CARACTERIZAÇÃO DOS ÓBITOS POR LESÕES AUTOPROVOCADAS INTENCIONALMENTE EM MINAS GERAIS NO PERÍODO DE 2017 A 2021

Authors

  • Ana Luiza Moreira Saúde
  • Camila Melo de Freitas
  • Dara Boa Morte David
  • Emanuella Ferraz Cassa
  • Letícia Jacon Vicente
  • Mariane de Castro Michielin

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N8-179

Keywords:

Causas Externas, Epidemiologia, Medicina, Saúde Pública, Suicídio

Abstract

Os óbitos por lesões autoprovocadas voluntariamente estão em crescente no Brasil e no mundo. O fenômeno é visto como multicausal e traz consigo prejuízos não apenas à vítima, mas também a sua rede de contatos. Diante deste cenário, com o objetivo caracterizar os óbitos por lesões autoprovocadas intencionalmente (suicídios) ocorridos em Minas Gerais, no período de 2017 a 2021, coletou-se os dados no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde e realizou-se um estudo de revisão, transversal, de base populacional. A partir da causa de morte codificada pela Classificação Internacional de Doenças (CID-10), analisou-se as variáveis, sexo, faixa etária, raça/cor, estado civil, escolaridade, ano e local de ocorrência e método utilizado para provocar a lesão. Viu-se que, em meio aos 8.224 óbitos registrados, a maior parte das ocorrências se deu no grupo do sexo masculino (78,18%). Além disso, houve um predomínio em brancos (48,39%), em solteiros (48%) e em domicílio (58,8%). O método mais utilizado foi o de enforcamento, estrangulamento ou sufocamento (71,7%). Com o crescimento da mortalidade por suicídio em Minas Gerais no período estudado, os resultados do estudo revelam que a caracterização das vítimas fornece informações para qualificar um escopo de análise que ainda carece de meios para definir estratégias de prevenção no estado.

References

CALIXTO FILHO, M.; ZERBINI, T. Epidemiologia do suicídio no Brasil entre os anos de 2000 e 2010. Saúde, Ética & Justiça, v. 21, n. 2, p. 45-51, 2016.

CARDOSO H.F.; BAPTISTA M.N.; VENTURA C.D.; BRANDÃO E.M.; PADOVAN F.D.; GOMES M.A. Suicídio no Brasil e América Latina: revisão bibliométrica na base de dados Redalycs. Diaphora, v. 12, n. 2, p. 42-48, 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM. Acesso em: fev./2021.

PALMA, D. C. A.; SANTOS, E. S.; IGNOTTI, E. Análise dos padrões espaciais e caracterização dos suicídios no Brasil entre 1990 e 2015. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00092819, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00092819

RIBEIRO, J. M.; MOREIRA, M. R. Uma abordagem sobre o suicídio de adolescentes e jovens no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 2821-2834, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018239.17192018

Published

2023-08-30

How to Cite

Saúde, A. L. M., de Freitas, C. M., David, D. B. M., Cassa, E. F., Vicente, L. J., & Michielin, M. de C. (2023). CARACTERIZAÇÃO DOS ÓBITOS POR LESÕES AUTOPROVOCADAS INTENCIONALMENTE EM MINAS GERAIS NO PERÍODO DE 2017 A 2021. Revista Contemporânea, 3(8), 13260–13266. https://doi.org/10.56083/RCV3N8-179

Issue

Section

Articles