CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SOBRE AS ETAPAS DO PROTOCOLO DE SEPSE

Authors

  • Dirley Cardoso Moreira
  • Danielle Amoras da Costa
  • Juliana da Silva Freitas
  • Rebeca Pessoa Bollela
  • José Luiz Picanço da Silva
  • Erika Tatiane de Almeida Fernandes Rodrigues
  • Rosana Oliveira do Nascimento
  • Marlucilena Pinheiro da Silva
  • Rubens Alex de Oliveira Menezes
  • Claudia Mara de Melo Tavares

DOI:

https://doi.org/10.56083/RCV3N8-001

Keywords:

Protocolos Clínicos, Profissionais de Enfermagem, Unidades de Terapia Intensiva, Sepse

Abstract

Este estudo objetiva descrever o conhecimento dos enfermeiros que trabalham na unidade de terapia intensiva (UTI) sobre as etapas do protocolo de sepse. Trata-se de estudo quantitativo, descritivo com 17 enfermeiros que trabalham nas Unidades de Tratamento Intensivo de dois hospitais: público e particular do Estado do Amapá, por meio de informações sobre o conhecimento coletadas através de um questionário. O percentual geral de acertos (conhecimento) foi de 71% (regular). Entre os participantes do estudo, 71% são mulheres, com idade entre 30 a 40 anos (59%), são casados (65%), possuem 5 a 10 anos de graduação (29%) e tempo de trabalho (53%), 59% possuem capacitações sobre o protocolo de sepse. Os enfermeiros da rede privada apresentaram média de acertos 18,1 maior que os enfermeiros da rede pública, com 16,5, mas não houve diferença estatística significativa entre as médias (p>0,05). O manejo e conhecimento do protocolo de sepse é fator determinante na identificação precoce de sinais e sintomas e cuidados assertivos. Além disso, à identificação precoce da síndrome séptica, vem colaborar para implantação de ações que visem garantir maior habilidade e competência a esses profissionais sobre este tema.

References

ALMEIDA GRV, ARAÚJO TSA. Unidade de terapia semi-intensiva e intensiva: perfil do enfermeiro e condições de trabalho. C&D-Revista Eletrônica da Fainor, v. 9, n. 1: 225-234, 2016.

ARAUJO MAN, et al. perfil sociodemográfico dos enfermeiros da rede hospitalar. Revista enfermagem UFPE online, v.11, n. 11:4716-25, 2017.

BARBOSA AC. et al. Perfil de egressos de Enfermagem: competências e inserção profissional. Revista Latino Americana de enfermagem, v. 27, n. 3205: 01-08, 2019.

BARROS JNN. Caracterização de pacientes sépticos internados na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Clin Med, v. 8, n. 5, 420-9, 2018.

BIASIO NT. Sepse e choque séptico em adultos de unidade de unidade de terapia intensiva: aspectos epidemiológicos e prognósticos. Repositório Unifran, v. 11, n. 10: e509111033008-e509111033008. 2019.

BONFADA MS, et al. Potencialidades e limites da autonomia do enfermeiro em ambiente hospitalar. Revista enfermagem UFPE on line, v. 12, n. 8:2235-46, 2018. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i8a234915p2235-2246-2018

BORGES MC. et al. Desenvolvimento e validação de um questionário de conhecimento em asma para uso no Brasil. J Bras Pneumol., v. 36, n. 1: 8-13, 2010.

BROCK CM, PRATES TB, Baldisserotto, S. - Sepse /Sepsis - Acta méd., Porto Alegre, v. 37, n. 5: 01-05, 2016.

CAMELO SHH, et al. Perfil profissional de enfermeiros atuantes em unidades de terapia intensiva de um hospital de ensino. Ciencia y Enfermería. Concepción, v. XIX, n. 3, p. 51-62. 2013. DOI: https://doi.org/10.4067/S0717-95532013000300006

CARVALHO AL, et al. Enfermeiros (as) gestores (as) no Sistema Único de Saúde: perfil e perspectivas com ênfase no ciclo de gestão 2017-2020. Ciências saúde coletiva, v. 25; 01-06.2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020251.29312019

COSTA RHA, et al. A baixa adesão do protocolo de sepse na terapia intensiva. Rev Med UFC., v. 58, n. 3: 20-24, 2017. DOI: https://doi.org/10.20513/2447-6595.2018v58n3p20-24

DONGA H. et al. Qualitative Analysis of Factors That Hinder Intensive Care Unit Nursesin Western China From Encouraging Patients to Donate Organs. Published by Elsevier., v. 52: 20-25, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.transproceed.2019.10.017

FILHO CAL, et al. Fatores de risco em pacientes com sepse em unidades de terapia intensiva: uma revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v.19, e208. 2018. https://doi.org/10.25248/reas.e208.2019. DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e208.2019

GARRIDO, F. et al. Ações do enfermeiro na identificação precoce de alterações sistêmicas causadas pela sepse grave. ABCS Health Sci., v. 42, n. 1:15-20, 2017. DOI: https://doi.org/10.7322/abcshs.v42i1.944

GOULART LS. et al. Os enfermeiros estão atualizados para o manejo adequado do paciente com sepse? Escola Anna Nery, v. 23, n. 4: 01-06, 2019.

ILAS. Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Sepse: um problema de saúde pública. ILAS, CFM, Brasília, 2016: 90p.

