AGREGADOS/MEEIROS EM GOIÁS: A CONFIGURAÇÃO DA CLASSE SOCIAL MENOS FAVORECIDA ATÉ MEADOS DO SÉCULO XX

Authors

  • Odilon Mendonça de Oliveira Junior

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N8-156

Keywords:

Meeiros, Agregados, Trabalho, Goiás, Território

Abstract

Durante a primeira metade do século XX, devido ao isolamento de Goiás, em função da quase ausência de estradas e da quase ausência de aparato tecnológico, o processo de produção agrícola estava, quase em sua totalidade, reduzido a sua forma primária ou primitiva de trabalho braçal. Isto significava uma produção artesanal em formato secular de tecidos e roupas, sapatos e botas, materiais necessários à construção de casas e a produção de alimentos, geralmente providenciados pelos próprios indivíduos que haveriam de consumir tais produtos para sua subsistência e subsistência da família. Não raro, parte da população lograva, mediante pagamento por mão-de-obra que conseguissem adquirir uma pequena propriedade rural, uma pequena parcela de terra, talvez 6 ou 8 hectares, que deveriam cultivar e manter às suas próprias custas. Esta classe de trabalhadores se instalava nas novas áreas de sua propriedade devendo delas tirar, mediante produção primária, vendendo apenas os excedentes em pequenas quantidades para aquisição de ferramentas, tecidos e outras poucas mercadorias de utilidade básica, utilizando escambo da produção agrícola com produtores vizinhos, geralmente pessoas nas mesmas condições sociais e de sobrevivência. Quem não possuía meios de aquisição da terra, em geral grande parcelada população, poderiam se tornar agregados de algum grande proprietário de terras. Os agregados poderiam se mudar para uma região dentro da propriedade, construir sua própria residência no local indicado e designado pelo proprietário e iniciar o seu trabalho, gozando, portanto, da proteção do proprietário de terras que tinha pessoal armado para garantir o exercício de seu poder em seu território. Instalados no local, deve-se iniciar a colonização do terreno afim de extrair do mesmo alguma produção agrícola para subsistência e para pagamento do arrendamento, fazendo demonstrar ao proprietário da terra a utilidade produtiva daquele agregado.

References

A província de Goyaz. Número 42. Anno II. Goyaz, 9 de fevereiro de 1884.

ASSIS, Wilson Rocha. OS MODERADOS E AS REPRESENTAÇÕES DE GOIÁS N’A MATUTINA MEIAPONTENSE (1830-1834) Goiânia: UFG, 2007. (Dissertação de Mestrado).

Barroso, Gustavo. Alma sertaneja. Rio de Janeiro: Benjamim Costallat & Miccolis, 1923.

CAMPOS, Itami. Questões agrárias: bases sociais da política goiana. Anápolis: Kelps, 2012.

CHAUL, Nasir Fayad. Os caminhos dos viajantes. In.: Caminhos de Goiás: da construção da decadência aos limites da modernidade. Goiânia: Editora UFG, 1997.

COSTA, Cléria Botelho. Posseiros e Política: Goiás nos anos 1969. Revista de História, 134. 1º semestre de 1996. FFLCH-USP. Revista de História 134 (1996). DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i134p61-69

Estado de Goyaz. Mensagem enviada a câmara dos deputados a 24 de maio de 1897 por Francisco Leopoldo Rodrigues Jardim. Presidente do Estado. Goyaz. Typ. Perseverança – De Pacifico Marques Aranha, 1897.

Estado de Goyaz. Mensagem enviada a câmara dos deputados a 24 de maio de 1897 por Francisco Leopoldo Rodrigues Jardim. Presidente do Estado. Goyaz. Typ. Perseverança – De Pacifico Marques Aranha, 1897.

FOUCAULT, Michel. “Soberania e disciplina”. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

Gabinete da Presidência do Estado de Goyaz. Mensagem enviada à camada dos deputados de Goyaz por Francisco Leopoldo Rodrigues Jardim, presidente do Estado. Em 13 de maio de 1898. Acerco da Bibliotheca Nacional.

GONTIJO, Rebeca. O velho vaqueano. Capistrano de Abreu (1853-1927): memória, historiografia e escrita de si, Rio de Janeiro, Sete Letras, 2013.

OLIVEIRA, Hamilton Afonso de. A construção da riqueza no sul de Goiás (1835-1910). Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Franca, 2006.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem à província de Goiás. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia. Edusp, 1975.

SOUZA, Luiz Antônio da Silva e. Memória do descobrimento, governo, população e cousas mais notáveis da Capitania de Goyaz (1814). Goiânia: Editora UFG, 1998.

Published

2023-08-25

How to Cite

de Oliveira Junior, O. M. (2023). AGREGADOS/MEEIROS EM GOIÁS: A CONFIGURAÇÃO DA CLASSE SOCIAL MENOS FAVORECIDA ATÉ MEADOS DO SÉCULO XX. Revista Contemporânea, 3(8), 12760–12779. https://doi.org/10.56083/RCV3N8-156

Issue

Section

Articles