>. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/reeusp/a/gmxHfV6fcXvKB9P4bvYJzYg/?format=pdf&lang=en> . Acesso em: 11 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2020033903744

DAMACENO, A. N.; ASSUMPÇÃO, P. K.; BELMONTE G. P. S. Avaliação da dor do recém-nascido pela equipe de enfermagem: scoping review. Rev. Enferm. Atenção Saúde, v. 8, n. 2, p. 135-149, ago./dez. 2019. DOI: < https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2405>. Disponível em: < https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/2405>. Acesso em: 18 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2405

DE LIMA, R. O. et al., Intervenção de enfermagem-primeiro banho do recém-nascido: estudo randomizado sobre o comportamento neonatal. Acta Paul Enferm., v. 33, 2020. DOI: < https://doi.org/10.37689/acta-ape/2020AO0031>. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/ape/a/MNTRtZTNDLCWgHV4YWpHhmP/?lang=pt>. Acesso em: 07 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.37689/acta-ape/2020AO0031

GIMENEZ, I. L. et al. Avaliação temporal da dor neonatal após aspiração de vias aéreas. Rev. Bras. Ter. intensiva, v. 32, n. 1, jan./mar. 2020. DOI:

<https://doi.org/10.5935/0103-507X.20200011>. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbti/a/hfJqfMsBB3XbXF7tkkFVmZv/?lang=pt>. Acesso em: 17 ago. 2022.

GREEN, C. R. et al. Race and chronic pain: a comparative study of young black and white Americans presenting for management [em linha]. The Journal of Pain, v. 4, n. 4, p. 176-183, maio 2003. Disponível em: < https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14622701/>. Acesso em: 02 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/S1526-5900(02)65013-8

ICN. International Council of Nurses. Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem. Genebra, Suiça: Internacional Council of Nurses, 2019.

KOLCABA, K. Comfort theory and practice: a vision for holistic health care and research. New York (US): Springer Publishing Company, 2003.

MACIEL, H. I. A. et al. Medidas farmacológicas e não farmacológicas de controle e tratamento da dor em recém-nascidos. Rev. Bras. Ter. Intensiva, v. 31, n. 1, p. 21-

, 2019. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rbti/a/WDnJF38dgpWWwwmwrDFStdP/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 19 ago. 2022.

MAHMOUND, H. et al. Effect of non-nutritive sucking on pain response among preterm infants. 5th Annual Global Healthcare Conference. 2016. Disponível em: <https://dl4.globalstf.org/productspage/proceedings/ghc/effect-of-non-nutritivesucking-on-pain-response-among-preterminfants/>. Acesso em: 02 set. 2022.

MARQUES, A. C. G. et al. Avaliação da percepção de dor em recém-nascidos por profissionais de saúde de unidade neonatal. Cad. Saúde colet., v. 27, n. 4, out./dez. 2019. DOI: < https://doi.org/10.1590/1414-462X201900040156>. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/cadsc/a/yTSPw96zS4MWhkB5HqFqMCx/?lang=pt>. Acesso em: 01 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462x201900040156

MARTINS, K. P. et al. Cuidado e desenvolvimento do recém-nascido prematuro em unidade de terapia intensiva neonatal: revisão de escopo. REME - Rev Min Enferm., v. 25, 2021. Disponível em: < https://cdn.publisher.gn1.link/reme.org.br/pdf/e1414.pdf>. Acesso em: 07 set. 2022.

MATHIOLLI, C. et al. Effects of music therapy on the physiological responses of preterm newborns on non-invasive ventilation: a quasi-experimental study. Online Braz J Nurs., v. 20, 2021. DOI: <https://doi.org/10.17665/1676-4285.20216487>. Disponível em:<https://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/6487/pdfpt>. Acesso em: 23 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.17665/1676-4285.20216487

MICHEL, M. H. Metodologia e Pesquisa Científica e Ciências Sociais. 3. ed. Minas Gerais: Atlas, 2015. 304 p.

