A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA

Authors

  • Marina da Silva Junqueira
  • Hugo Lamezony de Oliveira Barreto
  • Riroca Santos da Silva Oliveira Barreto
  • Rafaela Santos da Silva Farias
  • Girlene Alves de Sousa
  • Cláudia Regina José da Silva
  • Iris Cristina de Moura Silva Gonçalves
  • Rafael Dias Pereira
  • Douglas Silva Martins
  • Ronan Soares Garcez

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N8-055

Keywords:

Classificação, Enfermagem em Emergência, Serviço Hospitalar de Emergência

Abstract

Introdução: Por considerar que as emergências vivem superlotadas, um dos objetivos da classificação de risco não é necessariamente acabar com a superlotação. No entanto, o seu objetivo é que os pacientes sejam classificados de acordo com as suas condições clínicas. Para isso, é fundamental que seja o enfermeiro o classificador, e que esse profissional possa colocar em prática todo o seu conhecimento técnico e científico durante a classificação do usuário. Objetivo: Descrever a atuação do enfermeiro na classificação de riscos nos serviços de emergência. Metodologia: Trata-se de um estudo do tipo revisão bibliográfica que teve início em agosto de 2019, os artigos que foram selecionados estavam escritos em línguas portuguesa e língua, no período de 2015 a 2020. Resultados e Discussões: Foi possível identificar que a classificação de risco quando realizada pelo enfermeiro é quase perfeita, no entanto, ainda há profissionais que desconhecem o protocolo utilizado na emergência no qual trabalha. Conclusão: O fluxo de atendimento é um fator que deve ser realizado em todo serviço de emergência. Sugere-se que estudos futuros possam identificar quais as dificuldades do enfermeiro para realizar a classificação de risco, bem como se o não conhecimento da equipe interfere na assistência prestada ao doente.

References

ACOSTA, A.M; DURO, C.L.M; LIMA, Lima M.A.D.S. Atividade do enfermeiro nos sistemas de triagem/classificação de risco nos serviços de urgência: revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v.33, n.4, p.181-190, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n4/23.pdf. Acesso em: 10 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1983-14472012000400023

AEENPARAST, A; FARZADI, F; MAFTOON, F. Waiting time for specialist consultation in Tehran. Arch Iran Med, v.15, n.12, p.756-8, 2012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23199247. Acesso em: 28 jun. 2020.

BERTONCELLO, K.C.G; XAVIER, L.B; NASCIMENTO, E.R.P; AMANTE, L.N. Dor aguda na emergência: Avaliação e controle com o instrumento de Mac Caffery e Beebe. J Health,v.18, n.4, 251-256, 2017. Disponível em: file:///C:/Users/deocl/Downloads/3701-Texto%20do%20artigo-15778-1-10-20170209.pdf. Acesso em: 25 jul. 2020.

BOTELHO, L. L. R; CUNHA, C. C. A; MACEDO, M. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, Belo Horizonte v. 5, n.11, p. 121-136, 2011. Disponível em: file:///C:/Users/deocl/Downloads/1220-Texto%20do%20artigo-4530-1-10-20111202.pdf. Acesso em: 17 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.21171/ges.v5i11.1220

CASP- Critical Appraisal Skills Programme. 10 questions to help you make sense of a review, 2013. Disponível em: http://media.wix.com/ugd/dded87_ebad01cd736c4b868abe4b10e7c2ef23.pdf. Acesso em: 03 jul. 2020.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 423, de 09 de abril de 2012. Normatiza no âmbito do Sistema COFEN/Conselhos Regionais de Enfermagem, a participação do enfermeiro na classificação de risco. Brasília- DF. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen. Acesso em: 21 jul. 2020.

COSTA, M.A.R; VERSA, G.L.G.S; BELLUCCI, J.A; INOUE, K.C; SALES, C.A; MATSUDA, L.M. Acolhimento com classificação de risco : Avaliação de serviços hospitalares de emergência. Revista Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v.19, n.3, p.491-497, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v19n3/1414-8145-ean-19-03-0491.pdf. Acesso em: 22 jun. 2020.

CAVEIÃO, C; HEY, A.P; MONTEZELI, J.H; BARRO, A.P.M.M; SORDI, J.A; SANTOS, S.C. Desafios ao enfermeiro na classificação de risco em unidade mista. Revista de Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 4, n.1, 2014, p. 189-196, 2014. Disponível em: file:///C:/Users/deocl/Downloads/10527-64615-2-PB.pdf. Acesso em: 17 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/2179769210527

DURO, C.L.M; LIMA, M.A.D.S; WEBER, L.A.F. Opinião de enfermeiros sobre classificação de risco em serviços de urgência. Revista Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 21, p. 1-9, 2017. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/174045/001061256.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 04 jul. 2020.

