REFLEXÕES SOBRE A CRIAÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE REFERÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA E AO PRECONCEITO NA ESCOLA

Authors

  • Sergio Fernandes Senna Pires

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N8-035

Keywords:

Violência na Escola, Preconceito na Escola, Rede Nacional de Enfrentamento à Violência na Escola

Abstract

Este estudo propõe uma reflexão inicial para a criação de uma rede para o enfrentamento à violência e aos preconceitos na escola. Tal reflexão inicia-se a partir das atividades do I Seminário Internacional para Segurança e Proteção no Ambiente Escolar, promovido pelo Ministério da Educação, nos dias 30 e 31 de maio de 2023. Tomando como ponto de partida esse conteúdo, descrevemos, brevemente, a história e a arquitetura de rede do programa de atenção às infecções sexualmente transmissíveis, o que nos serve de ponto inicial para a proposta de uma arquitetura semelhante a ser transposta para o enfrentamento à violência e aos preconceitos na escola. Tal rede se apoia na lógica da existência de três instâncias. A primeira composta por um Centro Nacional de Coordenação da Política de Enfrentamento à Violência e ao Preconceito na Escola, futuramente responsável pela promoção do fluxo de informação, administração, de recursos de rede e de propostas nacionais, em escala. A segunda constituída por Centros de Referência Nacional, com quádrupla vocação: (1) assistência e cooperação técnica; (2) teste de normas, procedimentos, metodologias e propostas; (3) capacitação; e (4) pesquisa científica e operacional, oferecendo a necessária diversidade para dar conta de populações e territórios distintos. E a terceira, com objetivo de dar capilaridade ao sistema composta pelas Unidades de Referência Local, que poderão ser os elos operacionais e coincidem com estabelecimentos de ensino vocacionados para desenvolver, testar e promover a difusão das ações de enfrentamento à violência e aos preconceitos na escola para os demais estabelecimentos de ensino. Podem, também, fazer o papel de porta de entrada da rede para sugestões, ideias, projetos e demais elementos provenientes da comunidade e dos demais estabelecimentos de ensino, promovendo a multidirecionalidade da rede em acolher as iniciativas populares e das comunidades escolares.

References

ALEGI, Livia. The politics of platforms: the case of Discord. 2022.

SOUZA, Bruna Bezerra et al. A Política de AIDS no Brasil: uma abordagem histórica. JMPHC| Journal of Management & Primary Health Care| ISSN -6750, v. 1, n. 1, p. 23-26, 2010. DOI: https://doi.org/10.14295/jmphc.v1i1.90

GONÇALVES, Rejane Calixto; RIBEIRO, Cassia Liberato Muniz; BORTOLETTO, Celia Cristina Pereira. Diretrizes do modelo de atenção para a rede de atenção básica. Inovação e Direito à Saúde, p. 19, 2017.

GRECO, Dirceu Bartolomeu. Thirty years of confronting the Aids epidemic in Brazil, 1985-2015. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 1553-1564, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015215.04402016

MELO, Eduardo Alves et al. Cuidado de pessoas vivendo com HIV na atenção primária à saúde: reconfigurações na rede de atenção à saúde?. Cadernos de Saúde Pública, v. 37, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00344120

SANTOS, Keile Aparecida Resende et al. Social welfare related to AIDS in Brazil: factors associated with social assistance and social security, 2004–2016. Revista Panamericana de Salud Publica, v. 42, p. e73, 2018. DOI: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.73

Published

2023-08-04

How to Cite

Pires, S. F. S. (2023). REFLEXÕES SOBRE A CRIAÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE REFERÊNCIA PARA O ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA E AO PRECONCEITO NA ESCOLA. Revista Contemporânea, 3(8), 10559–10571. https://doi.org/10.56083/RCV3N8-035

Issue

Section

Articles