MORETTO, L. C. A. et al. Dor no recém-nascido: perspectivas da equipe multiprofissional na unidade de terapia intensiva neonatal. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 23, n. 1, p. 29-34, jan./abr. 2019. Disponível em: < https://revistas.unipar.br/index.php/saude/article/viewFile/6580/3727>. Acesso em: 02 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v23i1.2019.6580

MUFATO, L. F.; GAIVA, M. A. M. Empatia de enfermeiras com recém-nascidos hospitalizados em unidades de terapia intensiva neonatal. Acta Paul Enferm., v. 35, 2022. DOI: < https://doi.org/10.37689/acta-ape/2022AO00492>. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/ape/a/S8mKChG7TfgJTTvf9ZkYWtw/>. Acesso em: 19 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.37689/acta-ape/2022AO00492

NAZARIO, A. P. et al. Desenvolvimento e avaliação de vídeo educativo para família sobre alívio da dor aguda do bebê. Rev Gaúcha Enferm., v. 42, 2021. DOI: <https://doi.org/10.1590/1983- 1447.2021.20190386>. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/rgenf/article/view/111392>. Acesso em: 23 ago. 2022.

RAJA, S. N. et al. Definição revisada de dor pela Associação Internacional para o Estudo da dor: conceitos, desafios e compromissos. Pain, v. 161, n. 9, p. 1976-1982, set. 2020. DOI: <https://doi.org/10.1097/j.pain.0000000000001939>. Disponível em: <https://journals.lww.com/pain/Abstract/2020/09000/The_revised_International_Asso ciation_for_the.6.aspx>. Acesso em: 30 maio 2021.

ROCHA, E. C. S. et al. DOR E LESÃO DE PELE NO RECÉM-NASCIDO DURANTE A REMOÇÃO DE ADESIVO. Orientador: Dr, Jose Maria de Andrade Lopes. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente, 2020. 91 p. Dissertação (mestrado) - Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente, Rio de Janeiro, abr. 2020. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/handle/icict/48999/000247598.pdf;jsessionid=B92266583D10E852522398C65D23546D?sequence=2>. Acesso em: 15 ago. 2021.

SILVA, Y. P. et al. Avaliação da Dor em Neonatologia. Rev. Brasileira de Anestesiologia, v. 57, n. 5, set./out. 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rba/a/VhQ6mz5dFB3YGfrsVBPtYqm/?lang=en&format=pdf>. Acesso em: 02 set. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-70942007000500012

SOUSA, F. A. E. F. Dor: o quinto sinal vital. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 10, n. 3, jun. 2002. DOI: < https://doi.org/10.1590/S0104-11692002000300020>. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rlae/a/k49DRq3JDKvVqHt8kBR3BtS/?lang=pt#:~:text=A%20A g%C3%AAncia%20Americana%20de%20Pesquisa,temperatura%2C%20pulso%2C %20respira%C3%A7%C3%A3o%20e%20press%C3%A3o>. Acesso em: 02 ago. 2021.

UEMA, R. T. B. et al. Manejo da dor durante a punção arterial no neonato: estudo descritivo. Rev enferm UERJ, v. 29, 2021. DOI: < http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2021.62858>. Acesso em: 23 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2021.62858

VIANA, A. L. O. et al. Avaliação e o manejo da dor neonatal: uma ação educativa para graduandos de enfermagem. Rev. Enferm. UFPI, v. 8, n. 3, p. 88-91, jul./set. 2019. DOI: < https://doi.org/10.26694/2238-7234.8388-91>. Disponível em: <https://ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/8787>. Acesso em: 23 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.26694/2238-7234.8388-91

Published

2023-10-27

How to Cite

da Silva, B. S., Francisco, B. S. S., dos Reis, M. E. N. L., Soares, B. de M., & Palmeira, O. A. (2023). DOR EM RECÉM-NASCIDOS: MEDIDAS NÃO FARMACOLÓGICAS EM UNIDADE INTENSIVA NEONATAL. Revista Contemporânea, 3(10), 19562–19582. https://doi.org/10.56083/RCV3N10-157

Issue

Section

Articles