GUEDES, H.M; SOUZA, C.C; JÚNIOR DOMINGOS, P; MORAIS, S.S; CHIANCA, T.C.M. Avaliação de sinais vitais segundo o sistema de triagem de Manchester: concordância de especialistas. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v.25, p. 1-6, 2017. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/10/947332/7506-105520-1-pb.pdf. Acesso em: 01 jul. 2020.

HERMIDA, P.M.V; JUNG, W; NASCIMENTO, E.R.P; SILVEIRA, N.R; ALVES, D.L.F; BENFATTO, T.B. Classificação de risco em unidade de pronto atendimento: discursos dos enfermeiros. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v. 25, p. 1-6, 2017. Disponível em: file:///C:/Users/deocl/Downloads/19649-101587-1-PB.pdf. Acesso em: 21 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2017.19649

HERMIDA, P.M.V; NASCIMENTO, E.R.P; GUANILO-ECHEVARRÍA, M.E; BRUGGEMANN, O.M; MALFUSSI, L.B.H. Acolhimento com classificação de risco em unidade de pronto atendimento: estudo avaliativo. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 52, p. 1-7, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v52/0080-6234-reeusp-S1980-220X2017001303318.pdf. Acesso em: 19 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2017001303318

LIMA NETO, A; NUNES, V.M.A; FERNANDES, R.L; BARBOSA, I.M.L; CARVALHO, G.R.P. Acolhimento e Humanização da Assistência em Pronto – Socorro Adulto: Percepções de Enfermeiros. Revista de Enfermagem da UFSM, Santa Maria, v. 3, n. 2, p. 276-286, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/8279/pdf. Acesso em: 27 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/217976928279

MALFUSSI, L.B.H; BERTONCELLO, K.C.G; NASCIMENTO, E.R.P; SILVA, S.G; HERMIDA, P.M.V; JUNG, W. Concordância de um protocolo institucional de avaliação com classificação de risco. Revista Texto e Contexto Enfermagem, santa Catarina, v.27, n.1, p. 1-8, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v27n1/0104-0707-tce-27-01-e4200016.pdf. Acesso em: 19 jul. 2020.

OLIVEIRA, J.L.C; SOUZA, V.S; INOUE, K.C; COSTA, M.A.R; CAMILLO, N.R.S; MATSUDA, L.M. Atuação do enfermeiro no acolhimento com classificação de risco: Um estudo de metassíntese. Revista Ciência Cuidado Saúde, Maringá, v.15, n.2, p. 374-382, 2016. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/28573/17563. Acesso em 09 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v15i2.28573

PRUDÊNCIO,C.P.G; MONTEIRO, R.A.N; RIBEIRO, B.C.M; MIRELI, S.M; MANHÂES, L.S.P. Percepção de enfermeira(o)s sobre acolhimento com classificação de risco no serviço de pronto atendimento. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador , v.30, n.2, p.1-10, 2016. Disponível em: file:///C:/Users/deocl/Downloads/14917-56420-2-PB%20(1).pdf. Acesso em: 09 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.18471/rbe.v30i2.14917

SERRA, H.H.N; SANTANA, T.S; SOUZA, A.R; SANTOS, J.S; PAZ, J.S. Implementação do acolhimento com classificação de riscoem uma unidade de pronto atendimento. Revista Revisa, v.8, n.4, p. 484-495, 2019, Goiás. Disponível em: file:///C:/Users/deocl/Downloads/456-1160-1-SM%20(1).pdf. Acesso em: 21 jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.36239/revisa.v8.n4.p484a495

SOUZA, C,C; CHIANCA, T.C.M; JÚNIOR WELFANE, C; RAUSCH, M.C.P; NASCIMENTO, G.F.L. Análise da confiabilidade do Sistema de Triagem de Manchester: concordãncia interna e outros observadores. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.26, p. 1-10, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v26/pt_0104-1169-rlae-26-e3005.pdf.

TOMASI, M; ALVES, F.L; ESPÍNDULA, B.M. Reflexão sobre a classificação de risco para os enfermeiros no atendimento pré–hospitalar. Revista Eletrônica de Enfermagem do Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição, Goiânia, v.4, n.4, p.1-15, 2013. Disponível em: http://www.cpgls.pucgoias.edu.br/8mostra/Artigos/SAUDE%20E%20BIOLOGICAS/Reflex%C3%A3o%20sobre%20a%20classifica%C3%A7%C3%A3o%20de%20risco%20para%20os%20%20enfermeiros%20nos%20servi%C3%A7os%20de%20emerg%C3%AAncia.pdf. Acesso em: 12 jun. 2020.

Published

2023-08-08

How to Cite

Junqueira, M. da S., Barreto, H. L. de O., Barreto, R. S. da S. O., Farias, R. S. da S., de Sousa, G. A., da Silva, C. R. J., Gonçalves, I. C. de M. S., Pereira, R. D., Martins, D. S., & Garcez, R. S. (2023). A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOS SERVIÇOS DE EMERGÊNCIA. Revista Contemporânea, 3(8), 10926–10941. https://doi.org/10.56083/RCV3N8-055

Issue

Section

Articles