ILAS. Instituto Latino Americano para estudos da Sepse. Roteiro de implementação de protocolo assistencial gerenciado de sepse. Programa de melhoria de qualidade. 5ª edição, Nova edição: 2019 revisada e atualizada.

KOCHHAN SI, et al. Adesão ao protocolo de sepse em um serviço de emergência relacionado à taxa de mortalidade intra-hospitalar: Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 38, 2020 e1856. https://doi.org/10.25248/reas.e1856.2020 DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e1856.2020

KOLLER DRS. et al. Diagnóstico precoce em sepse - Early diagnosis of sepsis - Acta médico, v. 35, n. 6: 01-06, 2014.

LAGUNA J. Redistribution of salary or professional recognition? The difficult construction of a profession, the Peruvian nursing. Ciências saúde coletiva, v. 25: 01-06, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020251.25972019

LELIS LS, et al. As ações de enfermagem frente à sepse, uma abordagem do paciente crítico: uma revisão da literatura. Revista Científica FacMais. v. 11, n. 4: 51-66, 2019.

LUZ KS. Mortalidade de pacientes sépticos no pronto socorro do hospital geral de palmas e a implementação do protocolo assistencial de sepse. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Universidade Federal do Tocantins, Tocantins, 2018; 63p. DOI: https://doi.org/10.31011/reaid-2019-v.89-n.27-art.45

MACHADO MH. et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sociodemográfico. Enfermagem Foco, v. 6, n. 1/4: 11-17, 2015.

MASSAROLI R, et al. Trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva e sua interface com a sistematização da assistência. Esc Anna Nery, v. 19, n. 2:252-258, 2015.

MELECH CS, PAGANINI MC. Avaliação do Conhecimento de médicos e equipe de enfermagem nas ocorrências de sepse. Rev. Med. UFPR, v. 3, n.3: 127-132, 2016. DOI: https://doi.org/10.5380/rmu.v3i3.47544

MENEZES LEFJ, et al. Epidemiological profile and effectiveness analysis for the prevention of deaths of patients enrolled in a sepsis protocolo. Rev Soc Bras Clin Med. v. 17, n. 1: 25-30, 2019.

OLIVEIRA SC, et al. O Enfermeiro na Detecção dos Sinais e Sintomas que antecedem sepse em Pacientes na enfermaria. Rev Fund Care Online., v. 11, n. 5:1307-1311, 2019. DOI: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i5.1307-1311

RIBEIRO JÁ et al. Ações do Enfermeiro na identificação precoce da sepse. Enfermagem Revista. Poços de Caldas, v. 21, n. 2: 27-40, 2018.

RHODES A. et al. Campanha Sobrevivência à Sepse: diretrizes internacionais para a gestão de sepse e choque séptico: 2016. Critical Care Medicine. v. 45, n. 3: 486-556, 2017.

SANTANA MM, et al. Concepção dos enfermeiros de terapia intensiva sobre detecção e tratamento da sepse. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 23, n. 3, e12269. 2023. https://doi.org/10.25248/reas.e12269.2023 DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e12269.2023

SANTOS FC e CAMELO SH. O enfermeiro que atua em Unidades de Terapia Intensiva: Perfil e Capacitação Profissional. Cultura de los cuidados, v. 19, n. 43, 2015. DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2015.43.13

SILVA TA, FREITAS GF. Perfil sociodemográfico, sociocultural e acadêmico de estudantes de enfermagem em uma instituição privada de ensino. Cult. cuid, v. 22, 52: 129-141, 2018. DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2018.52.12

SILVA TTSC. et al. Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre sepse - estudo em um hospital universitário de Fortaliza/Ceará. Rev Med UFC, v. 57, n. 3: 24-29, 2017. DOI: https://doi.org/10.20513/2447-6595.2017v57n3p24-29

SOARES AN, et al. Atuação da enfermagem frente ao paciente com sepse nas unidades de terapia intensiva: revisão de literatura. Revista Artigos. Com, v. 29, e7787, 2021.

SOARES RA, et al. Care of septic patients admitted to an adult intensive care bed: A literature review. Research, Society and Development, v. 12, n. 4, p. e29412441348, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i4.41348. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v12i4.41348

SOUZA MST, et al. Assistência de enfermagem a pacientes com sepse na unidade de terapia intensiva: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. sup. 13, p. 1458-1463, 2018. DOI: https://doi.org/10.25248/REAS289_2018

WESTPHAL GA. et al. Características e desfechos de pacientes com sepse adquirida na comunidade e no hospital. Rev Bras Ter Intensiva, v. 31, n. 1: 71-78, 2019.

VARGAS CP, et al. Ações de advocacia do paciente pelos enfermeiros intensivistas. Revista da escola da USP, v. 53: 01-06, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018011703490

VERAS RES, et al. Evaluation of a clinical protocol by nurses in sepse treatment. J. Health Biol Sci, v. 7, n. 3:292-297, 2019. DOI: https://doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v7i3.2466.p292-297.2019

Published

2023-08-01

How to Cite

Moreira, D. C., da Costa, D. A., Freitas, J. da S., Bollela, R. P., da Silva, J. L. P., Rodrigues, E. T. de A. F., do Nascimento, R. O., da Silva, M. P., Menezes, R. A. de O., & Tavares, C. M. de M. (2023). CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SOBRE AS ETAPAS DO PROTOCOLO DE SEPSE. Revista Contemporânea, 3(8), 9886–9911. https://doi.org/10.56083/RCV3N8-001

Issue

Section

Articles