RISCOS E VULNERABILIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM AMBIENTES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COM IMPACTO DA FALTA DE BIOSSEGURANÇA

Authors

  • Natália Figueiredo dos Santos
  • Monica Cristina da Silva
  • Karen Ritt
  • Marcus Vinícius Gomes de Oliveira
  • Talita Barbosa Gomes
  • Gabriela da Silva Marques
  • Maria Sandra Ramos Queiroz
  • Gilson Viana da Silva
  • Cassius de Souza

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N8-102

Keywords:

Aplicação de Injetáveis, Farmácia, Risco Biológico e Biossegurança

Abstract

Biossegurança é um conjunto de medidas voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades em ambientes ocupacionais. Diversos problemas vêm sendo relatados com relação a falta de biossegurança especialmente em locais de assistência à saúde que possuem setores associados a manipulação de injetáveis e outros procedimentos invasivos. Portanto descrever a atuação do profissional Farmacêutico frente gestão de biossegurança em especial em ambientes com procedimentos invasivos incluindo aplicação de injetáveis direciona uma qualificação técnica buscando identificar, minimizar e até mesmo erradicar riscos e vulnerabilidades associadas a estas práticas invasivas com a possível exposição de fluidos biológicos pelos quais estão expostos. Desta forma, os objetivos deste estudo foram analisar e discutir os riscos e vulnerabilidades da administração de injetáveis em ambientes de promoção da saúde indicando o impacto da falta de biossegurança. Para tanto, realizamos uma revisão pequena revisão literária, além de uma pesquisa de campo entre Farmacêuticos da Região dos Lagos, Estado do Rio de Janeiro, onde foi aplicado um questionário online com 19 perguntas fechadas sobre a temática já supra explicitada. Nossos resultados encontraram uma grande variedade de estudos relacionados com o tema correspondendo com os dados encontrados na participação de 20 farmacêuticos responsáveis técnicos atuantes nas farmácias com aplicação de injetáveis ou que já tivessem trabalhado nessa prática. Os resultados foram impactantes porque confirmaram a fragilidade de muitos profissionais que atuam realizando aplicações de injetáveis. Falta de conhecimento nas legislações vigentes, outros profissionais desabilitados executando estas atividades sem o devido preparo dentre outras dificuldades. Diante dos resultados obtidos na pesquisa, conclui-se que há uma necessidade de ampliar a discussão sobre os riscos ocupacionais, os acidentes de trabalho e a vulnerabilidade nas práticas dos profissionais de saúde com o objetivo de elaborar políticas de saúde para o profissional farmacêutico.

References

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução nº 44, de 17 de agosto de 2009. Boas Práticas Farmacêuticas. Diário Oficial da União 17 ago. 2009; Seção 1.

Azevedo AP, et al. Acidente com exposição a material biológico atendidos em um hospital. Rev. de Enf. UFPE online 2019.

Resolução da Diretoria Colegiada 222 de 28 de março de 2018 (Brasil). Regulamenta as boas práticas de gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde e dá outras providências.

Conselho Federal de Farmácia (Brasil). Resolução nº 357/2001. Aprova o regulamento técnico das Boas Práticas de Farmácia. 2001; Seção 1. mar/abr.

Conselho Nacional da Qualidade (Portugal). Boas Práticas Farmacêuticas para a farmácia comunitária. Ordem dos Farmacêuticos 2009; Revisão nº 3. jun.

Damasceno AP, et al. (2006) Acidentes ocupacionais com materiais biológicos: a percepção do profissional acidentado. Rev. Bras. Enferm. jan-fev. 2006;59(1):72-77. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672006000100014

Gir E, et al. Conhecimento de Balconista de Farmácia de Ribeirão Preto sobre Gonorreia. DST – I Bras. Doenças Sex. Transm. 2003; Vol.15(3): 24-30.

INFARMED. Deliberação nº 139/CD/2010 de 4 novembro de 2010.

Lucchetta RC, Mastroianni PC. Avaliação do conhecimento e das condutas dos farmacêuticos, responsáveis técnicos por drogarias. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apli. 2010;31(3): 183-191.

Novack ACM, Karpiuck LB. Acidentes com perfurocortantes em trabalhadores da saúde: revisão de literatura. Rev. Epidemiol Control Infect 2015;5(2): 89-93. DOI: https://doi.org/10.17058/reci.v5i2.4439

Nunes G. Biossegurança nas ações de farmácia. Fundação Nacional Manoel Guedes, Tatuí, SP; 2018.

Oliveira LGT, et al. O Descarte de insumos farmacêuticos em estabelecimento de saúde. Brazilian Journal of Health and Pharmacy. 2020; Vol. 2(1). DOI: https://doi.org/10.29327/226760.2.1-1

Oliveira NVBV, et al. Atuação profissional dos farmacêuticos no Brasil: perfil sociodemográfico e dinâmica de trabalho em farmácias e drogarias privadas. Saúde Soc. São Paulo; 2017. V. 26 (4): 1105-1121. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902017000002

Pontes SGFL, et al. Biossegurança, acidente por perfurocortante e cobertura vacinal em estudantes de farmácia. Faculdade Pernambucana de Saúde; 2018.

Santos JLG, et al. Risco e vulnerabilidade nas práticas dos profissionais de saúde. Rev. Gaúcha Enferm.; 2012. Vol. 33 (2): 205-212. DOI: https://doi.org/10.1590/S1983-14472012000200028

Silva GEV, et al. Expressivo ocupacional a material biológico envolvendo trabalhadores que atuam em Drogarias e medidas adotadas para prevenção. Rev. Bras. Farm.; 2015. Vol. 96 (2): 202-215.

Silva LR, Campos DMB. Avaliação de resíduos produzidos em farmácias com manipulação, quanto a natureza, quantificação, risco e cumprimento do plano de gerenciamento de resíduos. [IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA – III CIPEEX]. 2018.

Tosmann JM. Importância da fiscalização do uso de EPIs e EPCs. Revista Cipa, 2019.

Vieira ARC, Costa MJR, Soler O. Vigilância Sanitária: Perfil dos estabelecimentos farmacêuticos, privados e filantrópicos em Piraí, RJ. Ensaios Cien. Biol. Agrar. Saúde; 2016. Vol. 20, (3): 175-187.

Published

2023-08-15

How to Cite

dos Santos, N. F., da Silva, M. C., Ritt, K., de Oliveira, M. V. G., Gomes, T. B., Marques, G. da S., Queiroz, M. S. R., da Silva, G. V., & de Souza, C. (2023). RISCOS E VULNERABILIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DE INJETÁVEIS EM AMBIENTES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COM IMPACTO DA FALTA DE BIOSSEGURANÇA. Revista Contemporânea, 3(8), 11776–11802. https://doi.org/10.56083/RCV3N8-102

Issue

Section

Articles